Desafio de C.J. Redwine

19 de setembro de 2014





Desafio
#1 Desafio
Autora: C.J. Redwine
Editora: Novo Conceito
Edição: 2014
Páginas: 368
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino
No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la.

Oi gente, tudo bem? Seguindo a meta de colocar as resenhas em dia, hoje vou escrever sobre outro queridinho do ano. E o aviso sobre um texto tendencioso no post de Legend, serve para este também, ok?! Então vamos conversar sobre o incrível Desafio da autora C.J. Redwine, lançamento recente da Novo Conceito. Fiz essa leitura em trio, com a Mah e o Henri. Para diversificar um pouco, e também porque a sinopse cumpre seu papel, vou comentar sobre o livro em tópicos. 

O cenário e o contexto 
Em Desafio temos uma sociedade que lembra muito a era medieval. As mulheres não têm voz, Baalboden é murada e o Comandante é o líder supremo e figura mais importante da cidade. No entanto, temos várias pistas de que já existiu um mundo moderno, porque há equipamentos, por exemplo, que destoam do resto das ferramentas usadas no dia a dia. A autora não deixa isso claro, o livro fica entre uma história fantástica e distópica, e foi o único ponto, na minha opinião, que C.J. Redwine deixou aberto. Porém, muitos mistérios envolvem essa nova sociedade, assim como as outras cidades que completam esse “mundo”, e a falta de explicação provavelmente foi proposital, para desenvolver o tema nos próximos livros. Ainda assim, é legal construir na imaginação esse novo contexto. O livro é muito visual. 

O enredo, os personagens e o romance 
Rachel vê sua vida mudar quando o pai, Jared, não retorna de uma jornada representando Baalboden. Experiente viajante, a protagonista não acredita que ele tenha se perdido ou mesmo traído sua cidade. Rachel toma a decisão de procurar pelo pai, mas é claro que ninguém tem permissão para sair da cidade sem o aval do Comandante. Todas as mulheres precisam de um protetor e, com algumas mortes logo no começo do livro (C.J. Redwine faz seus personagens sofrerem demais), o aprendiz de Jared, Logan, por quem Rachel já foi apaixonada, se torna seu tutor legal. 

Um dos grandes méritos desta história é a dinâmica entre Rachel e Logan. Os dois personagens vivem em mundos diferentes, brigam constantemente, mas sabem o que é preciso fazer para descobrir o paradeiro de Jared. Logan é um inventor (e luta muito bem também), enquanto Rachel é uma guerreira treinada pelo pai. As cenas entre os dois vão desde de momentos hilários até estarem a um passo da morte. Mesmo sabendo de antemão que Rachel gostava de Logan, o livro não tem uma história de amor (pelo menos não convencional). O romance da história é singelo e discreto, e ganha notoriedade apenas no final (no final MESMO). 

A jornada de Rachel e Logan demora a acontecer e em muitos momentos fiquei apreensiva durante a leitura. Mas a verdade é que o livro não é previsível. Sempre que os protagonistas estão próximos de saber uma nova informação ou conseguir enganar o Comandante, as coisas mudam. E muito. O que leva a outro ponto positivo do livro: você não consegue largar Desafio. Todo final de capítulo termina com uma cena chocante e você vai seguindo naquela ideia de “só mais um capítulo” e, quando vê, está nas páginas finais. 

Também gostei demais dos personagens que entram na vida de Rachel e Logan ao longo da história. Logo no comecinho conhecemos um deles. Durante a jornada, amizades improváveis acabam se formando. Mas vale lembrar, mais uma vez, que C.J. Redwine não tem pena de seus personagens e, quando convém, os mata sem dó. Não se apegue demais a eles. 

Preciso de Logan.
Não porque preciso ser salva. Não porque ele seria capaz de criar um plano para nos tirar dessa situação. Mas porque, em algum ponto dentro de mim, no fundo de minha alma, ele é o chão firme sob meus pés. A pessoa que vai mover montanhas para cumprir as promessas que fez. Aquele que olha para mim e realmente me vê.
página 223


O desfecho 
Minha vontade era escrever muito mais sobre Desafio, mas não vou abusar da paciência de vocês. Para fugir dos spoilers, devo dizer apenas que a maioria dos acontecimentos finais não passaram pela minha cabeça. Escrevo isso não só para reforçar o fato de que o livro não é previsível como também para dizer que nenhuma das minhas suspeitas se confirmou (nem as da Mah e do Henri pelo que lembro de nossas conversas). 

De certa forma, o livro tem um final, embora seja uma trilogia. Temos a resposta para o ponto mais importante do enredo, mas muitas outras perguntas ficam no ar. Como, por exemplo, qual é a relação entre Logan e o Comandante? O monstro que ataca a cidade, que foi murada justamente por isso, é um animal, uma máquina, um híbrido? Como um mundo que, aparentemente, teve alta tecnologia, regrediu tanto? Foi um desastre natural ou ação do homem? Escrevo isso porque, como gostei muito do livro, espero instigar a curiosidade de cada um que ler este post. 

Aquela dica, que as vezes é impossível seguir, de não criar grandes expectativas, vale para Desafio. Eu adorei porque não tinha ideia do que encontraria e me surpreendi com a proposta da história e a narrativa de C.J. Redwine. Rachel e Logan são protagonistas incríveis e, embora comentam alguns erros, a motivação principal é a família e o amor pelas pessoas importantes na vida.


A Novo Conceito manteve a capa americana, que é muito bonita. A diagramação segue o padrão da editora, com boa fonte e entrelinha. Como ponto negativo quero deixar um alerta sobre a revisão. Encontrei muitos erros no livro, tanto de concordância como de grafia de palavras. Sempre existem casos assim, mas em Desafio foram muitos. Apesar disso, uma relida em certos trechos já tira a dúvida. No meu caso, não chegou a prejudicar a leitura. 

Gostaram do post de hoje? Contem-me nos comentários se já leram ou têm vontade de ler Desafio. A Novo Conceito ainda não divulgou a previsão de lançamento do volume dois, Deception em inglês, mas eu li a sinopse no Goodreads e já estou aflita para descobrir o que vai acontecer na sequência.

Beijos!
Foto: Nine Stecanella
*Livro recebido da editora Novo Conceito
**Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através do banner do Submarino
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine