O Ateneu de Raul Pompéia

17 de dezembro de 2018



O Ateneu
Autor: Raul Pompéia
Editora: Abril Cultural
Edição: 1981
Páginas: 206
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon | Submarino

LEIA TAMBÉM
A ilha do tesouro de R.L. Stevenson

O Ateneu constitui uma das obras-primas da literatura brasileira. Autobiográfico, o livro mostra o jovem autor como personalidade sensível que se transformou em crítico impiedoso do que viveu e viu na adolescência passada no colégio interno. A obra retrata o doloroso processo de transição da infância à idade adulta.

2018 foi um ano de histórias que superaram a expectativa. E O Ateneu de Raul Pompéia está na lista. Publicado pela primeira vez em 1888, o romance retrata a vida de Sérgio, um jovem que estudou em uma das escolas mais conceituadas do Rio do Janeiro e passou por experiências significativas no período que viveu no Ateneu.

Tinha a consciência em paz, a consciência que é o espetáculo de Deus.
página 54

Na primeira parte do enredo fica claro como a ideia sobre o Ateneu é importante para o contexto do livro todo, como a escola é vista pela elite (e como é vendida para ela também), e como o criador Aristarco é figura impossível de separar da imagem da escola. Tudo relacionado ao Ateneu acontece e funciona de acordo com a ideologia do seu criador e do que ele considera relevante moralmente.



Sérgio, o protagonista do livro, conhece a escola antes de se mudar e tudo que vê o fascina. Quando o pai anuncia que o garoto será aluno do Ateneu é um honra e felicidade para o personagem, até começar o ano letivo e a rotina da escola ficar mais clara e verdadeira. Os bons costumes pregados pelo diretor, apesar da boa atenção, não são cumpridos e Sérgio recebe a mensagem de como as coisas funcionam na chegada ao colégio.

A opinião é um adversário infernal que conta com a cumplicidade, enfim, da própria vítima.
página 55

Outra questão relevante do livro é que Sérgio não faz parte de nenhum grupo e ao longo dos capítulos transita entre amizades de acordo com acontecimentos dentro da escola ou seus pensamentos, já que o protagonista também passa por fases de empenho e contemplação ou rebeldia no período retratado na história, o que faz muito sentido porque afinal a escola é um desafio na vida da criança e do adolescente.

Aristarco é uma figura a parte dentro da história e é interessante como em muitos momentos o diretor acredita e transmite, através de suas falas, que o Ateneu é perfeito. Raul Pompéia faz questão de mostrar ao leitor que existe todo tipo de garoto na escola e situações como violência, abuso, agressão, guerra de ego e também outras cenas que surgem num ambiente competitivo onde o próprio diretor expõe méritos e defeitos de cada aluno perante toda escola.



O personagem principal passa por momentos bons e ruins na escola e o sentimento geral da narrativa é de nostalgia, já mesmo as coisas negativas serviram para mostrar a Sérgio como viver em sociedade e como lidar com pessoas de personalidades extremas e situações que muitas vezes estão prestes a sair do controle.

A narrativa foi o grande desafio da minha experiência de leitura com O Ateneu porque Raul Pompéia escreve um texto poético, com críticas sociais claras ao Brasil da época ao mesmo tempo que expõe as memórias de Sérgio num tom que ao final não dá para ter certeza se é positivo ou negativo.

Desenvolveu-se nas alturas uma antipatia por mim, que me lisonjeava como uma das formas da consideração. Chegava assim, por trajeto muito diferente do que sonhara, à desejada personificação moral de pequeno homem.
página 79 

O final do livro é surpreendente, e ao mesmo tempo coerente, visto que o ambiente escolar é por demais turbulento. Até certo trecho imaginei que Raul Pompéia escolheria um fim bom e nostálgico, mas o desfecho de O Ateneu reserva algumas cenas tensas ao leitor e o desfecho bastante simbólico.

Minha nota no Skoob foi de quatro estrelas para O Ateneu de Raul Pompéia. O começo foi difícil, principalmente pela narrativa rebuscada, mas depois que encarei os primeiros capítulos e passei pela fase de apresentação o livro fluiu muito bem. Além de um panorama da época e certos conceitos estabelecidos, o livro tem várias críticas sociais pertinentes para se refletir no dia a dia. Já leu O Ateneu?

Vídeo de opinião publicado no canal do Estante da Nine

Beijos!

Foto: Nine Stecanella
*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

Nenhum comentário

Postar um comentário

Olá! Deixe sua opinião. ;)