A última música (The Last Song) - dirigido por Julie Anne Robinson

18 de julho de 2015



A última música
The Last Song
Direção: Julie Anne Robinson
Estúdio: Disney
Ano: 2010
Duração: 107 minutos
Filmow | IMDb
Compre o blu-ray no Submarino

Oi gente, tudo bem? Outro dia eu estava de bobeira aqui em casa e resolvi assistir um filme (as leituras não estavam rendendo então, sabe, fui fazer outra coisa). Navegando pelo Netflix encontrei A última música e pensei: "chegou a hora". Esse é um dos livros mais populares de Nicholas Sparks e, ano passado quando li, não gostei tanto assim. Sempre tive curiosidade pelo filme, mas fiquei evitando até conhecer a história original e, quase um ano depois de ler, finalmente vi a adaptação. 

No geral, eu gosto dos filmes adaptados (ou inspirados) a partir de livros do Nicholas Sparks. Mesmo quando existem grandes diferenças, sinto que o filme completa o livro (ou o contrário, depende de qual você conhece primeiro). E não foi diferente com A última música. O filme apresentou os principais temas do livro e foi fiel em muitos momentos, embora, é verdade, não tenha sido empolgante.

Para saber mais sobre a história e minha opinião sobre o livro, confira o post de A última música. Desde o começo do filme eu gostei do clima entre os personagens. A hostilidade entre Ronnie e Steve é exatamente como imaginei enquanto li e acredito que todo mundo que tenha passado por uma separação (neste caso a dos pais), já se comportou como a protagonista. Mesmo que só uma vez. Adorei Miley como Ronnie e senti uma proximidade enorme entre a personagem do livro e a do filme. Com a diferença que no filme não antipatizei tanto assim com Ronnie. Também gosto muito de como a protagonista e o irmão foram bem retratos no filme, aquela amizade intensa e frágil que pode ser abalada com poucas palavras. Me identifiquei em vários momentos.


O filme equilibrou muito bem as cenas de Ronnie com a família (que no livro eu considero o tema principal) e o desenvolvimento do romance com Will. O começo atrapalhado foi bem fiel, como também a recepção na casa do namorado. Ainda assim, senti que falta de alguma coisa na parte do romance, não sei bem explicar o quê (ou não consigo lembrar qual é a diferença em relação ao livro).

Já comentei muitas vezes aqui no Estante da Nine (e no canal do Youtube) que praia é um dos meus cenários favoritos e o filme aproveitou bem o clima do verão, a melancolia do fim das férias e a própria reviravolta que a história apresenta. O filme todo é uma grande metáfora sobre a vida ter ciclos e de que precisamos passar por cada um deles e seguir em frente.


Duas coisas importantes foram tratadas rapidamente no filme: o motivo da separação dos pais de Ronnie e o incêndio na igreja. No primeiro caso, o livro mostra a verdadeira razão, o que faz com que a protagonista entenda o que aconteceu e porque o pai mudou de cidade. O incêndio na igreja foi usado de uma forma diferente no filme, mas é esse acontecimento que conecta todos os personagens e não foi tratado com a devida atenção, especialmente na parte final.

Apesar disso, eu gostei de A última música. O filme mantém os aspectos principais da história original com boas atuações. A química entre os atores foi bem natural e espontânea. Eu me emocionei em vários momentos, especialmente com Ronnie e Steve, mas como escrevi acima, não chega ser um filme empolgantes, daqueles que tu pensa em rever toda hora, sabe?

ASSISTA AO TRAILER DE A ÚLTIMA MÚSICA

Claro que não comentei sobre a parte da "última música" porque é a cena mais bacana do filme. Ela é tão simbólica e funciona de tantas maneiras, que é impossível não se emocionar (mesmo que só um pouquinho). Eu não sou grande fã do livro e acredito que meus sentimentos tenham sido bem parecidos com um e outro por conta disso. Gostei dos dois (livro e filme), mas não amei. 

E vocês, já assistiram (ou leram) A última música? O que vocês acham dos livros de Nicholas Sparks? E dos filmes feitos a partir deles? Eu confesso que tinha certo preconceito com o autor, mas desde que li Diário de uma paixão abri a mente, hehehe. Inclusive, é meu livro (e filme) favorito do autor.

Beijos!

Imagens: Divulgação