A abadia de Northanger - dirigido por Jon Jones

26 de setembro de 2018




A abadia de Northanger
(Northanger Abbey)
Direção: Jon Jones
Produção: Granada Television
Ano: 2007
Duração: 93 minutos
Filmow | IMDb

LEIA TAMBÉM
A abadia de Northanger de Jane Austen

No final de agosto eu compartilhei no Estante da Nine a minha experiência de leitura com A abadia de Northanger de Jane Austen e desde lá está na minha lista de tarefas assistir a adaptação (encontrei duas no Filmow: 1986 e 2007). Hoje à tarde finalmente risquei essa meta da pauta e sento no final desta noite de quarta para compartilhar mais uma opinião com vocês e não deixar passar os pensamentos e opiniões ainda frescos, como acontece as vezes e ainda estou devendo os comentários de alguns livros, filmes e séries (aos poucos as coisas andam, mentaliza positivo por aí).

O ponto de partida da adaptação de Jon Jones de 2007 é o mesmo do livro: Catherine recebe o convite de um casal de amigos e vizinhos para passar uma temporada no balneário de Bath. Apaixonada por romances góticos e sonhadora, a jovem vê a viagem a oportunidade de sua primeira aventura e parte para a nova cidade cheia de animação. Chegando lá, é claro, as coisas não são tão boas a primeira vista e Catherine e a senhora Allen passam por alguns momentos incômodos até que fazem as amizades iniciais.

A apresentação do romance e do triângulo amoroso acontece logo no início da história e o diretor intercala os momentos atuais da vida de Catherine com sonhos perigosos e esquetes das interpretações das aventuras que lê. A mistura consegue demonstrar o amadurecimento da personagem e como ela lida com cada situação, ao mesmo tempo que traz alívio cômico. A amizade é pauta do filme, assim como os relacionamentos por interesse e manipulação.

No livro de Jane Austen eu demorei um bom tempo até me interessar por Catherine e torcer por ela, já no filme o diretor Jon Jones que fisgou logo no início, ao trazer uma personagem que é inocente e pura, mas ao mesmo tempo esperta, destemida e engraçada. Ver a protagonista na adaptação a tornou real muito mais rápido e talvez esse tenha sido o ponto alto da minha experiência (e é bem provável que eu assista esse filme milhares de vezes a partir de agora).


Não vou mentir que me apaixonei por Henry Tilney desde a primeira aparição assim como antipatizei com John Thorpe assim que a sugestão do personagem surgiu no filme e a representação dos opostos aparece com muita intensidade, porém com menos contexto do que no livro. Os dramas sociais de Bath são resumidos nas cenas mais importantes e a viagem para Northanger parece ganhar mais tempo na adaptação, se bem que como no livro os momentos tensos ou sombrios foram poucos.

O final de Catherine foi corrido no filme também e apesar de defender as adaptações o mais fieis as histórias originais esse era um caso que eu torci por um desfecho alternativo ou estendido, já que como no livro, na versão de Jon Jones eu também torci demais pela personagem. O encerramento da história é justo, mas para um heroína faltou um momento épico, e o filme até tem um toque especial. Minha nota no Filmow foi de quatro estrelas, um filme de Jane Austen que eu adorei. Quem por aí assistiu?

Vídeo de opinião publicado no canal do Estante da Nine


Beijos!
Fotos: Divulgação