Série B, vitória do Ju e primeiras impressões

13 de maio de 2017

A saudade de escrever sobre futebol era grande, assim como a ansiedade para a tão esperada estreia do Juventude no Campeonato Brasileiro da Série B. Para os leitores que não acompanham ou não gostam do esporte deve parecer surreal o envolvimento que os fãs e torcedores têm com um clube, mas para quem aprecia futebol e o promove toda competição, todo jogo, é motivo de resenha. Nesse caso a resenha é um bate-papo mesmo, gíria muito usada no meio futebolístico, e hoje eu vou comentar no Estante da Nine sobre o primeiro jogo do Ju e as minhas impressões sobre a partida.

Para começar é preciso dizer que ainda sem meu sócio em mãos acompanhei a partida pelo rádio. Aliás esse é um ritual herdado do meu pai que se mantém inclusive quando estou no estádio. A perspectiva de jogo é diferente, claro, mas lendo os comentários de amigos e familiares que acompanharam do estádio Alfredo Jaconi ou assistiram no Premiere percebi que minha impressão geral está dentro do contexto real da partida. E longe de querer parecer séria demais, o que não é o caso, o textão de hoje é principalmente porque eu quero muito conversar com vocês sobre o Ju ao longo dessa Série B.

Depois da atuação não tão satisfatória no Gauchão, o Ju começou a Série B com o elenco renovado com alguns dos principais atletas que foram destaques no estadual. O primeiro tempo não me convenceu, é verdade, principalmente porque apesar de não criar perigo, o Luverdense manteve um certo domínio na posse de bola, o que também impediu o alviverde de criar boas oportunidades, apesar de algumas terem acontecido. Cética, levar um gol na volta do segundo tempo quase me fez desacreditar da equipe. Quase.




A reação tão esperada que desejamos ao longo do Gauchão se mostrou na segunda etapa do jogo de estreia da Série B. Após o Luverdense marcar, o Ju, reanimado, se organizou em campo e foi em busca do resultado. O empate chegou cerca de 10 minutos depois e a virada na reta final da partida. Além de outras boas oportunidades, o Ju teve um gol anulado por impedimento, mas nem isso prejudicou a reação do verdão que marcou seus três pontos muito importantes na estreia em casa.

Ok, até agora eu fiz um resumão do jogo, mas o que eu quero mesmo compartilhar são os pontos positivos dessa equipe na minha opinião, claro. O primeiro deles, como citado acima, foi/ é o poder de reação. O que ficou registrado do time que disputou o Gauchão foi uma equipe apática, sem raça e sem destaques ou líderes. Esse ponto, pelo visto, foi resolvido. O mesmo para a zaga insegura, que levou um gol, é verdade, mas já mostrou evolução principalmente com a contração do goleiro Matheus, campeão pelo Novo Hamburgo, e que tenho certeza traz muita confiança para todos nós, torcedores do Ju.

Por fim, devo enaltecer os dois setores que mais critiquei durante o estadual: o meio campo e o ataque. O primeiro porque durante todo o Gauchão não produziu nada de aceitável. Pense em um meio campo sem aquele jogador xerife e pior, sem um criador para a equipe. Ataques desperdiçados foi o que mais vimos nos primeiros meses do ano e ontem confirmamos que temos um camisa 9, ufa, afinal além de marcar os dois gols do Ju, Tiago Marques se mostrou inteligente e oportunista, logo foi decisivo para a vitória do verdão.

Eu sei, eu sei, é a primeira rodada da Série B, mas é inegável que as melhorias propostas deram o primeiro resultado e que a imagem da equipe apática ficou para trás. Para um campeonato longo, difícil e disputado como a segunda divisão o melhor é não criar expectativas exageradas, mas o Ju de Gilmar Dal Pozzo deu o primeiro passo e todos nós juventudistas temos motivos para comemorar. Já na expectativa pelo segundo jogo, fora, contra o Vila Nova. Nos vemos semana que vem para mais um bate-papo sobre futebol! É o Ju!

Beijos!

Fotos: Arthur Dallegrave/ Esporte Clube Juventude