O colar de veludo de Alexandre Dumas

8 de junho de 2017




O colar de veludo
Autor: Alexandre Dumas
Editora: LePM Pocket
Edição: 1997
Páginas: 238
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino | Amazon

LEIA MAIS
O amante de Lady Chatterley de D. H. Lawrence
O Colar de Veludo trata-se de um romance de ação trepidante, ambientado na agitada Paris dos anos imediatamente após a Revolução Francesa. É a história de Hoffmann que deixa a Alemanha para viver o sonho de morar em Paris, a Cidade Luz. Lá ele encontra paixões arrebatadoras, a violência revolucionária e o estranho fascínio da bailarina Arsène, a dama do colar de veludo. Um livro para ler de um só fôlego e experimentar o mágico encantamento que a melhor literatura sempre reserva para os leitores.

Na minha lista de 5 autores clássicos para ler em 2017 eu inclui Alexandre Dumas e o livro Os três mosqueteiros, acontece que dia desses bati o olho em O colar de veludo na estante e pensei por que não? Leitura da bolsa, a história me acompanhou durante alguns dias e foi um ótimo primeiro contato com o autor. Hoje eu vou compartilhar meus pontos favoritos sobre o livro e porque eu recomendo a leitura.

O colar de veludo acompanha Hoffmann, um jovem que desde a infância é apaixonado pela arte, mas por conta da família tradicional não pode dedicar seu tempo a música, a escrita ou ao teatro. Para viver seu sonho Hoffmann foge de casa e se muda para outra cidade, mas precisa lidar com dois grandes desafios: se aproximar da sua paixão platônica e conhecer Paris.

Um dos pontos positivos do livro é que me identifiquei com Hoffmann imediatamente. E imagino que muitos outros leitores também irão. O protagonista tem o desejo de trabalhar com arte, independente das regras da família, e para isso toma sua decisão, segue seu rumo, sem pesar as consequências ou perdas. Alexandre Dumas coloca em Hoffmann um pouco daquela inquietude que todos nós passamos na juventude e até depois dela. Mesmo escrito no contexto social e histórico do século XVIII e XIX, os desejos, a liberdade de escolha e a aventura ainda são temas atuais. 



Outro tema importante para o enredo e a vida de Hoffmann é o amor romântico x o amor sensual. Logo no início da história o personagem faz de tudo para se aproximar da moça que vê na missa pela janela de seu quarto. Ao saber através de um amigo quem é sua família, o diretor de teatro da cidade, Hoffmann prontamente se apresenta na casa. Lógico que uma paixão logo se consolida entre os dois jovens e com o aval do pai, o casamento já é realidade, mas Hoffmann tem o desejo de visitar Paris e tudo muda.

Sem dúvida o meu tema favorito do livro é a aventura de Hoffmann para Paris. É a partir desse ponto que o autor debate as expectativas e realidades do mundo e da visão que o jovem tem sobre a cultura e até a política. O protagonista percebe no início da jornada que a viagem não será tão fácil e Paris, nem tão receptiva. A partir da chegada de Hoffmann na capital francesa eu devorei o livro.

Alexandre Dumas escreve sobre Paris nos anos após a Revolução Francesa. O que deveria ser uma fonte de inspiração para Hoffmann, se torna um pesadelo, já que no primeiro dia ele presencia a ação da guilhotina. Tudo na cidade é sombrio e todos os comentários devem ser cuidados, aquela liberdade que o personagem estava esperando, na prática, não existe. 




Arsène, a bela bailarina da ópera, é fundamental na passagem de Hoffmann por Paris. Ao se deparar com a jovem, o personagem não consegue esquecê-la, torna-se sua obsessão e ele, para conquistar o gosto refinado da artista, tenta no jogo uma fortuna. E com isso quebra as duas promessas que fez a noiva: não jogar e não trair. A confusão mental do personagem é visível e o dilema presente no enredo.

A lição que eu tirei de O colar de veludo é que nem sempre nossas expectativas são reais, nem sempre nosso sonho é recompensando quando posto em prática e paixões podem ser, e quase sempre são, traiçoeiras. Quando jovens nós muitas vezes nos abraçamos a ideias que não têm sentido ou não são práticas e somos punidos da forma mais severa pela vida, por conta de nossos próprios atos. Hoffmann está aí para servir como exemplo.

Apesar de curto, O colar de veludo me fez pensar muito sobre sonhos e expectativas x realidade. Minha nota para o livro foi de 3 estrelas no Skoob, alguns trechos favoritos foram mais curtos que outros, mas no geral é uma ótima história para se pensar a juventude, a arte, a liberdade de expressão e as mudanças políticas numa nação que influência tantas outras. Vocês já leram O colar de veludo?

Beijos!

Fotos: Nine Stecanella
*Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através dos banners do Submarino e Amazon;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine