9 anos de Estante da Nine e o que aprendi até aqui

1 de maio de 2018

Ontem durante a leitura lembrei de repente que dia 1º de maio é o aniversário do Estante da Nine. Há nove anos começava esse espaço com uma publicação sobre Crepúsculo de Stephanie Meyer (o post é público e vocês podem conferir clicando no nome do livro), sim - pode acreditar, e de lá pra cá muitas coisas aconteceram na minha vida e consequentemente no blog. Muito do que eu poderia falar já está no post de 2017 - 8 lições que aprendi em 8 anos de Estante da Nine - mas mesmo assim eu queria registrar a data e começar o mês com atualização, então partiu bater um papo sobre internet e o mundo.

Eu posso escrever já neste segundo parágrafo que vivo o momento mais tranquilo da minha relação com o blog (e quase lá com o canal). Eu finalmente entendi que o ritmo desse espaço está diretamente ligado com a minha rotina e humor, e diferente de uma pessoa organizada e focada, eu não consigo separar as coisas, eu realmente não consigo escrever duas linhas se não estiver com vontade, então hoje o blog oscilar entre posts seguidos e dias sem publicações não me incomoda como antes, porque independente da data das resenhas, listas, leituras - esses conteúdos continuam tendo seu valor, um registro que vale manter.


Em uma fase da vida onde eu pesquiso muito sobre consumo consciente minha relação com as leituras e o blog também foi influenciada pelo tema. Nos últimos anos, em vários momentos, me senti decepcionada por não receber nada na caixa postal,  por não poder comprar lançamentos ou assinar uma caixa literária. Então lembrei dos vários excessos que cometi por muitos anos, dos tantos livros que eu comprei e depois vendi ou doei sem nem ter folheado, do dinheiro que eu poderia ter economizado para ter agora. Enfim, quando a gente para pra pensar direitinho consegue identificar erros e evitar que eles aconteçam de novo. Aos 30 finalmente estou aprendendo.

Esse ano eu deixei de assinar a caixa postal. É algo que eu pensava desde 2017, insisti numa última renovação em novembro, mas realmente não faz sentido continuar com um espaço que não recebe nada. Eu sempre fui sincera por aqui, então não tem porque mentir que há muito, muito tempo, o Estante da Nine deixou de figurar na lista de editoras e autores como um espaço para influenciar leitores, então a caixa postal perdeu a função, hoje em dia tem muito mais gente com blogs, canais e Instagrams com milhares de seguidores, bem diferente da minha realidade.

O ponto positivo desses nove anos é que hoje eu me reconheço como leitora. Ou melhor, me entendo como alguém que gosta de tudo. No mundo literário isso pode até ser um obstáculo, já que eu não tenho um gênero, autor ou série que sejam predominantes no Estante da Nine, que causem uma identificação imediata com quem é novo no canal e o blog. Ao mesmo tempo eu sinto que os inscritos e leitores que realmente participam continuam por aqui justamente pela pluralidade de livros, então isso é uma identificação, mesmo que genérica, né?


O Estante da Nine esteve comigo na reta final da faculdade, na mudança da casa da minha mãe para o apartamento com o Rodrigo e sobreviveu a primeira crise existencial da vida aos 20 e poucos anos (está acabando agora, ufa). É ótimo ter o registro dos livros que eu li, das séries que assisti, dos textos pessoais que tive coragem de escrever, das experiências e decorações que compartilhei publicamente (mesmo as que não deram certo), e por ter acrescentado minha paixão por brechós também como um dos temas principais. Pesquisar o arquivo do blog é relembrar de uma Nine que as vezes parece muito distante, hehehe.

Por fim, e como não poderia deixar de ser, esse espaço continuou também porque amigos e leitores estão do outro lado sempre trocando uma ideia. Superada a barreira dos números, que volta e meia incomoda, chego a conclusão que o mais legal, além de ter uma linha do tempo pessoal, é reconhecer quem comenta pelo ícone/ foto (e quando muda dá nó na cabeça), é saber que livros vocês mais gostaram de ver e quais vocês recomendam, é saber que os garimpos no sebo também chamam atenção de quem acompanha e manter essa troca de opiniões fundamental, ainda mais em tempos tão extremos de internet. Obrigada por tudo.

Que maio seja um mês repleto de boas histórias e que vocês continuem por aqui comigo hoje e sempre (sempre com suas sugestões de leituras também).

Beijos!