TAG dos 50% - as leituras do 1º semestre de 2018!

4 de agosto de 2018

Vocês comentaram e votaram através do stories do Instagram e hoje eu vou responder a TAG dos 50%, um resumão das leituras do primeiro semestre de 2018. Na verdade, o vídeo saiu há alguns dias no canal (já é inscrito?), e agosto - o mês infinito - até agora voou e eu estou correndo atrás do tempo perdido para deixar tudo em ordem no Estante da Nine. São 15 perguntas e para algumas não tive resposta, mas no geral a publicação reúne várias dicas legais, vamos lá?

A melhor leitura do ano até agora é Parque Gorki de Martin Cruz Smith (opinião). Apesar da demora em terminar a história foi um dos livros que mais me surpreendeu nos últimos tempos e sem dúvida adorei ter garimpado no sebo. A melhor continuação na verdade é uma trapaça, já que comecei a série de J. Kendall pela revista número 41, e As aventuras de uma criminólogo de Giancarlo Berardi foi um ótimo exemplo de como meu ano foi variado até aqui, e assim que comprar mais volumes para a coleção volto a falar sobre essa história em quadrinhos no Estante da Nine.

Entre os livros lançados no primeiro semestre alguns que estão na minha lista de desejados são a nova edição de Jane Eyre de Charlotte Brontë, O amante da princesa de Larissa Siriane e Volte para mim de Paola Aleksandra, todos romances de época, o primeiro um clássico, os dois posteriores novidades de autoras nacionais. Por enquanto não tenho nenhum livro na lista de desejos que será lançado no segundo semestre.

Fanny Hill de John Cleland (opinião) foi o livro que me decepcionou no ano até agora, na verdade a única história que eu criei uma expectativa e o que encontrei foi diferente. Perdido em Marte de Andy Weir foi a leitura mais surpreendente até aqui, principalmente pela dificuldade em encarar as muitas informações científicas, que deixaram a leitura lenta, mas não estragaram de forma alguma o meu envolvimento com a história. Em breve tem opinião sobre o livro e o filme para o Desafio livros e seus filmes.

Novo autor favorito é Leon Uris que conheci com As colinas da ira (opinião), uma narrativa diferente e peculiar, com uma perspectiva da guerra diferente, porém pertinente e não tão popular entre as minhas leituras ou filmes que assisto, que normalmente focam especialmente nos acontecimentos da frente de batalha. Alguns pontos refletem sem dúvida o opinião do autor, não necessariamente o leitor concorda, mas a história é ótima.

Não rolou muito crush com personagem esse ano, por isso minha quedinha por personagem fictício ficou para Arcady Renko de Parque Gorki, investigador que protagonista uma série de livros e sem dúvida deve aparecer no Estante da Nine no futuro. Personagem favorito recente é o peculiar sr. Sammler de O planeta do sr. Sammler de Saul Bellow (opinião), outra leitura incrível da coleção Grandes Sucessos da Abril Cultural, que trás muitos contrates e reflexões no decorrer do enredo, vale a leitura.

O bloco das perguntas sem resposta chegou porque no primeiro semestre não teve livro que me fez chorar e nem uma história que me deixou feliz, já que os romances e dramas quase não apareceram entre as leituras. Contra tempo de Henri B. Neto (3 motivos para ler) e os contos de Olívia Pilar foram os livros mais aconchegantes do semestre, o mais próximo que posso chegar da resposta. Melhor adaptação também vou pular, porque não assisti filmes baseados em livros lançados esse ano.

Minha resenha favorita foi de Mundo perdido de Valerie Nieman Colander (opinião), um livro de ficção científica que me deixou bem contrariada no começo, mas que ao final foi uma boa experiência. O livro mais bonito que chegou na coleção foi a O colecionador de John Fowles (opinião), presente da Darkside Books que eu amei receber. Para terminar a leitura que preciso tirar da estante é Anna Karênina de Tolstói, livro que desde 2013 está na minha meta de leitura, todo ano, mas por enquanto nada. E por aí, como foram as leituras do primeiro semestre?

TAG dos 50% em vídeo publicada no canal do Estante da Nine

Beijos!