Girlboss: o que eu gostei (e não gostei) na série

29 de abril de 2017

Não estava nos meus planos assistir Girlboss, mas a curiosidade bateu e pensei: “por que não?” Então lá fui eu pra Netflix tirar a dúvida de se a história era legal ou não, já com alguma influência das primeiras críticas nada positivas que li sobre a série. Vale ressaltar no início deste texto que eu NÃO li o livro escrito pela protagonista Sophia Amaruso e por isso meus comentários são essencialmente sobre a produção da Netflix.

O ano é 2006 e Sophia aos 23 anos está completamente perdida. Não quer voltar para a casa do pai, mas enfrenta dificuldades imensas para pagar o aluguel e comer, além de estar desacreditada com a vida adulta. Entre um emprego e outro, certo dia Sophia encontra uma jaqueta raríssima num brechó e vê aí uma oportunidade. Ao colocar a peça num leilão do Ebay, Sophia arrecada um valor absurdo comparado ao que pagou pela peça e assim nasce a primeira faísca do que se tornou depois a sua marca Nasty Gal.

Minha impressão de Girlboss foi negativa já no primeiro episódio. Isso porque Sophia é insuportável. Os primeiros capítulos da história, apesar de alguns aspectos relevantes, foram um desafio. Lá pela metade estava mais acostumada com a personalidade da protagonista, no entanto não torci para ela em nenhum momento. É impressionante que alguém tão egoísta e prepotente tenha chegado onde chegou sem sofrer consequências mais graves pelo caminho. Talvez a personagem da série traga um aspecto realista e não tão explorado de Sophia, talvez não, e esse é um dos grandes dilemas de Girlboss


São Francisco é o cenário e como eu adoro a cidade esse foi um atrativo e tanto para me prender na série. Nos primeiros capítulos a relação de Sophia com a cidade e sua paixão por ela são destaques, mas depois de apresentado esse tema fica subentendido no enredo e eu gostaria de tê-lo visto constantemente no decorrer dos 13 episódios.

Os personagens secundários são os destaques em vários momentos da série. Minha expectativa era para um roteiro focado na parte empreendedora, mas Girlboss retrata os dramas de Sophia quando toda ideia da Nasty Gal aconteceu e como ela lidou com cada situação. A série foi bem realista nas relações interpessoais com os amigos, namorado, pais e até colegas de trabalho e clientes. Eu gostei muito desse aspecto porque foi inesperado.

Um dos pontos que mais me decepcionou em Girlboss foi a relação de Sophia com as roupas que vende. Eu gostaria que os episódios tivessem abordado mais a parte do garimpo, as customizações, os bloqueios criativos de Sophia e até as dificuldades administrativas. Alguns capítulos retratam certos dilemas, mas tudo é resolvido rápido ou fácil demais.

Assista ao trailer de Girlboss!


A trilha sonora, a fotografia e as referências aos anos 2000, como muitas pessoas comentaram, é um dos aspectos mais legais de Girlboss. Em 2006 - 2008 eu tinha 18/20 anos, então lembro de muita coisa que a série aborda entre música, televisão, moda e cultura pop no geral. Aliás, o visual de Sophia na série me atrai especialmente porque me vejo muito no estilo e nas combinações da personagem.

O grande desafio de Girlboss é encarar a personalidade mesquinha de Sophia. Como não li o livro minha antipatia aliviou ao longo dos 13 capítulos, mas quem leu, pelos comentários que li até escrever esse texto, realmente esperou uma protagonista diferente daquela que a série abordou. Apesar de não ter sido tão legal, eu gostei de acompanhar Girlboss. A produção da Netflix me inspirou muito principalmente porque adoro brechós e estou cheia de ideias para falar mais sobre o tema no Estante da Nine. Minha nota para a Girlboss foi 3 estrelas no Filmow e vale assistir a série sem grandes expectativas, como foi meu caso, para algumas boas horas de entretenimento. Vocês já assistiram ou querem assistir Girlboss? Gostaram?

Beijos!
Imagem: Divulgação

TBR jar #15 - novo adulto!

Hoje é dia de mais um sorteio da TBR jar e desta vez com menos de um mês de diferença para a coluna recente que eu publiquei em meados de abril. Li Ratos de Gordon Reece incrivelmente rápido principalmente porque o livro superou as expectativas e em breve vou escrever uma opinião sobre a história no Estante da Nine. Como as metas estão muito bem em 2017, e já que as opção da TBR estão no fim, resolvi pescar mais uma sugestão de leitura no jarro.

Nesta edição do sorteio da TBR jar novamente eu tirei dois papéis com leituras já feitas, O grande Ivan e As vantagens de ser invisível. Ambos tem post no blog e para ler minha opinião sobre os livros basta digitar o título na busca. Na terceira tentativa tirei um título ainda não lido e o escolhido nesta edição do sorteio. Espero que até o segundo semestre eu faça todas as leituras inéditas da jarra para refaze-la com novas sugestões. 

O livro sorteio nesta 15ª edição da TBR jar foi Bela distração de Jamie McGuire, o primeiro livro da série Irmãos Maddox. Eu já li as três histórias anteriores, Belo desastre, Desastre iminente e Belo casamento há algum tempo e gostei (digite o nome dos livros na busca para encontrar as resenhas). Inclusive comentei outro dia com a Mah e o Henri que estava na hora de ler um novo adulto e mais uma vez a TBR parece estar em sincronia com as minhas previsões de leitura. Vocês sorteiam livros para ler?

Assista ao 15º sorteio da minha TBR jar

Beijos!

Leitura todo dia: semana 12

27 de abril de 2017

Quase encerrando o terceiro mês de projeto Leitura todo dia no Estante da Nine e estou em um bom ritmo de leitura novamente, ainda bem, hehehe. A semana 12 começou com uma história finalizada, Pais e filhos de Ivan Turgueniev, e tenho mais um russo entre os favoritos. O início promissor me empolgou e até que rendeu um pouco mais nos dias seguintes. O resumão de hoje é sobre os dias 19 a 25 de abril.

Durante a semana avancei pouco em Quimera - contos fantástico organizado por Alex Mir porque o trabalho estava em recesso, mas imagino que nos próximos dias, na atualização 13 do projeto Leitura todo dia eu termine. Os contos não me surpreenderam, mas são boas histórias e o livro é uma ótima opção para ler no ônibus, então a experiência é válida.

A leitura predominante da semana e também finalizada foi Ratos de Gordon Reece, livro sorteado na TBR jar. Eu não sabia o que esperar da história, talvez por isso ela tenha me surpreendido demais e também me deixado um pouco perturbada. Em breve vou comentar sobre Ratos no Estante da Nine, mas desde já deixo a recomendação de leitura para quem tem a história na estante.

Assista ao vlog da semana 12  do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Pais e filhos de Ivan Turgueniev
Ratos de Gordon Reece

Beijos!

O oráculo de Catherine Fisher

24 de abril de 2017




O oráculo
#1 Oráculo
Autora: Catherine Fisher
Editora: Novo Século
Edição: 2011
Páginas: 336
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon
Mirany, uma garota pouco comum, tem a difícil missão de encontrar o sucessor para o Arconte. O destino de uma nação inteira está em suas mãos, e a Escolhida pode contar apenas com um escriba ladrão de tumbas e um excêntrico músico. O Oráculo é uma aventura épica que levará o leitor ao tempo das Civilizações Antigas. Utilizando elementos mágicos das culturas egípcia e grega, nos convida a percorrer terras distantes, desertos e ilhas. Uma saga eletrizante em que o futuro de Mirany e de seu povo dependerá da confiança da garota em si mesma.

Resumo de março (2017) - Flashdance, SdA e Friends!

O cartão de memória novo da Canon chegou (obrigada Lisse mais uma vez pela surpresa e o presente) e com isso teremos, eu e vocês, uma overdose de Nine, hehehe. Resolvi colocar em ordem as colunas pendentes com o resumo do mês, vídeo e post que eu comento sobre as séries e filmes que assisti nos últimos tempos, neste caso março, que felizmente foi um mês produtivo e com uma surpresa pra lá de boa.

Assisti duas adaptações literárias em março: As duas torres, para encerrar o diário de leitura do livro, e Os 39 degraus, que conheci a história original de John Buchan em fevereiro e depois de ler a sinopse do filme e adiar por um tempo, finalmente vi. No primeiro caso eu achei o roteiro fiel ao enredo de Tolkien, na medida do possível, já que O Senhor dos Anéis é extenso e seria inviável incluir tudo na adaptação. Já o segundo é mais uma versão livremente inspirada de Alfred Hitchcock do que propriamente uma versão fiel do enredo de John Buchan.

A surpresa do mês foi Flashdance. Assisti ao filme na TV e não esperava nada de especial, mas eu adorei. Não é apenas uma história sobre uma personagem apaixonada por dança, é mais que isso. Mostra o dilema entre se fazer o que quer e o que se precisa, um relacionamento entre empregada e chefe, uma mulher linda e sensual que é soldadora na indústria e dança no clube para extravasar a frustração. Enfim, vale muito a pena e em breve o filme terá um post só dele no Estante da Nine.

A série do mês foi Friends e assisti a 5ª e praticamente toda a 6ª temporada em março. Nessa fase o drama parece ganhar um pouco mais de espaço que o humor e os dilemas da vida adulta e perto dos 30 anos chegam. Justamente por estar nessa fase, com 29 quase 30, pude me ver em muitas situações representadas pelos personagens sobre trabalho, futuro e família. Sem dúvida a série tem me surpreendido muito mais do que eu podia imaginar.

Assista ao vídeo da coluna Resumo do mês de março

FILMES E SÉRIE

Beijos!

Leitura todo dia: semana 11

22 de abril de 2017

Se tem uma coisa que eu posso exaltar da semana 11 do projeto Leitura todo dia é que meu ritmo aumentou, ainda bem. Quem assistiu (ou leu) os posts recentes da coluna sabe que nos últimos tempos nada rendia e nem no Kindle eu animei a ler. Felizmente entre os dias 12 a 18 de abril, gradativamente, eu voltei a me envolver com os livros começados e avancei, e muito, nas leituras antes paradas. Claro que por conta do feriado o trabalho parou e sobrou mais tempo. A comemoração é dupla porque eu soube aproveitar essa folga extra tanto com as leituras, como também para manter a casa em ordem.

No início da semana 11 eu escolhi uma nova leitura para a bolsa, Quimera - contos fantásticos organizado por Alex Mir, e atualmente é o livro que segue comigo quando eu saio. Gostei de como cada autor dá uma interpretação diferente a esse mostro/ criatura, e foi uma boa opção para carregar pra lá e pra cá já que as histórias são curtas e consigo aproveitar bem até intervalos curtos.

A leitura finalizada da semana 11 foi Laranja mecânica de Anthony Burgess, finalmente, e em breve vou comentar sobre o livro no Estante da Nine. Gostei, mas não gostei tanto quanto boa parte dos leitores, apesar de ter realmente adorado e me envolvido com o trecho final. Na semana também comecei Pais e filhos de Ivan Turgueniev e li certa de 75%. Já conclui e virou favorito, mas vou comentar sobre ele durante a atualização 12 e numa resenha em texto e vídeo futuramente. O que vocês leram nos últimos tempos?

Assista ao vlog da semana 11 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Quimera - organizado por Alex Mir
Laranja mecânica de Anthony Burgess
Pais e filhos de Ivan Turgueniev

Beijos!

Layout novo e um bate-papo sobre o Estante da Nine

21 de abril de 2017

Há poucos dias do aniversário de oito anos do Estante do Nine (dia 1º de maio), estou extremamente feliz em sentar para escrever esse post sobre o layout novo e sobre a nova fase do blog que começa a partir de agora. Desde o ano passado a vontade de mudar o visual da página era grande, mas não rolou dinheiro para investir, então o projeto ficou para 2017. Aproveitei dois bons meses de trabalho para fazer a economia necessária e colocar em prática esse desejo e hoje ele está no ar, ufa! (Agradecimento especial para a Lisse por ajudar no projeto e para a Flávia pela paciência e mais um layout amado).

Eu adoro galáxia e tenho um carinho todo especial pelo layout anterior, mas meu desejo era uma cara nova para o Estante da Nine, mais clean, organizado e fácil de navegar. Um visual que fosse neutro e me permitisse combinar com os vários temas que quero escrever (ou já escrevo), mesmo que o blog seja literário. O verde, o preto e o vermelho são as cores bases e favoritas, assim como a mistura de uma fonte manuscrita e outra de forma, que sempre adorei.


A página Políticas de parcerias saiu do menu principal porque não tenho parcerias e também porque não tenho intenção de fazê-las por enquanto. Na verdade, quero conversar e avaliar qualquer tipo de proposta de parceira para saber se vale a pena e se é uma ação que eu queira envolver o Estante da Nine. Empresas interessadas em enviar produtos para divulgação podem visitar a página de Contato para mais informações, assim como interessados em ações comerciais.

A novidade é que a barra lateral direita começa com uma mini bio e a caixa para assinar o feed está logo abaixo. Trouxe para a parte superior os posts em destaque no mês e minhas leituras na aba de "Lendo" do Skoob. Os banners de publicidade seguem, lembrando que quando vocês compram através deles, na Amazon ou Submarino, o Estante da Nine ganha uma pequena comissão ao fim das vendas pagas.

Pode parecer estranho para quem não é acostumado ou tem o hábito de blogar, mas o layout anterior, por não combinar mais comigo, muitas vezes boicotava minha criatividade. Ok, tudo bem, é tudo coisa da minha cabeça, mas eu realmente não sentia mais familiaridade com a versão anterior e adiei tantas ideias por causa disso que nem acredito como sou obcecada as vezes.

Então gente, agora eu não tenho mais desculpas para colocar as ideias em prática. Com layout novo no ar é focar e começar a produzir aquele montão de conteúdo que tenho anotado por aqui. E é claro que eu conto com as sugestões de vocês nos comentários. Em 2017 tenho conseguido ler bastante e escrever sobre os livros e também sobre filmes e séries com mais frequência, como sempre quis. Mais posts sobre animais e a causa animal virão, assim como receitas, looks inspirações, visitas a brechós, customizações, listas, TAGs, e qualquer tema que eu pense em compartilhar, hehehe. Vocês gostaram do layout novo? Comentem muito sobre o novo visual, sugestões de posts e leituras!

Beijos!

Compras na Saraiva: 7 livros por R$25

19 de abril de 2017

Depois de muito, muito tempo eu curei a ressaca e finalizei uma compra de livros pela internet. Nos últimos anos é perceptível a minha mudança de gosto e interesse por títulos e autores, e aliado ao grande desapego, reformulação da minha coleção e grana curta, o hábito de comprar livros ficou restrito as visitas no sebos ou bazares. Verdade que nos últimos tempos eu enchi várias vezes o carrinho em sites que vendem livros, mas na hora de finalizar compra eu desistia, hehehe. Hoje eu vou compartilhar com vocês como foi minha experiência de compra na Saraiva.

No vídeo abaixo comento porque escolhi cada livro e de que projetos ou listas eles fazem parte. O valor de cada um no dia da compra era R$3,90 e acessei um cupom de desconto de 10% em um site de cupons e cada livro saiu por R$3,51. Todos os autores e/ou títulos eram desejados, então foi uma ótima compra, apesar da demora extra na entrega. Solicitei o envio na loja da minha cidade e não paguei frete.

Conheça minhas escolhas da coleção Saraiva de Bolso

LIVROS
Rei Lear de William Shakespeare
Otelo, o mouro de Veneza de William Shakespeare
Morte em Veneza de Thomas Mann
As ondas de Virginia Woolf
Poemas e cartas a um jovem poeta de Rainer Maria Rilke
Ilíada de Homero
Grandes esperanças de Charles Dickens

Beijos!

TBR jar #14 - suspense (?)!

17 de abril de 2017

Um mês depois e estou aqui no Estante da Nine com mais um sorteio da TBR jar. 2017 é o ano que posso usar como exemplo de motivação e de que atingir certas metas é possível, principalmente sem pressão. Desde que comecei a coluna TBR jar minha intenção era tirar um livro por mês da jarra e nunca aconteceu. Agora, sem planos e cobrança, deu certo, hehehe

No sorteio anterior, quando pesquei Laranja mecânica de Anthony Burgess, demorou para sair um livro válido porque muitos títulos anotados na TBR eu já li ou não tenho mais na coleção. Desta vez, no entanto, as coisas foram mais rápidas e o livro surpresa estava na minha cabeça desde que reorganizei a estante. Já pensava em colocá-lo na minha meta dos próximos meses e por coincidência saiu da jarra.

Ratos de Gordon Reece está na minha estante há algum tempo e não lembro se ele chegou por aqui através de uma troca ou compra no sebo. Vi poucas opiniões sobre o livro na época em que foi lançado, em 2011, e para garantir uma dose de surpresa não li nem a sinopse por inteiro. Tenho a impressão de o livro segue pelo suspense e mistério, mas vou confirmar ou não quando começar a leitura. Vocês tem TBR jar? Gostam de escolher livros surpresas para ler?

Assista ao 14º sorteio da minha TBR jar

Beijos!

Leitura todo dia: semana 10

14 de abril de 2017

O terceiro mês do projeto Leitura todo dia começou e o ritmo segue devagar. Nas duas últimas semanas os livros que eu escolhi para ler não me envolveram tanto quanto esperava, e por isso o vídeo e o post de hoje são curtos: porque as leituras foram poucas. Comecei a semana 10, no dia 05 de abril lendo O imortal de Machado de Assis, outro conto incrível do autor brasileiro. Em breve vou comentar e recomendar a história aqui no Estante da Nine, então fica de olho porque vale muito conhecer (assina o feed e receba as atualizações no e-mail).

Cumpri a meta da semana de concluir pelo menos um livro no dia 11 de abril, o último desta 10ª atualização do Leitura todo dia. À primeira vista de Nicholas Sparks não estava nos planos, mas depois de ver tantas atualizações sobre a passagem dele pelo Brasil fui influenciada. Gostei, principalmente pelos temas principais como a mudança de cidade e o bloqueio para escrever, mas no geral não simpatizei com os personagens e não foi uma leitura marcante.

Para ler no Kindle escolhi O cemitério dos vivos de Lima Barreto e apesar de ter gostado do início, não continuei porque o cenário é um hospício  e como estou lendo Laranja mecânica de Anthony Burgess justo no trecho da prisão, já com o experimento social, resolvi pegar leve no tema e ler um livro por vez. E por falar em Laranja mecânica, aos poucos estou voltando para ele, mas não tem sido a história que eu esperava.

Assista ao vlog da semana 10 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
O imortal de Machado de Assis
À primeira vista de Nicholas Sparks
Cemitério dos vivos de Lima Barreto
Laranja mecânica de Anthony Burgess

Beijos!

O resgate de Althea de E. Samuel

10 de abril de 2017



O resgate de Althea
#2 As Quatro Portas do Tesouro
Autora: E. Samuel
Editora: livro independente
Edição: 2016
Páginas: 203
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon

LEIA MAIS
Em busca do amuleto de Aloni de E. Samuel
Um pedido de ajuda, um chamado que não podia deixar de ser ouvido. O Resgate de Althea, o segundo livro da série As Quatro Portas do Tesouro, leva nossos amigos a Alius, um mundo habitado por criaturas diferentes e governado por Átira, uma chefe de Estado muito além de perigosa. Incumbidos de encontrar Althea, Daniel, Júlio e Marcelo são capturados e levados ao palácio, onde ficam sabendo que Althea é a Conselheira de Átira e foi sequestrada por um grupo de rebeldes. Átira promete poupar suas vidas, mas em troca, quer que os três libertem sua conselheira e a tragam de volta. ara resgatar a Conselheira, os três terão que enfrentar monstros e criaturas apavorantes, além de vencer suas próprias limitações, usando conhecimento e criatividade como armas poderosas. Mas raramente as coisas são tão simples como parecem e nem sempre tudo acontece como planejado. Nossos amigos se veem obrigados a mudar seus planos e enfrentar um inimigo muito mais perigoso do que haviam imaginado.

Diário de leitura: O retorno do rei #1 - cronograma

9 de abril de 2017

Abril será o mês de concluir a trilogia O Senhor dos Anéis de J.R.R. Tolkien. Pelo menos assim espero. O diário de leitura desta aventura épica de fantasia se estendeu muito mais do que eu previa, no entanto é minha primeira experiência com esse formato de vídeo e leitura e mantive no Estante da Nine porque algumas lições importantes foram e estão sendo aprendidas, hehehe.

Hoje pretendo começar oficialmente a leitura de O retorno do rei, perto do prazo final para encerramento da primeira dezena do mês. O objetivo é ler aproximadamente 100 páginas a cada dez dias e concluir o livro até 30 de abril. Durante as semanas, e de acordo com a progressão da leitura, vocês verão por aqui os vídeos de atualização de cada etapa, com exceção dos apêndices que não inclui no diário de leitura.

Eu estou muito curiosa para saber como a trilogia O Senhor dos Anéis termina porque essa é uma das sagas que tenho grandes expectativas para o final. Por incrível que pareça não sei bem o que esperar, além das minhas próprias teorias de acordo com a leitura dos dois livros anteriores, mas felizmente nunca peguei spoilers significativos de O retorno do rei e muita coisa certamente será surpresa. Vocês já leram O Senhor dos Anéis?

CRONOGRAMA DE LEITURA
O retorno do rei
  • 5 a 116 (páginas) - 1º a 10 de abril
  • 117 a 206 (páginas) - 11 a 20 de abril
  • 207 a 318 (páginas) - 21 a 30 de abril

Se preferir, assista ao vídeo com o cronograma de leitura

Beijos!

Leitura todo dia: semana 9

7 de abril de 2017

Depois de duas boas etapas o post de hoje começa com um toque de drama, hehehe. Isso porque a semana 9 do projeto Leitura todo dia não foi tão produtiva quanto as anteriores. E tudo bem, faz parte. Não li em dois dos sete dias entre 29 de março e 04 de abril e, apesar disso, cumpri a meta da semana de concluir pelo menos um livro (mas depois de ler muito a gente sempre prefere manter o embalo, né?). 

A última escolha da bolsa (hoje vou tirar mais um da estante), foi Assassinato no campo de golfe de Agatha Christie, também minha leitura concluída da semana 9. Eu adorei o livro, investigado pelo famosos detetive Poirot, com várias personagens misteriosas e audaciosas. Assassinato no campo de golfe foi meu reencontro com a autora que pretendo manter bem presente na minha rotina de leitura a partir de agora.

Laranja mecânica de Anthony Burgess está parado. Falei sobre o livro recentemente na meta de leitura para abril e espero continuar nos próximos dias. No geral, não tenho consigo me concentrar no livro por mais de um capítulo, por isso a leitura está arrastada. No Kindle, durante a semana 9, também não li nada. Não estava muito empolgada para os livro, essa é a verdade.

Assista ao vlog da semana 9 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Assassinato no campo de golfe de Agatha Christie
Laranja mecânica de Anthony Burgess

Beijos!

Meta de leitura: abril (2017)

5 de abril de 2017

Começo de mês é época de olhar para a estante (e para a bagunça de livros pela casa), e escolher as possíveis leituras para os dias que virão. E escrevo possíveis por um motivo: mesmo quando eu seleciono uma tbr (to be read, em inglês), sempre deixo aberta a possibilidade de alterar os títulos, afinal meu humor pode mudar durante o mês e uma leitura ou outra pode não render ou funcionar, então é sempre interessante levar essa meta com flexibilidade.

Depois de duas boas semanas de leituras que compartilhei no Estante da Nine através do projeto Leitura todo dia, este início de abril tem sido devagar, mas após gravar o vídeo e enquanto eu escrevo esse post posso adiantar que uma das leituras já foi finalizada, eba! E a história concluída e primeira que cito no vídeo é Assassinato no campo de golfe de Agatha Christie, meu reencontro com a autora e o livro que provavelmente me salvou da ressaca literária do mês. Em breve tem opinião sobre ele por aqui, então assina o feed para receber as atualizações por e-mail.

Também na meta está Laranja mecânica de Anthony Burgess, leitura que comecei em março, mas não consegui concluir.  Eu estou gostando do livro, mas não é uma história que eu tenha disposição para ler em qualquer momento. Para variar os gêneros eu escolhi Quimera - contos fantásticos organizado por Alex Mir, talvez para servir como opção da bolsa ou livro de cabeceira, ou ainda para ser o respiro entre uma leitura mais extensa e outra.

O retorno do rei de J.R.R. Tolkien aparece por aqui para finalmente encerrarmos o diário de leitura de O Senhor dos Anéis, projeto que se estendeu mais do que eu esperava, mas que tem sido incrível manter apesar dos atrasos do cronograma inicial. E para fechar a meta de abril escolhi Pais e filhos de Ivan Turgueniev, livro que eu gostaria de ter pego em março, mas não deu tempo. Será meu primeiro russo do ano e espero gostar. E vocês, o que escolheram para o mês?

Se preferir, assista ao vídeo com a meta de leitura para abril

LIVROS
Assassinato no campo de golfe de Agatha Christie
Laranja mecânica de Anthony Burgess
Quimera - contos fantásticos organizado por Alex Mir
O retorno do rei de J.R.R. Tolkien
Pais e filhos de Ivan Turgueniev

Beijos!

Once Upon a Time: 5ª temporada – o que gostei e o que não gostei

3 de abril de 2017

Há alguns anos eu gravei um vlog animadíssima com Once Upon a Time. Na época fiz maratona da série e assisti a primeira – e parte da segunda temporada, em poucos dias. Nos últimos anos minha relação com OUAT teve altos e baixos, mas não consegui abandonar. E hoje eu finalmente resolvi sentar para escrever sobre a produção da ABC.

Comecei a assistir a 5ª temporada em janeiro e terminei em abril. Tudo bem que não vi muita coisa nesse período, mas a três episódios do final eu deveria estar mais empolgada com OUAT, né? Sem dúvida, essa temporada me envolveu mais que a 4ª, mas mesmo assim... A série usa a mesma fórmula todos os anos e isso cansa. Vou compartilhar meus pontos favoritos e o que não gostei da season 5 e desde já espero a opinião e participação de vocês nos comentários.

ESSE POST CONTÉM SPOILERS!

Cinco temporadas depois e os heróis continuam caindo em golpes tão fáceis. Não é possível que todas as vezes eles sejam passados pra trás. Não é. Essa fórmula pode até funcionar para a primeira fase da série, mas agora não faz sentido. Com o universo expandido e os vários personagens que fazem parte do enredo principal não é mais interessante mudar para algo sombrio ou talvez aventureiro?




Na temporada 5 conhecemos Hades e o Submundo. E com ele vários outros personagens ressurgem na série. Eu gostei muito dos primeiros episódios neste novo cenário, mas logo perdi o interesse. A história de Oz e Dorothy no meio disso, e a volta de Chapeuzinho Vermelho, embora legais, não me empolgaram também. Emma e Gancho e o romance impossível. Minha torcida por eles é enorme, mas haja empecilho na vida dessa família.

Rumple é um dos meus personagens favoritos, mas essa enganação de ser bonzinho para ficar com a Bella já deu. Finalmente ele se assume como o Senhor das Trevas e paga, novamente, um preço alto por isso. O núcleo desse personagem é um dos que mais gosto e me motiva a continuar com a série. E com um herdeiro a caminho tudo pode acontecer.

Regina é atualmente minha personagem preferida de Once Upon a Time e o foco volta a ser dela no final da 5ª temporada. Adorei a volta da Evil Queen e o que pode acontecer durante a próxima fase da série. Outro ponto alto na minha opinião foi a aproximação de Regina e Zelena, a Wicked Witch of The West, e a história familiar das duas. Emma se livrou das trevas facilmente, o que achei um erro e tanto da temporada, mas sua ligação com Regina cresce e torço para que renda boas aventuras no futuro. 



É claro que preciso comentar sobre a aparição de Dr. Jekyll e Mr. Hyde no final da temporada. E não tenho certeza se gostei, principalmente porque não combina com os outros personagens. A presença dessa figura macabra em Storybrooke sem dúvida vai render umas brigas legais, mas não sei se o “universo dos exilados” me convenceu.

A 6ª temporada já começou, mas provavelmente vou assistir quando todos os episódios forem lançados. Até lá a meta é fugir de spoiler e tentar especular o que está por vir, hehehehe. Certamente novos personagens devem aparecer no universo de OUAT e minha principal dúvida é como eles serão inseridos na série. Nos vemos para falar de Once Upon a Time em alguns meses!

Beijos!
Imagens: Divulgação

Brechó Chi Cão: 5 peças por R$15

1 de abril de 2017

A série de vídeos sobre brechós que arrecadam dinheiro para a causa animal começou em dezembro de 2016 quando compartilhei uma compra de 6 itens por R$12. Felizmente em março eu pude visitar a edição do mês do Brechó Chi Cão, na Universidade de Caxias do Sul (UCS), e hoje vou compartilhar com vocês as minhas escolhas por lá. No total selecionei 5 peças e gastei R$15, um ótimo investimento. E o melhor: todas as blusas serviram!

O Brechó Chi Cão é antigo, lembro que visitei algumas edições quando estudava na UCS há uns seis, sete anos, e nos últimos tempos, ainda bem, ele tem crescido ainda mais. Através da página no Facebook os voluntários compartilham detalhes das peças e outros itens disponíveis a cada edição, além de fazer a prestação de contas da verba arrecadada.

Atendimentos veterinários, resgates de maus tratos, lares temporários, ração - o dinheiro da venda das peças no Brechó Chi Cão atende a diversas situações envolvendo animais de ruas, em situação de abandono ou risco de morte. É apaixonado por pets e não pode adotar? Ajude divulgando as ações em prol a causa nas redes sociais, apadrinhando cães e gatos, se voluntariando para ajudar ONGs e cuidadores, e doando peças para o brechó, entre outras atitudes.

Eu pretendo visitar o Brechó Chi Cão sempre que possível (espero que todos os meses, hehehe), e claro que vou compartilhar no Estante da Nine as minhas escolhas e os favoritos de cada edição. Também quero conhecer alguns outros brechós que arrecadam verba para a causa animal nos próximos tempos e sempre  que isso acontecer vou contar por aqui como foi a experiência. Frequenta brechós? Quer dicas? Comenta aqui embaixo!

Assista ao vídeo com as minhas escolhas do mês no Brechó Chi Cão


Beijos!

Leitura todo dia: semana 8

30 de março de 2017

Mais uma boa semana. É assim que posso começar o resumão do projeto Leitura todo dia que aconteceu entre 22 a 28 de março. Já perto de encerrar o segundo mês dessa ideia louca, mas muito pertinente, só tenho a agradecer a todo incentivo de vocês em continuar com os vídeos e também a participação dos leitores nessa iniciativa que cresce a cada dia. Afinal, o objetivo principal de tudo isso é incentivar a leitura. E acho que estou (estamos) conseguindo.

A semana 8 começou com uma nova leitura da bolsa e o escolhido da vez foi O oráculo de Catherine Fisher, livro que comprei num bazar e estava há algum tempo interessada em tirar da estante. Logo nos primeiros dias eu percebi o quanto a história rendeu e o quanto eu me envolvi com ela, e justamente por isso resolvi concluir o livro em casa na minha folga. O oráculo foi uma boa leitura, com alguns dos meus elementos favoritos e em breve tem opinião sobre ele no Estante da Nine.

A outra leitura da semana, essa com algumas pausas e relativamente lenta, é Laranja mecânica de Anthony Burgess. Eu estou gostando do livro, mas não é uma história que tem me prendido por esses dias. Talvez eu precise de livros mais dinâmicos e menos complicados, afinal eu escolhi ler Laranja mecânica sem glossário e as gírias criadas pelo autor deixam o texto truncado. Apesar disso, tenho intenção de concluir a leitura em março.

Durante a semana eu também conclui o e-book O astrólogo de Machado de Assis, principalmente porque estava com vontade de ler algo desse autor tão querido. E não me arrependi. Mais uma história machadiana muito atual, apesar dos séculos, sobre fofoca e como ela é prejudicial a toda comunidade e especialmente para o fofoqueiro. Gostei também porque a figura principal do livro é um homem, provando que fofoca não tem gênero nem idade. E vocês, o que leram semana passada?

Assista ao vlog da semana 8 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
O oráculo de Catherine Fisher
Laranja mecânica de Anthony Burgess
O astrólogo de Machado de Assis

Beijos!

3 motivos para ler Mãe de José de Alencar

29 de março de 2017

O segundo post da série ou coluna "3 motivos para" está no ar e desta vez pensei muito se valia publicar agora em março ou em um especial no Dia das Mães em maio. Depois de alguma incerteza resolvi escrever por esses dias, principalmente porque Mãe de José de Alencar é uma das minhas leituras favoritas deste mês e gostaria de deixar registrado no Estante da Nine a indicação. Além disso, o livro está em domínio público, desse jeito não tem desculpa para não ler, certo?

Mãe é uma peça escrita por José de Alencar em 1859 e dedica a sua mãe claro, e a todas as mãe do Brasil (inclusive o autor comenta sobre isso na introdução). Essa foi a primeira vez que li um livro neste formato de peça de um autor clássico brasileiro, pelo que lembro, e adorei. Antes de compartilhar com vocês os três motivos para ler Mãe, acho interessante citar que o contexto da história ainda pertence ao período escravocrata no Brasil, e com isso, além de homenagear as mães, José de Alencar inclui algumas discussões importantes sobre o tema.

O livro começa com dois assuntos distintos: o primeiro deles é a ruína de um pai e uma filha, que após a enfermidade e falecimento da mãe, estão falidos e a beira do despejo. Vizinhos do protagonista Jorge, estudante de medicina que tenta descobrir sua origem e o passado da mãe, Elisa - a moça que faz de tudo para proteger o pai, não vê outra saída e resolve pedir ajuda financeira ao vizinho, que também é seu interesse romântico. Outro ponto em comum entre eles é Joana, escrava de Jorge, embora não tratada assim por ele, que ajuda Elisa nas tarefas, bem como apoia o casamento entre eles. O ponto de partida da peça é esse e já dá para ter uma ideia do tom dramático, né?

1. Mães são complexas

O grande mistério do livro é sobre a origem de Jorge e quem afinal é sua mãe. O protagonista foi criado desde sempre por Joana, que vê como uma mãe, e um amigo do pai que os ajudou depois do falecimento deste. Apesar de algumas especulações, Jorge não compreende o porquê de tanto mistério, afinal tantos anos se passaram e as únicas duas pessoas que poderiam esclarecer esse segredo não falam sobre o tema. Para o leitor fica evidente a partir de determinado trecho do livro quem é a mãe de Jorge e porque ela não se revela. Mesmo assim, é doloroso ver o que uma mãe é capaz de passar para não "sujar" a imagem do filho.


2. Segredos familiares são nocivos

Jorge e Elisa estão envolvidos em segredos familiares e quando as histórias se cruzam essa situação se agrava. Ou melhor, os protagonista tentam descobrir a complexidade de cada situação, Jorge sobre sua origem; Elisa sobre a ruína e endividamento do pai, mas em ambos casos são protegidos dos detalhes e quando eles finalmente são revelados a situação é desastrosa. Eu interpretei a crítica de José de Alencar da seguinte maneira: falar a verdade pode ser desastroso, mas certamente é menos nocivo do que omitir ou mentir.

 

3. Finais podem ser trágicos e felizes

Bom, eu acho que vocês já perceberam que essa é uma história dominada pelo drama, né?! E é exatamente isso que me fez gostar tanto de Mãe. Histórias familiares são complicadas e tristes, mas igualmente felizes e inspiradoras. O final da peça é 50/ 50. Os segredos são enfim revelados para Jorge e a dívida do pai de Elisa é paga, mas tudo isso também culmina com a desgraça de um personagem, o mais importante de todos, a moral da história. Mães fazem coisas impensáveis. Para o bem e para mau.

Mãe de José de Alencar foi uma ótima surpresa em março, principalmente porque no passado li alguns livros do autor e não gostei, tanto que ele demorou para aparecer por aqui e sim, esse post faz parte do projeto de clássicos brasileiros e de língua portuguesa. Espero que tenham gostado da indicação de hoje e espero as recomendações de vocês de leituras do José de Alencar.

Beijos!
Foto: Nine Stecanella
Imagens: Divulgação

Meta da semana: 26 de março a 1º de abril

26 de março de 2017

Eu estava com muita vontade de escrever um post de meta da semana, então é sobre isso que vamos conversar neste domingo. Embora mais antiga, essa coluna será um complemento para o projeto Leitura todo dia e sempre que eu tiver alguns livros na fila para ler vou compartilhar com vocês aqui no Estante da Nine. Ok, então é hora de começar o resumão.

A minha leitura da bolsa é O oráculo de Catherine Fisher e comecei o livro na quarta-feira, quando o tirei da estante. E que surpresa agradável. Comprei o livro num bazar e claro que a sinopse me chamou atenção, afinal é inspirado em mitologia egípcia e grega, e a narrativa ágil e os personagens peculiares logo me fizeram gostar da leitura. Li 146 páginas em três dias na ida e volta para o trabalho e espero concluir o livro ainda em março. 

A minha leitura de casa é Laranja mecânica de Anthony Burgess, livro sorteado no meu vídeo recente da TBR jar, e também parte da minha lista de 12 leituras para 2017. Optei por ler o livro sem conferir as palavras criadas pelo autor no glossário e até agora a experiência tem sido interessante. A leitura ficou alguns dias parada, mas nesse sábado retornei e espero continuar hoje. Também espero terminar Laranja mecânica em março.

Eu espero começar mais um livro em março, Pais e filhos de Ivan Turgueniev, o primeiro russo do ano e também parte da minha meta de 2017. O livro não é extenso, e não conheço a narrativa do autor e nem muitos detalhes do enredo, e é assim que quero começar a leitura, já que será meu contato inicial com Ivan Turgueniev. Para saber mais sobre a minha rotina de leitura diária confira os vídeos do projeto Leitura todo dia.

Também inclui meu Kindle na meta da semana, porque nos dias corridos e de rotina cheia é o leitor digital que tem salvado meu momento de leitura e o projeto diário. Neste ano aconteceu minha aproximação com a poesia e tenho lido quase toda semana desde então (saiba como tudo aconteceu em Poesias no Kindle e leitura todo dia). Também tenho lido vários e-books, arquivados há tempos ou recentes, e estou adorado as histórias. Sem dúvida 2017 já se superou, e muito, nas boas leituras.

Então é isso que eu gostaria de comentar com vocês sobre meus livros em andamento e futuros. Espero que meu ritmo de leitura se mantenha bom como tem sido nas últimas semanas e torço para que eu consiga ler cada vez mais para compartilhar aqui no Estante da Nine boas dicas de leitura. Aliás, fica de olho no blog porque tenho muitas resenhas na fila de postagem. Espero que goste! O que vocês leram nos últimos tempos?

Beijos!
Fotos: Nine Stecanella

Leitura todo dia: semana 7

22 de março de 2017

Que semana maravilhosa. Espero que isso se repita e eu comece muitos e muitos posts assim. Desde que comecei o projeto Leitura todo dia pude observar um aumento no meu rendimento, mas até aqui, o resumo dos dias 15 a 21 de março, eu não tinha real noção de como esse hábito realmente está me ajudando a ler mais. Tanto que eu nem lembro quando foi a última vez que li um livro num dia. E mais, nestes dias que se foram isso aconteceu duas vezes!!!

Tudo começou quando escolhi Elliot Allagash de Simon Rich como meu livro da bolsa no dia 15 e gostei tanto da história que resolvi terminar em casa. No dia seguinte, nem 24 horas depois de iniciar a leitura, eu conclui a trama jovem muito divertida, sarcástica e pertinente. Em breve sai opinião sobre o livro no Estante da Nine, mas já adianto que entrou para os favoritos de 2017.

Durante a semana também li o livro infantil que recebi na caixa postal, Gertrude sabe tudo de L. Rafael Nolli, que me surpreendeu pelo final não exatamente feliz e bem realista, uma mensagem muito interessante para crianças, mas especialmente para os pais e familiares. Outra leitura concluída é O resgate de Althea de E. Samuel, volume dois da série As Quatro Portas do Tesouro. Adorei a aventura principalmente pelo tema e pelas duas personagens femininas marcantes. Em breve também tem opinião sobre ele por aqui.

O desafio começado na semana 7 do Leitura todo dia é o livro Laranja mecânica de Anthony Burgess, que saiu no meu sorteio recente da TBR jar e também inclui na meta dos 12 livros para 2017. Resolvi encarar a história sem conferir o glossário e por enquanto avancei três capítulos. Outra leitura sensacional da semana é a peça Mãe de José de Alencar, que também quero comentar mais por aqui, talvez no formato do post que fiz para O cancioneiro de Fernando Pessoa. O que vocês leram nos últimos dias?

Assista ao vlog da semana 7 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Elliot Allagash de Simon Rich
Gertrude sabe tudo de L. Rafael Nolli
O resgate de Althea de E. Samuel
Laranja mecânica de Anthony Burgess
Mãe de José de Alencar

Beijos!

Os 39 degraus - dirigido por Alfred Hitchcock

20 de março de 2017



Os 39 degraus
(The 39 Steps)
Direção: Alfred Hitchcock
Produção: Gaumont British Picture Corporation
Ano: 1935
Duração: 86 minutos
Filmow | IMDb

LEIA MAIS
Os 39 degraus de John Buchan

Recentemente tirei da estante minha edição de bolso de Os 39 degraus de John Buchan, já com a intenção de ler o livro e logo depois assistir ao filme, dirigido por Alfred Hitchcock, que encontrei em um dia totalmente aleatório no Walmart (Big), há alguns anos, e trouxe para coleção, claro. Assim que finalizei o livro, que eu adorei por sinal, li a sinopse do filme e aí percebi algo crucial: as histórias são bem diferentes.

Esperei alguns dias para assistir Os 39 degraus, afinal eu sempre quero adaptações fiéis aos livros e isso quase nunca acontece, como neste caso, e depois do tempo de descanso me aventurei na história, desta vez a versão para o cinema de Hitchcock, filme que é considerado um dos mais importantes da carreira do diretor. Eu gostei do filme, ele tem sim algumas similaridades com o livro, mas o desenvolvimento é diferente. Hoje vou contar meus pontos favoritos e o que não gostei tanto sim da adaptação. 

A principal diferença entre livro e filme é que no decorrer da trama original, em meio a um caso de conspiração internacional, Hannay - o protagonista - troca informações e conta com a ajuda de homens, enquanto no filme Hitchcock substituí quase todos esses personagens por mulheres. Isso dá ao filme um toque irônico e romântico que o livro não aborda. Aliás, nem existe. O ponto de partida também é diferente: na versão de John Buchan um vizinho, após revelar a trama, é morto e deixa um caderno de anotações na casa do personagem principal. No filme a única pista é um mapa.


Apesar do desenvolvimento da história partir de pontos e por motivos diferentes no filme, o clima de mistério e aventura permanece intenso como no livro. O desafio de Hannay na adaptação é igualmente interessante a história original, porque na versão de Hitchcock ele parte para fuga com poucas informações e nenhuma ideia do que a conspiração significa ou qual o risco de vida. O Hannay do livro é um homem experiente e confiante, já o do filme tem personalidade esnobe. Não simpatizei tanto com o personagem na adaptação.

Para terminar é claro que eu preciso comentar sobre as personagens femininas. E sim, eu acho que no filme elas dão o diferencial. O livro tem uma história ágil e de narrativa fácil, eu sinceramente não senti falta de uma mulher como personagem principal. Mas o mistério da adaptação começa a partir de uma mulher e faz sentido que outra personagem, ao longo da trama, se envolva na confusão com Hannay. No final ela é determinante para o desfecho de parte do mistério, mas o protagonista masculino, apesar de galã, nem sempre usa a ajuda feminina de maneira simpática.

Se nos anos 2000 as adaptações literárias são modificadas para funcionar melhor ao público do cinema, não consigo imaginar como era esse processo nos anos 1930, mas tudo indica que isso também acontecia na época. Eu gostei da versão de Hitchcock, também por ter mantido parte dos cenários da Escócia, um dos meus pontos favoritos no livro, mas ainda prefiro o ponto de partida de John Buchan. Vale ler o livro e assistir o filme, e encarar ambos como histórias paralelas de uma mesma ideia. 

Beijos!
Imagens: Divulgação

TBR jar #13 - distopia!

17 de março de 2017

O primeiro vídeo da coluna (ou projeto) TBR jar rolou no Estante da Nine em maio de 2014, e deste então, mesmo que de forma irregular, sortear um livro surpresa é um hábito que gosto de manter. Na época que eu fiz a minha primeira jarra esse tipo de vídeo estava em alta no Youtube e nos blogs literários, mas um tempo depois as pessoas pararam de gravar; uma pena porque adoro assistir e por isso mesmo, depois de refazer minha lista de livros para sorteio, eu mantive por aqui o segmento e espero gravar um vídeo por mês.

Meu sorteio anterior aconteceu em dezembro e o título tirado da jarra foi Eragon de Christopher Paolini, livro que eu li durante parte deste mês de março e compartilhei com vocês o progresso nos vídeos Leitura todo dia: semana 5 e Leitura todo dia: semana 6, projeto que começou em fevereiro no Estante da Nine e graças ao feedback de vocês tem sido incrível continuar. Em breve também vai rolar resenha de Eragon por aqui.

Lido o livro anterior da TBR jar, chegou a hora de escolher algo novo e o sorteio de hoje está no mínimo peculiar. Isso porque eu precisei tirar cinco sugestões da jarra até um livro não lido ou que eu tivesse na coleção saísse, e isso também significa que em breve eu vou precisar fazer uma nova lista de leituras para a TBR. Aliás, se vocês quiserem eu mostro o processo de escolha, e o que incluir ou não, é só comentar aqui embaixo que eu preparo e compartilho no Estante da Nine.

Claro que para saber qual foi o livro sorteado é preciso assistir o vídeo, vou manter um pouco de mistério por aqui, hehehehe. Mas pela dica do título e da imagem destaque do post dá pra ter uma ideia, né? Eu já comentei sobre o livro várias vezes por aqui e inclusive selecionei para a TAG 12 livros para 2017. Dito isso, é hora de assistir o vídeo. E claro que eu quero saber a opinião de quem já leu, se gostou ou não. Go!!!

Assista ao 13º sorteio da minha TBR jar

Beijos!

Leitura todo dia: semana 6

16 de março de 2017

Eu preciso começar este post dizendo que estou orgulhosa por ter continuando com o projeto Leitura todo dia. Um dos motivos é que tenho entendido melhor minha rotina de leitura, os horários que eu leio mais e o tipo de livro que tem me atraído especialmente, mas também porque a participação de vocês cresceu e muitos leitores estão interessados ou já começaram a organizar suas leituras e tentar, todos os dias, dedicar um tempo a essa lazer (ou estudo) incrível.

A semana 6 começou no dia 8 de março e encerrou no dia 14. Provavelmente desde que eu comecei o Leitura todo dia esse foi o período mais parado e mesmo assim eu consegui ler quase todos os dias, com exceção de um, e cumpri a meta semanal de concluir um livro, já que as outras duas leituras em andamento estavam e estão paradas, provavelmente vou abandoná-las por um tempo, o saldo geral foi positivo.

Durante os últimos dias eu tentei ler Cinco luas de Ronaldo Cavalcante, mas o livro, apesar do enredo interessante, não consegue me prender por conta da narrativa. Minha leitura a noite não tem rendido bem, mas mesmo assim o livro não me atraí por muitas páginas e avancei apenas 8 em relação a última atualização, que saiu no Leitura todo dia 5. A química de Stephanie Meyer também está parado e não pretendo pegá-lo por enquanto.
 
O livro finalizado durante a semana 6 foi Eragon de Christopher Paolini, sorteado no meu vídeo recente da TBR jar e que começou o mês como leitura da bolsa, mas por conta do trabalho parado essa última semana eu resolvi terminá-lo em casa. Não vou me estender muito sobre ele porque em breve vai rolar post, mas adorei a jornada de Eragon, sua conexão com o dragão Saphira e como os personagens secundários também são importantes. Talvez role uma versão em vídeo da minha opinião sobre o livro, quem quiser avisa nos comentários.

Assista ao vlog da semana 6 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Eragon de Christopher Paolini
Cinco luas de Ronaldo Cavalcante
A química de Stephanie Meyer

Beijos!

As duas torres - dirigido por Peter Jackson

14 de março de 2017



As duas torres
(The Lord of the Rings: The Two Towers)
Direção: Peter Jackson
Produção: New Line Cinema
Ano: 2002
Duração: 179 minutos
Fimow | IMDb
Compre no Submarino

LEIA MAIS
Diário de leitura: O Senhor dos Anéis

Semana passada assim que conclui a leitura de As duas torres de J.R.R. Tolkien eu tirei meu box de filmes da saga da estante e deixei bem a vista para assistir a versão da história para os cinemas assinada por Peter Jackson sem enrolação. Assim como A sociedade do anel, eu gostei muito da adaptação, com exceção do final. O vlog para o diário de leitura contém alguns comentários, mas vou aproveitar o post para estender minha opinião e contar meu pontos favoritos e os que não gostei tanto assim.

Nesta segunda parte da jornada que visa destruir o anel de poder a sociedade foi desfeita e cada grupo segue um caminho distinto. Gandalf caiu nas ruínas de Moria e começa o livro (e o filme) morto para todos os personagens que presenciaram a cena; Sam e Frodo estão viajando rumo a Mordor para cumprir o destino imposto ao hobbit, Merry e Pippin são capturados pelos orcs e tentam fugir de um destino cruel, enquanto Legolas, Gimli e Aragorn estão, através de outra estrada, também rumo as terras do senhor sombrio.


Um dos meus pontos favoritos do filme é que ele dá a real dimensão de tempo e espaço e a distância entre cada grupo de personagens, que é de um ou dois dias de viagem, mas que no livro eu tive certa dificuldade em imaginar tal proximidade. Verdade que como na adaptação do primeiro livro, o filme de As duas torres tem sim alguns momentos compactos ou cenas unidas de momentos distintos da história original, mas no geral os principais acontecimentos do livro também estão no roteiro.

Outro elemento muito importante em As duas torres é diversidade de personagens da Terra Média. Neste trecho da jornada fica evidente que muitas raças ainda não conhecem os hobbits, assim como algumas lendas sobre povos e animais não são tão lendas assim. Outro destaque para o filme é mostrar os conflitos dos humanos entre si, o que sempre dificulta a aliança com outros povos. Os domínios do mau crescem e toda a Terra Média sofrerá as consequência de uma dominação de Sauron, por isso a política também é extremamente importante para o desenvolvimento tanto do livro quanto do filme.

As duas torres sem dúvida serviu para confirmar meu favoritismo por Gandalf e pelos elfos, aumentar minha admiração por Aragorn, e também simpatizar com os hobbits. No geral eu nunca achei o povo dos pequenos destemido ou corajoso, e nem mesmo no livro tive tanta empatia por Frodo e Sam (apesar de ter tido um pouco), como foi assistindo o filme. Verdade que eu funciono muito melhor com imagem e som, do que lendo e imaginando, mas neste caso é impossível fugir da própria influência do filme, afinal a trilogia foi lançada há 15 anos.

Mesmo com as diferenças, o filme está entre meus favoritos na categoria adaptações literárias. No entanto devo ressaltar que não gostei do final, porque algumas das principais diferenças entre livro e filme estão neste trecho e também porque algumas das minhas cenas favoritas estão neste momento da história. Minha dúvida é se esses capítulos, ou parte deles, darão início ao filme de O retorno do rei, que vou assistir depois de ler o livro, ou se foram excluídos do roteiro. O final do filme também é mais corrido e compacto que o início e o desenvolvimento, mas espero que parte desses elementos estejam na finalização da trilogia.

Se preferir assista ao vlog gravado para o diário de leitura de O Senhor dos Anéis


Beijos!
Foto: Nine Stecanella
Imagem: Divulgação
*Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através dos banners do Submarino e Amazon;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Recebidos na caixa postal + compra (jan/ fev)

12 de março de 2017

Que saudade de receber cartas na caixa postal. E comprar livros então, nem se fala! No vídeo de hoje eu compartilho com vocês alguns dos meus novos na estante e também o que deve ficar e sair da coleção. Vai rolar sorteio em breve no blog, então fica de olho, ok? Para acompanhar todos os posts aproveita e assina o feed do Estante da Nine (na barra lateral direita) porque as atualizações são enviadas para o e-mail cadastrado!



LIVROS
Gertrude sabe tudo de L. Rafael Nolli
O resgate de Althea de E. Samuel (leia a resenha do primeiro livro)
Tutor de Sue Hecker
A 25ª hora de Virgil Gheorghiu

Beijos!


Leitura todo dia: semana 5

10 de março de 2017

O segundo mês do Leitura todo dia começou e a experiência com o projeto tem sido incrível. O retorno e a participação de vocês aumentou no último mês e mesmo com poucos livros finalizados, certamente eu li mais desde o início dessa ideia maluca. E é claro que ela vai continuar. A primeira semana de março ainda foi estranha e irregular, mas a medida que me adaptar ao ritmo de trabalho tudo deve se ajeitar.

A minha leitura da bolsa da semana 5, que agora virou leitura de casa, é Eragon. Estou adorando a fantasia jovem de Christopher Paolini e não acredito que deixei a coleção intocada por tanto tempo na estante. Como essa semana foi parada no trabalho resolvi agilizar essa leitura. Semana que vem um novo livro irá para bolsa, então fica de olho porque sempre compartilho nas redes sociais!

A minha leitura principal de casa é Cinco luas de Ronaldo Cavalcante, mas o livro não está rendendo como eu gostaria, principalmente porque durante a noite tenho lido pouco e de dia priorizo as tarefas de casa e as ideias e conteúdos de posts para o blog e o canal. Durante a semana 5, correspondente ao dia 1º a 7 de março, finalmente conclui As duas torres de J.R.R. Tolkien e compartilhei com vocês a experiência no post do diário de leitura

Durante a semana li dois e-books no Kindle, que aliás tem salvado meus dias de preguiça. Um deles chama 49 fabulosas de economia doméstica e apesar de rápido, todas as dicas são bem conhecidas, para iniciantes, o primeiro passo para quem quer se tornar mais econômico e consciente no consumo e nos cuidados com a casa. Também li O elixir da longa vida de Honoré de Balzac, história sobre pessoas que só visam a herança dos parentes e também com um toque de realismo fantástico do meio para o final da história.  Interessante e recomendado!

Assista ao vídeo de atualização da semana 5 do projeto Leitura todo dia!

LIVROS
Eragon de Christopher Paolini
Cinco luas de Ronaldo Cavalcante
As duas torres de J.R.R. Tolkien (diário de leitura)
O elixir da longa vida de Honoré de Balzac (baixe na Amazon)

Beijos!
*Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através dos banners do Submarino e Amazon;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine
 

Resumo de fevereiro (2017) - Friends e O quatrilho!

9 de março de 2017

A coluna resumo do mês está no ar e hoje eu compartilho com vocês a série e os filmes que eu assisti em fevereiro. Infelizmente esqueci de mencionar no vídeo O grande Gatsby, adaptação do livro de Scott Fitzgerald, que eu também vi mês passado e apesar do figurino e dos cenários incríveis, e até de atores que eu gosto e acompanho, não gostei tanto assim da produção. O que vocês viram nos últimos tempos?



SÉRIE
Friends (3ª, 4ª e 5ª temporada)

FILMES
O grande Gatsby - dirigido por Baz Luhrmann
O quatrilho - dirigido por Fábio Barreto

Beijos!