Saga de Érico Veríssimo

4 de março de 2018




Saga
Autor: Érico Veríssimo
Editora: Círculo do Livro
Edição: 1987
Páginas: 387
Skoob | Goodreads
Compre na Amazon | Submarino
Érico Veríssimo narra a trajetória de Vasco Bruno desde a Guerra Civil Espanhola até a volta a Porto Alegre e confronta as atrocidades da guerra com as injustiças cotidianas da sociedade. Vasco Bruno atravessa o oceano e luta na Guerra Civil Espanhola como voluntário da Brigada Internacional. Após a vitória do general fascista Francisco Franco, é enviado a um campo de concentração e deportado ao Brasil. De volta a Porto Alegre, Vasco se depara com novo campo de batalha - em vez de fuzilamentos e bombardeios, os golpes baixos da sociedade burguesa; em vez das vilanias da guerra, as pequenas torpezas do cotidiano, as traições que também podem terminar em tragédia. Ao mesmo tempo, o jovem sente renascer a antiga chama de seu amor pela prima Clarissa.

Vasco é um jovem inquieto que não se vê em uma vida tradicional e não se senta à vontade na família. Em busca de uma aventura, uma história para contar, uma vida diferente, o protagonista de Saga se alista na Brigada Internacional e parte para a Espanha. O início da história de Érico Veríssimo dá uma boa ideia do enredo e serve aqui como sinopse, além de indicar alguns dos caminhos pelo qual o autor vai transitar.

A experiência de leitura de hoje é dividida em três tópicos, que são também os grandes momentos do livro na minha opinião. Aliás, Saga também é dividido em trechos e eu tento combinar os assuntos, embora não sejam exatamente as mesmas divisões. A minha segunda experiência com Érico Veríssimo reforçou o desejo de conhecer muito (de preferência tudo) do que ele criou. Certamente vou compartilhar essa jornada no Estante da Nine. Vocês estão comigo?



A viagem e chegada
A parte inicial do livro é o momento em que Érico Veríssimo apresenta o personagem ao leitor. A peculiaridade é que o protagonista é conhecido ao mesmo tempo que encontra os homens da Brigada Internacional. Desta maneira é possível não só saber quem é Vasco pelos seus gostos, mas principalmente por suas atitudes e pensamentos durante as conversas com homens de todos os lugares do mundo, que têm também uma variedade de histórias diferentes.

O principal questionamentos dos homens para Vasco, pergunta que o leitor também não pode ignorar, é porque afinal o jovem saiu de um país como o Brasil onde não há guerra civil ou continental para ver a destruição e miséria da Espanha (Europa)?! O protagonista parece não encontrar uma resposta objetiva, mas no decorrer da história sem dúvida a experiência se torna marcante para Vasco. A distância da guerra também é um aspecto que perturba os homens, que têm o desejo de pegar em armas e combater as desigualdades, isso tudo antes de ver como a guerra é de verdade.

Próximo ao front e batalha
A segunda parte do livro é a aproximação de Vasco e os homens do combate. Depois de viajar e se estabelecer em algumas regiões, entender o funcionamento da Brigada Internacional e a restrição de recursos, e até se familiarizar com os demais voluntários, Vasco e o leitor partem então para a realidade dos entornos da guerra e pelos locais pela qual ela já passou.

Érico Veríssimo sem dúvida consegue mostrar através das páginas de Saga a tristeza e desolação que é viver num país em guerra. Mais do que criticar e ser pró ou contra alguma ideologia, a grande mensagem do autor com o enredo é que o sofrimento que um combate causa, não apenas para soldados e suas famílias, por exemplo, mas principalmente pelo morador que viu sua cidade, seu trabalho e casa serem destruídos, é inesquecível e que apesar de continuar vivendo, nem sempre o que sobra é uma vida.



O sofrimento da guerra e a volta
A chegada ao front de batalha é um verdadeiro choque aos homens da Brigada Internacional. Para eles e para o leitor a guerra não parece real até que se chegue de fato no local do combate. Mesmo com a devastação dos arredores e a condição precária em que as pessoas vivem, mesmo isso, não retrata o horror das mortes, da destruição, da melancolia o do sentimento de impotência que é ver a vida balizada de todas as maneiras.

Vasco parte do Brasil para a Espanha com o sentimento de aventura, mudança e quem sabe grande revelação. E depois de passar por situações extremas o personagem encontra algumas respostas, mas não são as grandes respostas que ele esperava (ou mesmo o leitor). Érico Veríssimo apresenta uma verdade tão simples ao personagem que parece loucura toda a saga que ele enfrentou, mas era preciso.

Saga me motivou a pesquisar sobre uma guerra civil na Espanha que eu nunca tinha ouvido falar e também a levar em consideração que muitas vezes as respostas mais importantes são tão simples que deixamos passar. Um grande acontecimento ou um grande projeto não são sinônimos de satisfação e as vezes aquele incomodo que gera o conflito é também o que faz a vida e a família fazerem sentido. Por fim, não importa o lugar do mundo, é tendência as pessoas quererem classificar as outras no grupo A ou B, as vezes o melhor é ignorar.

Percebeu como eu gostei de Saga né?! Espero que a publicação de hoje tenha servido de motivação para tirar o livro da estante e mesmo dar uma chance para outras história de Érico Veríssimo, coisa que quero fazer em breve. Fora isso é um livro despretensioso que conversa com muitos temas atuais e apesar das muitas décadas de publicação é tão pertinente como se retratasse o dias de hoje.

Vídeo de opinião publicado no canal do Estante da Nine


Beijos!

Fotos: Nine Stecanella
*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine