Em algum lugar do passado de Richard Matheson

20 de setembro de 2017




Em algum lugar do passado
Autor: Richard Matheson
Editora: Abril Cultural
Edição: 1983
Páginas: 269
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon | Submarino

LEIA TAMBÉM
Pais e filhos de Ivan Turgueniev
A partir da visão de um retrato de uma bela mulher, Richard Collier volta ao passado em busca de um amor que teria acontecido antes dele nascer. Eles teriam tido uma ligação naquele mesmo mês e lugar. O romance acontece a partir dessa situação, numa atmosfera plena de romantismo e fantasia. Com uma narrativa cheia de amor e suspense, o autor nos faz recuar ao passado e ao reencontro de dois jovens que haviam se conhecido e amado num outro tempo.

A leitura de Em algum lugar do passado foi uma saga e tanto e para os leitores e inscritos que acompanham o projeto Leitura todo dia deve ter ficado claro meu amor e ódio, meus altos e baixos com esse livro. Como a sinopse acima explica, a premissa do romance é a diferença de décadas entre os personagens e uma viagem no tempo. O ponto de partida me chamou atenção imediatamente, mas a construção da história é que me frustrou em vários momentos.

Richard Collier descobre uma grave doença, o diagnóstico é de poucos meses, e ao invés do tratamento ele escolhe a aventura. Os primeiros capítulos são uma viagem pela Califórnia, sem rumo, com o protagonista, narrador em primeira pessoa, contando sua montanha russa de emoções. Tudo muda quando Richard se hospeda em um hotel em San Diego e se apaixona pelo retrato da atriz do início do século Elise McKenna. A partir daí o protagonista vai fazer de tudo para voltar no tempo e encontrar a jovem mulher.



O primeiro ponto que me enganou e me desagradou foi a personalidade de Richard. No começo da história ele parece um homem espirituoso e querido, mas a obsessão por Elise faz com ele se torne um obsessivo realmente assustador. O personagem tem certeza de que ele e a atriz tem uma conexão, mas em nenhum momento ele pensa em conquistar Elise. O que importa é a viagem e o protagonista parece viver na possibilidade da mulher não questionar sua presença. Mas ela questiona, ponto muito positivo para Richard Matheson

Nunca me sentira tão vazio na vida. Tão absolutamente sem objetivo. Quem se sente assim morre. A vontade de viver é tudo. Quando ela some, o corpo a acompanha.
página 66

O autor dá uma explicação científica para a viagem no tempo, mas como Richard consegue de fato concretizar é que não me convenceu. Esse foi meu principal dilema com o livro. Gostei porque Richard Matheson tem o cuidado de colocar o protagonista em situações embaraçosas e também faz com que ele pense na adaptação para outro século, como a roupa, o modo de falar e até o dinheiro usado na época. O presente de Richard é em 1971 e a volta para o passado é para o ano de 1896.

Elisa McKenna é que me surpreendeu e na minha opinião ela rouba a cena de Richard. Já nas pesquisas do personagem tudo indica que ela é uma mulher à frente do seu tempo, mas como achei a viagem fácil demais, imaginei também que o autor facilitaria a aceitação do romance sem muitos empecilhos. No entanto, as adversidades são constantes, Elise é questionadora e Richard percebe que existe um grande dilema entre viver esse romance sem passado e contar a verdade para a atriz

Anotação de algum leitor do passado nas páginas do livro




Poucos personagens secundários ganham destaque ou participam ao longo do enredo, mas na reta final Richard Matheson escreve algumas cenas tensas e que indicam que o final da história será abrupto e nada feliz. Ainda sobre o final, não gostei da explicação do autor porque é como se invalidasse todo o enredo, outros livros que eu adorei também perderam pontos por causa dessa minha birra pessoal. É o tipo de solução que me desagrada, que simplifica, embora seja frequente na literatura

Entre altos e baixos e com as ressalvas citadas ao longo do texto eu finalizo dizendo que gostei do livro e acho válida a leitura para quem gosta de romance, viagem no tempo e livros que retratam outras épocas. Eu adoro a Califórnia e o cenário certamente foi um ponto alto do livro na minha experiência. Minha nota para Em algum lugar do passado foi de três estrelas no Skoob. Vocês já leram ou assistiram ao filme (que vou comentar amanhã aqui no blog)?

Beijos!

Fotos: Nine Stecanella
*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e do Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine