Leitura todo dia: semana 68

26 de maio de 2018

A semana 68 do projeto Leitura todo dia quebrou o ciclo de resumos com livros concluídos, mas também com tanta instabilidade emocional não poderia ser diferente, hehehehe (eu rio agora, mas foi tenso). No comentário de hoje vou compartilhar as leituras que estiveram comigo entre 16 a 22 de maio (o vídeo saiu quinta no canal, já é inscrito?).

A primeira parte da semana foi dividida entre dias sem páginas lidas, dois - e o livro Os amores de Angélica de Anne e Serge Golon. O enredo do romance de banca me surpreendeu pelo contexto histórico e por algumas cenas violentas. Angélica lida desde a infância com a admiração das pessoas e circula livremente por vários ambientes, talvez por isso sua personalidade seja tão afiada. O livro era minha opção da bolsa, mas devo terminar em casa.

A surpresa da semana ficou por conta de Perdido em Marte de Andy Weir. Há algum tempo o livro me chamava da estante e resolvi escolher a primeira leitura do ano para o Desafio livros e seus filmes. Eu li 40 páginas na semana, já que a terça também foi sem leitura, e me surpreendi por não ter achado cansativo o tanto de informação científica, e gostei principalmente porque o humor do protagonista é ácido, mórbido e muito envolvente. Sem dúvida logo tem vídeo dele no canal. O que vocês estão lendo?

Assista ao vlog da semana 68 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Os amores de Angélica de Anne e Serge Golon (compre no Estante Virtual
Perdido em Marte de Andy Weir (compre na Amazon)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Leitura todo dia: semana 67

25 de maio de 2018

Acho que posso eleger maio como o mês mais insano do ano até aqui. Ao mesmo tempo que parece que eu fiz muita coisa, parece que não fiz nada, e a lista de tarefas não aumenta, mas também não diminui. Hoje sentei para escrever sobre o resumo 67 do projeto Leitura todo dia, semana que aconteceu entre 9 e 15 de maio e foi cheia de altos e baixos.

Os dois primeiros dias, quarta e quinta-feira, 9 e 10 de maio, foram sem leitura, assim como o sábado, 12. Na sexta-feira, 11, e no domingo, 13, dediquei algumas horas para finalizar Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas e felizmente a experiência foi boa. Muitas informações e desfechos ficaram de fora, o universo criado pela autora é extremamente rico, e apesar de não ter visto alguns personagens o tema central foi concluído bem.

A semana 67 também teve leitura no Kindle e concluída. A escolha da vez foi O mercador de Veneza de William Shakespeare. Não simpatizei de cara com a peça, mas a medida que a trama vai envolvendo mais personagens e um desfecho que parece não poder fugir do trágico, me envolvi com a história e gostei da experiência. Logo logo espero pegar mais alguma coisa do autor para ler. As leituras de vocês estão rendendo em maio?

Assista ao vlog da semana 67 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas (compre na Amazon)
O mercador de Veneza de William Shakespeare (baixe de graça na Amazon)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

3 motivos para assistir Anne with an E

20 de maio de 2018

Há alguns dias estou pensando em escrever sobre Anne with an E aqui no Estante da Nine e adiei por não saber bem como começar essa indicação. Por isso mesmo, e no maior estilo diário, aí vai: eu não assisto séries novas. O que é bizarro porque durante toda a faculdade, por exemplo, com a rotina bem apertada, eu assistia semanalmente a uma lista grande de seriados e programas de televisão, mas isso mudou. 

Acontece que dia desses em abril (ou final de março?), navegando na Netflix eu vi a capa de Anne with an E, não li nada sobre a série - nem sinopse, nem opinião - e pensei: "Deve ser algo leve e descontraído, vou assistir." Me enganei completamente e provavelmente por isso eu gostei tanto da adaptação da história de L. M. Montgomery - Anne de Green Gables, que inclusive baixei o ebook em inglês disponível para download gratuito (baixe aqui) na Amazon há alguns dias e também espero gostar da história original.

Na dúvida entre comentar sobre a série no formato de resenha ou lista, optei pelo segundo principalmente para não entregar detalhes demais da primeira temporada, já que quando sento para escrever sobre algum tema com a intenção de sintetizar tudo em quatro parágrafos termino em 10. Anne with an E - apenas Anne na versão original para o Canadá - foi distribuída mundialmente pela Netflix e renovada para uma segunda temporada que sai esse ano. O próximo comentário sobre a série, se acontecer, aí sim deve ser mais extenso e com teorias, mas por enquanto vamos com meus pontos preferidos.

1. PROTAGONISTA
A série começa com dois paralelos: a alegria de Anne por finalmente ter sido adotada, e toda a apresentação da personagem que deixa claro que apesar da vida sofrida em orfanatos e casas nada boas, ela mantém a esperança, alegria e sonhos vivos, e o drama do engano, de chegar a Green Gables e descobrir que os irmãos Matthew e Marilla Cuthbert na verdade esperavam por um garoto. O drama inicial da série sem dúvida é o mais marcante diante dos vários momentos tensos vividos pelos personagens no decorrer da primeira temporada e sem dúvida foi encantador e assustador conhecer a nova família com Anne. Torci muito pela personagem desde o primeiro momento e tenho certa dificuldade de ter empatia com personagens crianças ou jovens.

2. FAMÍLIA E DRAMAS PESSOAIS
Eu demorei algum tempo para entender os irmãos Cuthbert, cheguei a pensar que seria impossível para Anne continuar com eles, mas a medida que fatos sobre Marilla e Matthew são apresentados, principalmente acontecimentos do passado que são mantidos em segredo, o caminho se abre para uma nova interpretação do estilo fechado e sisudo dos dois. A família é um desafio para qualquer pessoa e um dos pontos altos da série é mostrar como uma menina ruiva, leitora, apaixonada pela vida e até inconveniente - que já viu muita coisa ruim, transformou Green Gables para sempre. 

3. ÉPOCA E SOCIEDADE
Quem acompanha o Estante da Nine talvez deve ter me visto comentar algumas vezes que adoro histórias de época e esse, é claro, é m dos motivos por ter gostado de Anne with an E. Além disso, a sociedade retratada na série deixa claro que nem mesmo para uma criança é fácil se adaptar e que os julgamentos acontecem da mesma forma que para um adulto. Talvez o grande drama de Anne não seja conquistar Cuthbert, mas sim fazer parte daquele local como uma igual e não uma aberração, como ela é vista e também se vê por boa parte da primeira temporada. 

Anne with an E foi uma adorável surpresa desse primeiro semestre de 2018 e me motivou a acrescentar outras série novas ou recentes na lista do "vou assistir". Minha nota para a produção foi de 4,5 no Filmow (vocês também podem conferir opiniões no IMDb), e só não ganhou nota máxima porque o final me deixou dividida, mas para evitar spoilers aqui na publicação vamos trocar mais ideias e teorias sobre o fechamento da primeira temporada nos comentários.

Recomendo a série para quem gosta de histórias de época, dramas, protagonistas marcantes e sociedade. Com poucos episódios, Anne with an E foi um seriado que assisti aos poucos, os episódios distribuídos durante alguns dias, e também é perfeita para quem gosta de maratonar (coisa que inclusive penso em fazer antes de assistir a segunda temporada). Já assistiu a série ou ficou interessado em conhecer? Compartilhe opinião nos comentários.

Beijos!

Fotos: IMDB/ Divulgação

Satiricon de Petrônio

15 de maio de 2018




Satiricon
Autor: Petrônio
Editora: Abril Cultural
Edição: 1981
Páginas: 208
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon

LEIA TAMBÉM
O salário do medo de Georges Arnaud
Crônica do cotidiano da Roma Imperial à época de seu maior fausto econômico, que coincide com excessos de liberalidade nos costumes e decadência cultural e política. Escrito por Petrônio entre 62 e 66 d.C e remontado a partir de uma reunião de textos fragmentados, nem por sua forma a obra perdeu sua força plástica e encanto literário, fascinando sucessivas gerações de escritores e historiadores, de Tácito a Boccaccio, de Proust a Nietzsche.

As colinas da ira de Leon Uris

12 de maio de 2018



As colinas da ira
Autor: Leon Uris
Editora: Abril Cultural
Edição: 1984
Páginas: 222
Skoob | Goodreads
Compre no Estante Virtual

LEIA TAMBÉM
O salário do medo de Georges Arnaud
Em 1941 os Estados Unidos ainda não tinham entrado na Guerra, mas Mike Morrison, americano de passagem por Atenas, tem que se conformar com sua sorte. Surpreendido na Grécia pela ocupação nazista e de posse, sem saber, de informações secretas dos ingleses, lança-se numa perigosa aventura ao lado dos soldados britânicos e da Resistência, aprendendo a amar o povo grego, cujo desprendimento e heroísmo começa a conhecer, assumindo sua luta. Uma lista com 17 nomes não pode cair em mãos erradas e Mike Morrisson, o escritor americano é o único que pode entregar esta lista á Resistência. Cheio de fugas mirabolantes e muitas aldeias queimadas, As Colinas da Ira transporta o leitor a um mundo que muitos de nós se querer tem idéia que pode ter acontecido.

Leitura todo dia: semana 66

10 de maio de 2018

UAU! Uma sequência de três publicações do projeto Leitura todo dia para deixar o blog atualizado e a coluna em ordem no Estante da Nine. Dessa vez o intervalo foi curto já que concluí o envio do vídeo (já é inscrito no canal?), depois da meia noite, já na madruga de quinta, e agora de manhã sento para escrever sobre os livros lidos entre 02 a 08 de maio, período que teve leitura concluída e leve aumento no número de páginas no total da semana - 161.

A leitura predominante e concluída da semana 66 é Parque Gorki de Martin Cruz Smith. Li o livro entre a quarta, 02 de maio - e o domingo, 06, e depois de se prolongar mais do que o esperado conclui a história contente por ter gostado do enredo, por ter pensado em tantos assuntos que são barreiras para melhores relações sociais e como o dinheiro faz com pessoas ajam de maneira extrema. Em breve tem publicação no blog com a experiência de leitura (assina o feed - ali na lateral direita - para receber todas as atualizações por e-mail). 

A semana também teve nova leitura da bolsa e a escolha da vez é o primeiro volume da série A Marquesa dos Anjos de Anne e Serge Golon - Os amores de Angélica. Li quatro capítulos e por enquanto o enredo apresenta a família da personagem, como é composta e em que situação vive. Ambientada na França do século XVII, o história não poupou cenas de violência, abuso e decadência social nas primeiras páginas e já imagino que muita coisa tensa vai vir nos próximos capítulos. O que vocês leram nesses primeiros dias de maio?

Assista ao vlog da semana 66 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Parque Gorki de Martin Cruz Smith (compre na Amazon)
Os amores de Angélica de Anne e Serge Golon (compre no Estante Virtual)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Leitura todo dia: semana 65 + resultado do sorteio!

9 de maio de 2018

Partiu seguir com a meta de deixar o projeto Leitura todo dia atualizado no blog e agora é hora de trocar uma ideia sobre a semana 65, que aconteceu entre 25 de abril a 1º de maio. No geral esse resumo tem três dias sem leitura, o que é um ponto negativo, porém finalizei um livro, coisa que não acontecia há algum tempo e mantive a média semanal de páginas, que eu espero aumentar no decorrer de maio.

A leitura predominante da semana 65 foi Satiricon de Petrônio, que também foi a história concluída do resumo. Eu tenho tanta coisa para comentar sobre esse enredo extremamente fragmentado, e ao mesmo tempo não, que fico indecisa sobre como começar a publicação sobre essa experiência de leitura. Vai sair num futuro próximo (espero), aqui no Estante da Nine, e no geral foi um livro assustadoramente familiar e atual.

Um pequeno avanço na leitura de Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas também aconteceu na semana 65. Minha expectativa era concluir o livro, como aconteceu com Satiricon, mas a rotina de trabalho atípica e a casa com tarefas acumuladas acabou me desmotivando. Apesar da lentidão o enredo tem sido uma experiência positiva, agora já na reta final e com tantos temas para encerrar. Sigo contando mais na próxima semana.

Ah! Aproveita para conferir no vlog (abaixo) o vencedor do sorteio do livro Luana - a filha da lua de Ronaldo Santana e Flaviana Rangel. Meu abril foi decepcionante nas leituras e maio, espero, tem que ser melhor. E pra vocês como foi?

Assista ao vlog da semana 65 do projeto Leitura todo dia

LIVROS 
Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas (compre na Amazon)
Satiricon de Petrônio (compre na Amazon)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Leitura todo dia: semana 64

Ainda estou lutando para colocar todas as pautas em dia? Sim, com certeza. Talvez precise de maio e junho para isso, mas eu chego lá. O papo hoje é Leitura todo dia, tenho algumas edições da coluna para atualizar no Estante da Nine (hoje é dia de vídeo novo no canal), então vou começar com o resumo da semana 64, que aconteceu entre 18 e 24 de abril e teve apenas um dia sem leitura - o sábado, 21.

A semana começou na quarta, 18 de abril, com a leitura de Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas. Li outro trecho do livro na segunda, 23, e no geral tem sido uma boa experiência de fantasia, com o enredo de desenvolvimento ágil, uma protagonista geniosa e algum toque de sensualidade, apesar da idade da personagem. Meu porém até aqui é com os vários territórios do mundo criado pela autora e como ela poderia expandir ainda mais a história. Não encontrei informações sobre sequências, ser série ou algo assim, mas certamente renderia.

A leitura predominante da semana 64 foi Satiricon de Petrônio, volume da coleção Grandes Sucessos da Abril Cultural. Essa história é para lá de peculiar, principalmente pelo cenário e contexto cultural, que eu não tinha lido anteriormente, e também por mostrar como certos conceitos sociais estão vigentes e são padrão de sucesso ou fracasso desde o primeiro século depois de Cristo. Muito tempo se passou, mas as coisas são iguais. Assustadoramente iguais. Assim que as pautas estiverem em dia o livro vai ganhar uma publicação no blog sobre a experiência de leitura. Como foi o abril de vocês?

Assista ao vlog da semana 64 do projeto Leitura todo dia

LIVROS
Rubra - a guerreira carmesim de Gaby Firmo de Freitas (compre na Amazon)
Satiricon de Petrônio (compre na Amazon)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Leituras + resumo de março (2018) - Jane Austen, Friends e Aniquilação!

5 de maio de 2018

Março não foi um mês produtivo nas leituras (abril foi pior ainda), e depois de algum atraso (o vídeo saiu há alguns dias no canal - já se inscreveu?), sentei para compartilhar duas colunas em um resumo: os livros lidos e a série e filme assistidos durante o terceiro mês de 2018. Apesar de não ter sido volumoso, março rendeu boas experiências, então não foi de todo ruim.

Em primeiro lugar uma correção: eu li duas das histórias em quadrinhos de Aventuras de uma criminóloga de Giancarlo Berardi em março. No vídeo de fevereiro citei duas delas, mas na verdade o volume 42 foi finalizado dia 1º e o 43 no dia 3. Falei bastante sobre as intrigas de Júlia Kendall nos resumo do projeto Leitura todo dia e assim que encontrar outros volumes no sebo falo de novo sobre as hqs por aqui. 

Março teve entre as leituras finalizadas uma das minhas autoras favoritas - Jane Austen - com A abadia de Northanger. O livro me surpreendeu positivamente principalmente porque não criei expectativa sobre a história. Ainda estou devendo a recomendação do livro, e em breve vou publicar no canal e no blog (assina o feed para acompanhar todas as novidades - está no topo superior direito). Por enquanto deixo a dica aqui, que apesar de não ter entrado para a lista de favoritos da autora, foi muito interessante.

A última leitura finalizada de março é Luana -  a filha da lua de Ronaldo Santana e Flaviana Rangel. Apesar da impressão inicial negativa, o livro foi me ganhando aos poucos e depois de certo ponto me envolvi demais com o enredo. A mistura de elementos como o cenário urbano e a bruxaria sempre me deixam fascinada para saber os tipos de desafios que o personagem irá enfrentar. O volume dois da história será lançado esse ano e tem conto grátis no site Luana - a filha da lua.

O filme de março é Aniquilação, adaptação do livro de Jeff VanderMeer, lançado mundialmente pela Netflix. Eu tinha certa expectativa sobre a versão para o cinema, já que gostei da história original, e apesar de ter aproveitado experiência não foi o eu que esperava e basicamente livro e filme podem ser encarados como versão diferentes de um enredo que tem alguns poucos pontos em comum. (leia a opinião sobre Aniquilação no Estante da Nine)

A série do mês é Friends, que estou assistindo pela segunda vez e espero que finalmente eu escreva mais sobre essa sitcom que eu sempre falei que não gostava, mas que em certo ponto eu passei a gostar sim, acontece né? Em março eu assisti a 5ª e 6ª temporadas e dessa vez simpatizei com personagens que antes eu não gostava tanto e algumas situações me desagradam como antes, aquela coisa louca. Como foi o março (e abril) de vocês?

Assista ao vídeo com as leituras e o resumo de março 

LIVROS
O dia dos espiões de Giancarlo Berardi (compre no Estante Virtual)
O último encontro de Giancarlo Berardi (compre no Estante Virtual)
A abadia de Northanger de Jane Austen (compre na Amazon)
Luana de Ronaldo Santana e Flaviana Rangel (compre na Amazon)

FILME: Aniquilação (opinião)

SÉRIE: Friends (5ª e 6ª temporadas)

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

9 anos de Estante da Nine e o que aprendi até aqui

1 de maio de 2018

Ontem durante a leitura lembrei de repente que dia 1º de maio é o aniversário do Estante da Nine. Há nove anos começava esse espaço com uma publicação sobre Crepúsculo de Stephanie Meyer (o post é público e vocês podem conferir clicando no nome do livro), sim - pode acreditar, e de lá pra cá muitas coisas aconteceram na minha vida e consequentemente no blog. Muito do que eu poderia falar já está no post de 2017 - 8 lições que aprendi em 8 anos de Estante da Nine - mas mesmo assim eu queria registrar a data e começar o mês com atualização, então partiu bater um papo sobre internet e o mundo.

Eu posso escrever já neste segundo parágrafo que vivo o momento mais tranquilo da minha relação com o blog (e quase lá com o canal). Eu finalmente entendi que o ritmo desse espaço está diretamente ligado com a minha rotina e humor, e diferente de uma pessoa organizada e focada, eu não consigo separar as coisas, eu realmente não consigo escrever duas linhas se não estiver com vontade, então hoje o blog oscilar entre posts seguidos e dias sem publicações não me incomoda como antes, porque independente da data das resenhas, listas, leituras - esses conteúdos continuam tendo seu valor, um registro que vale manter.


Em uma fase da vida onde eu pesquiso muito sobre consumo consciente minha relação com as leituras e o blog também foi influenciada pelo tema. Nos últimos anos, em vários momentos, me senti decepcionada por não receber nada na caixa postal,  por não poder comprar lançamentos ou assinar uma caixa literária. Então lembrei dos vários excessos que cometi por muitos anos, dos tantos livros que eu comprei e depois vendi ou doei sem nem ter folheado, do dinheiro que eu poderia ter economizado para ter agora. Enfim, quando a gente para pra pensar direitinho consegue identificar erros e evitar que eles aconteçam de novo. Aos 30 finalmente estou aprendendo.

Esse ano eu deixei de assinar a caixa postal. É algo que eu pensava desde 2017, insisti numa última renovação em novembro, mas realmente não faz sentido continuar com um espaço que não recebe nada. Eu sempre fui sincera por aqui, então não tem porque mentir que há muito, muito tempo, o Estante da Nine deixou de figurar na lista de editoras e autores como um espaço para influenciar leitores, então a caixa postal perdeu a função, hoje em dia tem muito mais gente com blogs, canais e Instagrams com milhares de seguidores, bem diferente da minha realidade.

O ponto positivo desses nove anos é que hoje eu me reconheço como leitora. Ou melhor, me entendo como alguém que gosta de tudo. No mundo literário isso pode até ser um obstáculo, já que eu não tenho um gênero, autor ou série que sejam predominantes no Estante da Nine, que causem uma identificação imediata com quem é novo no canal e o blog. Ao mesmo tempo eu sinto que os inscritos e leitores que realmente participam continuam por aqui justamente pela pluralidade de livros, então isso é uma identificação, mesmo que genérica, né?


O Estante da Nine esteve comigo na reta final da faculdade, na mudança da casa da minha mãe para o apartamento com o Rodrigo e sobreviveu a primeira crise existencial da vida aos 20 e poucos anos (está acabando agora, ufa). É ótimo ter o registro dos livros que eu li, das séries que assisti, dos textos pessoais que tive coragem de escrever, das experiências e decorações que compartilhei publicamente (mesmo as que não deram certo), e por ter acrescentado minha paixão por brechós também como um dos temas principais. Pesquisar o arquivo do blog é relembrar de uma Nine que as vezes parece muito distante, hehehe.

Por fim, e como não poderia deixar de ser, esse espaço continuou também porque amigos e leitores estão do outro lado sempre trocando uma ideia. Superada a barreira dos números, que volta e meia incomoda, chego a conclusão que o mais legal, além de ter uma linha do tempo pessoal, é reconhecer quem comenta pelo ícone/ foto (e quando muda dá nó na cabeça), é saber que livros vocês mais gostaram de ver e quais vocês recomendam, é saber que os garimpos no sebo também chamam atenção de quem acompanha e manter essa troca de opiniões fundamental, ainda mais em tempos tão extremos de internet. Obrigada por tudo.

Que maio seja um mês repleto de boas histórias e que vocês continuem por aqui comigo hoje e sempre (sempre com suas sugestões de leituras também).

Beijos!