Gil Vicente, Schopenhauer e Breaking Bad! (Leitura todo dia 192 e 193)

16 de outubro de 2020

Os vídeos sobre livros voltaram e outubro parece que vai ser mesmo o mês da virada. Hoje vou comentar sobre o que rolou nas semanas 192 e 193 do projeto Leitura todo dia, entre os dias 28 de setembro a 11 de outubro. Vale citar que a série atual é Breaking Bad que tem ocupado bom espaço entre minhas horas livres (e não dominadas pela preguiça, hehehe).

O punhal de marfil de Patricia Wentworth é uma das minhas leituras em andamento e a primeira citada no vídeo (e aqui no texto também). Normalmente livros de mistério ajudam a curar a ressaca literária, mas dessa vez as coisas não aconteceram. Eu adoro a coleção Grandes Sucessos e tenho certeza que logo mais o enredo volta a fluir até a conclusão do livro.


4 meses lendo mulheres (Leitura todo dia 173 a 191 + leituras do mês)

14 de outubro de 2020

O canal do Estante da Nine no Youtube passou por um hiato de quatro meses que de muitas maneiras também influenciou o blog. Outubro chegou para mudar as coisas e as atualizações finalmente voltaram (já falei milhões de vezes como eu amo a primavera). No primeiro dia do mês publiquei um resumo dos livros finalizados entre o final de maio até setembro, pouca produtividade, mas leituras que merecem o registro.

O jardim secreto de Frances Hodgson Burnett - clássico inglês, é a leitura finalizada e favorita do período. Uma história singela, delicada e cheia de lições importantes aprendidas entre crianças e também adultos (link da resenha abaixo). Livro recomendado para todas as idades, assim como o filme, que também ganhou comentário no Estante da Nine.

A obscena senhora D de Hilda Hilst foi mais uma experiência incrível e meu primeiro contato com uma história da autora (li textos curtos anteriormente). Um enredo sobre a peculiaridade de uma mulher que sofre uma perda, e julgada pelas pessoas ao redor, e ao mesmo tempo que enfrenta a incompreensão, também entende sua individualidade no mundo.


3 motivos para assistir Dark

28 de setembro de 2020

Dark não estava na minha lista de séries para assistir. Pelo contrário. Quando a produção da Netflix começou a ser comentada em todos os lugares da internet eu fiz cara feia e quis passar longe. Influenciada tremendamente pelo Gabriel (obrigada amor), resolvi ver Dark sem pretensão e devorei as três temporadas em uma semana, coisa que não acontecia a tanto tempo que não lembro quando foi a última vez (e a última série desse fenômeno).

Resumindo: Dark saiu da lista de séries que "não vou assistir" direto para "favoritos da vida". Minha ideia (e missão) é compartilhar no Estante da Nine três dos meus motivos favoritos sobre a produção, sem entregar detalhes importantes do enredo, mas contando elementos relevantes para despertar a curiosidade de quem ler do outro lado da tela. Entre pandemia e poucas leituras, Dark foi uma surpresa excelente

1. UMA SÉRIE PARA MUITOS PÚBLICOS

A principal surpresa sobre minha experiência com Dark é que antes de assistir eu julgava a série específica a um público restrito que gosta de histórias alternativas. Quando de fato comecei a assistir Dark me surpreendeu justamente por funcionar para diversos públicos - dos fãs de histórias de mistério, suspense, e romance, até os apaixonados por ficção científica e fantasia urbana.


3 lições de A mágica transformadora do f* de Sarah Knight (e alguns poréns)!

26 de agosto de 2020

Dois meses sem atualizar o blog e a saudade é imensa de conversar sobre livros. A verdade é que 2020 está lento, de poucas leituras e uma rotina ainda confusa, mas sempre que puder vou aparecer pelo Estante da Nine para dar um oi e comentar sobre o que me acompanhou nas últimas semanas (ou melhor, meses). O caso de hoje, além de voltar com as atividades por aqui, é um tanto peculiar.

A mágica transformadora do f de Sarah Knight foi um dos tantos e-books que eu baixei no meu Kindle no início da pandemia do corona vírus quando várias editoras promoveram ações de livros gratuitos na plataforma digital. Eu normalmente não consumo livros de autoajuda e crescimento pessoal, então foi uma boa oportunidade de ampliar meu acervo do tema. Apesar de não ter adorado o livro, a técnica de Sarah Knight é muito interessante. Separei três temas que eu gostei, que valem a leitura e que podem despertar a curiosidade de vocês.


O jardim secreto - dirigido por Agnieszka Holland

26 de junho de 2020




O jardim secreto
(The Secret Garden)
Direção: Agnieszka Holland
Produção: Warner Bros
Ano: 1993
Duração: 101 minutos

LEIA TAMBÉM
O jardim secreto de Frances Hodgson Burnett

O último combo livro e filme a aparecer no Estante da Nine (e participar do Desafio livros e seus filmes), foi em janeiro deste ano com Marnie de Winston Graham (e adaptação de Alfred Hitchcock). Durante o primeiro semestre muitas leituras incríveis e adaptações entraram na fila de pautas do blog e hoje é dia de conversar sobre a versão de 1993 de O jardim secreto, dirigido por Agnieszka Holland, adaptado da obra de Frances Hodgson Burnett.

Órfã, Mary viaja da Índia para a Inglaterra para viver com o tio recluso na mansão Misselthwaite. Mimada e tratada anteriormente por servos obrigados a fazer suas vontades, sem atenção dos pais, a menina rapidamente precisa se adaptar a sua vida na Europa sem mimos, sem regalias, e com regras severas na casa. Poderia ser um pesadelo para Mary, mas a mudança vira uma aventura transformadora na vida da protagonista e outras pessoas da mansão Misselthwaite.