Resumo de maio (2017) - Friends, Bones e TVD!

23 de junho de 2017

Em maio não rolou nenhum filme inédito para entrar na lista do resumo do mês, por isso a coluna começa com Friends. Assisti a 9ª e 10ª temporadas e adorei ter essa experiência tão intensa com a série. Pensando sobre tudo, não sei se fiquei satisfeita com o final, o desfecho de várias situações foi rápido e pouco trabalhado e a empolgação de escrever sobre Friends passou. Vocês acham que vale texto e/ou vídeo?

Bones, uma das minhas séries favoritas, voltou pra vida e em maio assisti a 10ª temporada, a última disponível na Netflix. Apesar dos altos e baixos, o que acontece com todo seriado longo, Bones me atrai pela parte investigativa e também pela vida e evolução de cada personagem. Para quem gosta de séries sobre crime é recomendação certa, mas como eu adoro reforço que vale tentar pelo menos para conhecer.

Bateu saudade de The Vampire Diaries e eu arrisquei assistir alguns episódios na Netflix. Quando a série foi lançada eu adorava e acompanhava sempre, mas no final da 4ª temporada eu desanimei. Comecei a quinta e depois de quatro episódios a motivação para continuar não apareceu. Talvez eu tente uma maratona de The Originals, que sempre me envolve mais, e depois volte para The Vampire Diaries. O que vocês assistiram nos últimos tempos?

Assista ao vídeo da coluna resumo do mês de abril

SÉRIES

Beijos!

Medo de ler clássicos

19 de junho de 2017

Desde que li Madame Bovary de Gustave Flaubert fiquei com vontade de conversar sobre clássicos da literatura por aqui. Para muitos leitores ainda é um desafio tirar um livro da estante que tenha esse peso de clássico, mas com o passar do tempo imagino que é natural se aventurar pelo gênero. Eu tenho me envolvido cada vez mais com as histórias antigas e é por isso que quero dizer pra ti: dá uma chance!

O meu primeiro medo em relação aos clássicos, quando tive os primeiros contatos lá em 2012/2013 por vontade minha era de não entender as histórias. Claro que alguns livros exigem pesquisa, principalmente se é de um país ou região que tu sabe pouco ou quase nada, mas no geral clássicos são livros com temas ainda muito atuais (por isso também considerados clássicos), então conseguimos fazer conexão com situações do dia a dia, da vida mesmo.

Outro desafio pessoal no contato com os clássicos, e tema da conversa de hoje, é a obrigação de gostar do livro porque ele é clássico. Algumas histórias foram tão contraditórias que não tive coragem de escrever post pro blog ou gravar vídeo no canal por medo das críticas ou de comentários como: "Tu não gostou porque não entendeu".

Com o passar do tempo, no entanto, eu percebi que entender a relevância histórica do livro ou sua representatividade dentro da literatura é diferentes de gostar de verdade da obra. Como leitores temos, quase sempre, uma opinião final sobre o livro, que pode ser positiva ou negativa, e com os clássicos não é diferente. Hoje tenho uma relação mais saudável com essas leituras, sem pressão ou coisas do tipo.

Se tu tem curiosidade por um clássico da literatura tente sem medo. Pesquise sobre o livro, leia ou assista outras opiniões sobre ele e tire tuas próprias conclusões. Livros clássicos são uma forma de entender a sociedade que nos precedeu e isso é o que tem me motivado a continuar com essas leituras. Dá pra entender muita coisa sobre política, sociedade e cultura lendo livros do passado e contemporâneos, do nosso país ou de uma nação do outro lado do mundo. Aventure-se com algum clássico e depois me conta como foi.

Vídeo sobre o medo de ler clássicos para o canal do Estante da Nine

Beijos!

Leitura todo dia: semana 19

17 de junho de 2017

A semana 19 do projeto Leitura todo dia começou ruim, ruim mesmo. Nos três primeiros dias, entre a quarta-feira, 07 de junho - até a sexta, 09 - eu não li nada. Verdade que fiz outras coisas, mas mesmo assim eu fiquei chateada por não ter pego nenhum livro. Bateu um medo de que essa ressaca literária fosse permanecer por mais tempo, mas felizmente as coisas estão voltando ao normal.

O mandarim de Eça de Queirós foi a leitura que me tirou da ressaca literária. Esse foi meu primeiro contato com o autor e eu adorei essa história de realismo fantástico, sobre um jovem português ambicioso que cobiça uma herança e após uma espécie de pacto consegue o dinheiro. Apesar de vida de extravagâncias, o personagem é assombrado pelo fantasma do mandarim rico morto por seu desejo e o leitor acompanha sua batalha para compensar o erro do passado. Adorei e recomendo.

A minha leitura da bolsa durante a semana 19 foi Tubarão de Peter Benchley. Os primeiros capítulos foram sem grandes informações, mas a partir do 3º as coisas ficaram interessantes. Tenho alguns palpites sobre o rumo do enredo e tenho a sensação que vou gostar muito do livro. Na próxima semana eu sigo com ele e comento mais nas redes sociais.

Nos últimos dias eu também continuei O retorno do rei de J.R.R. Tolkien, que finalmente está rendendo e o diário de leitura de O Senhor dos Anéis vai continuar. Eu esperava mais ação nos primeiros capítulos, mas me enganei. Frodo e Sam continuam sem aparecer, mas Aragorn salvou o dia mais uma vez. Enfim, está interessante acompanhar o desfecho da trilogia e espero gostar. O que vocês leram nos últimos tempos?

Assista ao vlog da semana 19 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
O mandarim de Eça de Queirós (baixe na Amazon)
Tubarão de Peter Benchley
O retorno do rei de J.R.R. Tolkien

Beijos!

TAG de A a Z

16 de junho de 2017

Um inscrito pediu através dos comentários para que eu respondesse a TAG de A a Z. Eu não encontrei o vídeo do pedido, mas anotei o tema para começar o especial de aniversário de 7 anos do canal (e 8 do anos do blog), que é justamente uma sugestão de quem acompanha o Estante da Nine. Quando gravei o vídeo eu esqueci de incluir alguns itens, por isso aqui no post eu conferi tudo e vou responder todos os tópicos, hehehe. Desculpa pela mancada pessoal. Vamos lá?!


TAG de A a Z 

Autor preferido: Jane Austen e Machado de Assis
Bebida preferida durante a leitura: café, sempre, e quando não dá chá
Citação literária preferida: "Não é o tempo nem a oportunidade que determinam a intimidade, é só a disposição" - Razão e sensibilidade de Jane Austen
Detestaste ler: A máquina de contar histórias
Estás a ler: O retorno do rei
Feliz por teres dado uma oportunidade: Um gato de rua chamado Bob
Género literário que não lês: até que leio de tudo um pouco
Hardcover ou paperback? Paperback
Internet ou livrarias físicas? Internet, na maioria das vezes
Julgas um livro pela capa? Julgo sim, e muito em certos casos, hehehe
Kobo ou Kindle? Kindle
Livro mais longo que já leste: Abusado e Chatô, o rei do Brasil
Momento mais importante na tua vida literária: ter trabalhado em uma editora
Número de estantes que possuis: duas
Obsessão literária: procurar mais informações sobre algum tema citado no livro
Personagem que provavelmente terias namorado na escola: Percy Jackson, hehehehe
Quantos livros tens por ler? Talvez uns 150 (fora os ebooks)
Ressacas literárias. Quando foi a tua última? Na semana que passou (a ainda bem que já foi)
Série que começaste e precisas de acaba: Eragon
Três dos teus livros preferidos de sempre: O hobbit, Razão e sensibilidade e Memórias da casa dos mortos
Último livro que leste: O mandarim
Voltarás a ler: A química
Wishlist literária. Qual o último livro que adicionaste à tua wishlist? Jane Eyre
X marca o lugar. Qual o 24º livro da tua estante? No vídeo eu respondi com o 4º, A menina que roubava livros, então o 24ª é Entre o amor e a paixão
Ya ou livros adultos? Livros adultos
Zzzz...Qual o último livro que te manteve acordada até tarde? Morte em Veneza, Um gato de rua chamado Bob e Bela distração

Também respondi a TAG de A a Z no canal do Estante da Nine no Youtube


Beijos!

Madame Bovary de Gustave Flaubert

15 de junho de 2017



Madame Bovary
Autor: Gustave Flaubert
Editora: LePM Pocket
Edição: 2014
Páginas: 334
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino | Amazon

LEIA TAMBÉM
O amante de Lady Chatterley de D. H. Lawrence
Emma é uma mulher sonhadora, uma pequeno-bur­guesa criada no campo que aprendeu a ver a vida através da literatura senti­men­tal. Bonita e requintada para os padrões provincianos, casa-se com Charles Bovary, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento de uma filha dá alegria ao indissolúvel casamento no qual a protagonista sente-se presa. Como Dom Quixote, que leu romances de cavalaria demais e pôs-se a guerrear com moinhos, ela tenta dar vida e paixão à sua existência, escolha que levará a uma sucessão de erros e a uma descida ao inferno.