O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë

25 de março de 2013




O Morro dos Ventos Uivantes
O amor nunca morre...
Autora: Emily Brontë
Editora: Lua de Papel
Edição: 2009
Páginas: 292
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino
Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixará rastros de ira e vingança. "Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff", diz a apaixonada Cathy.

Você já pensou em escrever sobre um livro, mas não tem ideia de por onde começar? É isso que estou sentindo neste exato momento. Resolvi sentar e pensar sobre o que eu realmente achei de O Morro dos Ventos Uivantes e até agora não cheguei a nenhuma conclusão.

Minha primeira impressão foi de que não chegaria ao final do livro. As leituras que faço são, em sua maioria, de livros contemporâneos e a narrativa de Emily Brontë me causou uma certa estranheza. A primeira parte li mais devagar impossível. Quando a narrativa passou a soar familiar, o enrendo ainda não tinha me conquistado completamente. Na verdade, eu demorei muito para entender o livro (se é que eu entendi mesmo). E depois disso, ele passou uma longa temporada abandonado.

Quando retomei a leitura, aí sim, foi impossível parar até a última linha, mas isso já era lá pela metade de O Morro dos Ventos Uivantes.O livro tem um pouco de tudo: fundo histórico, amor, tragédia, intrigas e vingança. A maioria dos personagens são ambíguos. Conhecemos a história pela visão da governanta que esteve presente ao longo das três gerações que formaram a família central e é interessante observar que, em vários momentos, a personagem parece fazer uma reflexão de suas próprias atitudes do passado, justificando-se por várias vezes.

O núcleo do enredo é o amor "proibido" entre Heathcliff e Catherine. É através desse relacionamento que Emily Brontë introduz os conceitos sociais da época, o preconceito racial, os padrões de comportamento e a mudança de personalidade depois de uma grande decepção. Até o fim da fase inicial, quando conhecemos o que aconteceu com o jovem casal durante a adolescência, eu torcia ferozmente por Heathcliff. Tudo que o garoto passou e o desprezo que sofreu justificavam algumas de suas atitudes muito questionáveis.

Alguns anos se passam, Catherine é uma mulher casada, Heathcliff foi embora há muito tempo e ninguém imagina que um dia ele possa voltar ao Morro dos Ventos Uivantes. Mas ele volta. E começa uma verdadeira transformação na vida de todos. Heathcliff não quer apenas punir as pessoas que lhe fizeram sofrer. Ele quer acabar com a vida delas. Algumas mentes que já não iam bem começam a decair e é como se a loucura se apossasse ferozmente de todos eles.

Foi nesse momento que Heathcliff passou de mocinho para anti-herói. Suas atitudes são tão extremas que não há mais justificativa para tal comportamento. Desse ponto em diante eu sempre fiquei me perguntando qual era o verdadeiro sentido de tudo. Acredito que cada leitor também fará sua própria interpretação da situação. O Morro dos Ventos Uivantes não é do tipo de livro com opiniões unânimes.

Outro ponto interessante é que Emily Brontë começa a narrativa no presente, com a chegada do inquilino à Granja, propriedade que faz parte d'O Morro dos Ventos Uivantes, conta a história do passado através das lembranças da governanta e finaliza o livro de volta ao presente, com o antes ouvinte e inquilino, agora figura ativa no desenrolar final da história, na terceira geração da família que começou com o pai de Catherine adotando Heathcliff sem nenhum motivo senão a bondade.

E você que já leu, torceu por Heathcliff? E para você que ainda não encarou O Morro dos Ventos Uivantes, ficou mais curioso?

Beijos!
*Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através do banner do Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

20 comentários

  1. Não é a toa que é um clássico.
    Você não vai sortear ele também não? haha
    Ótima semana Nine :*

    ResponderExcluir
  2. Tentei, desisti, tentei, desisti, tentei, desisti... Vou dar um tempo, ler outras coisas, e dai eu tento outra vez porque sou muuuuuito curiosa sobre esse livro.

    ResponderExcluir
  3. Oi Nine!
    Eu confesso que fazia MUITO tempo que não lia um clássico, então quando peguei Orgulho e Preconceito levei um belo susto com a narrativa. Demorei um tempo para pegar o jeito e me familiarizar com os personagens. Estou agora bem no final, e amando a história.
    Pretendo ler mais clássicos, e O Morro dos Ventos Uivantes está na minha lista de aquisições. Sua resenha me instigou bastante, espero gostar!

    Beijos
    Livros e blablablá

    ResponderExcluir
  4. Quando fui escrever minha resenha desse livro também fiquei meio sem saber por onde começar hahaha. Acho que esse foi o único livro que eu gostei, mas detesto todos os protagonistas. Eles são pessoas bem reais, como defeitos e qualidades e isso e algo que gostei bastante também.
    No começo eu li o livro meio arrastado (foi em uma viagem, então eu lia ele ou não lia nada, não havia outras opções hehe), mas quando peguei o ritmo a história me conquistou =)

    Bru
    papodeestante.com

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. OI Nine !!
    Ate hj não conheci ninguem que não tenha gostado desse livro, e por isso ano passado eu comprei. Mas, ele chegou e foi para estante, tenho que le-lo urgentemente sempre q leio algo a respeito fico com mais vontade ainda.
    Adoro suas resenhas !!
    Bjuss

    ResponderExcluir
  7. Comprei O Morro dos Ventos Uivantes numa edição não muito boa, da Martin Claret, pois apesar do texto ser integral a linguagem que usaram na tradução é realmente muito difícil mesmo e antiga. Eu até tentei ler, mas tinha que ter o dicionário do lado e ficar verificando a todo momento várias palavras, logo tive que deixar a leitura. Depois emprestei o livro de uma amiga, porém o texto foi bastante reduzido e acho que excluíram partes importantes da estória, não lembro qual editora. Mas ainda tenho a esperança de comprar uma edição boa e, finalmente, ler o texto integral rsrsrs. Achei totalmente desnecessário o fato da linguagem usada pela Martin Claret ser tão difícil e antiga, pois tenho a coleção completa da Jane Austen (da Landmark, bilíngue) e a linguagem é culta e tudo, mas muito melhor e de compreensão bem mais fácil. Não quero comprar essa edição da Lua de Papel, pois também acho que reduziram muito a estória, o que na minha opinião prejudica a compreensão do texto.

    bezoo xD

    ResponderExcluir
  8. Parece que quanto mais o tempo passa mais esse livro é reconhecido. Já falei sobre ele lá no blog e quero muito lê-lo!

    Beijos.
    Páginas na Estante
    @alyneadriana

    ResponderExcluir
  9. Para mim, durante muito tempo, "Wuthering Heights" era o nome de uma música da Kate Bush que eu gostava muito. Quando fui buscar referências da letra, descobri que era o mesmo romance traduzido no Brasil (creio que em Portugal também) como "O Morro dos Ventos Uivantes". Meu primeiro contato não foi nem pela leitura, mas por um áudiolivro que eu gravei do Librivox (aliás, muito bem lido pela Ruth Goulding), mas ficava difícil entender algumas passagens então eu comecei a ler online. É bom pegar uma árvore genealógica que tem no Wikipedia para não se confundir com os nome dos personagens, como fez o personagem inicial, o inquilino. Esse é um livro de difícil leitura para as gerações atuais, acostumadas com livros escritos para virar roteiro de filmes. A força deste romance está na riqueza dos próprios personagens, feito incrível para uma escritora que o escreveu o romance quando ainda era praticamente uma adolescente. É interessantíssimo, para mim, ver a descrição que ela faz dos lugares, da propriedade na Inglaterra, do temperamento dos personagens estranhos, do ambiente um tanto inóspito das "alturas estonteantes". É como o começo do livro, em que o inquilino chega a um lugar bem estranho, como se entrasse em um conto sombrio mesmo.

    ResponderExcluir
  10. Oi Nine

    Já faz uns bons anos que li O Morro dos Ventos Uivantes e foi um dos livros mais incriveis que já li. Acredito que principal fato seja a imprevisibilidade dos personagens, ninguém é completamente bom e ninguém é completamente mau,a ambientação foi muito bem feita. É usa história sofrida, dura e para se reler muitas vezes.

    ResponderExcluir
  11. Ainda não li o livro todo, na verdade comecei e parei acho que com umas 20 páginas e sempre que penso em terminar algum outro livro me chama mais atenção que ele..
    Sei que ele é um clássico mais não me atrai.

    ResponderExcluir
  12. Eu concordo com tua visão de Heathcliff como anti-herói. Achei interessante, pelo menos na versão que eu li, que a "proibição" do romance dos protagonistas partiu mais dos preconceitos da própria Catherine do que de sua família. Não achei a linguagem nada difícil, li normalmente. E torci principalmente pelo Hareton, na minha opinião uma das pessoas mais injustiçadas da história!

    ResponderExcluir
  13. Oi Nine!
    Tenho esse livro na estante mas ainda não peguei para ler, espero que seja interessante. Gosto de clássicos. Ótima resenha!

    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Já vi várias pessoas falando desse livro, mas nunca tive curiosidade pra ler. Agora, você conseguiu me deixar curiosa hahaha.

    Ah, tô seguindo você. Um beijo!
    http://geekdebatom.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Valt

    Comprei este livro somente por causa da saga crepusculo. E quando comprei não tinha noção se algum dia iria lê-lo. Eu achava que era um livro chato e cansativo, foi então que no sabado eu resolvi pegar o livro para ler. As 20 primeiras paginas eu achei que o livro seria o que eu imaginei: maçante, mas a partir daí o livro ficou viciante. Eu ainda não terminei o livro, até o momento estou na pagina 196.
    É um livro que tem personagens carregados de odio, orgulho, muitos sentimentos negativos. Confesso que somente tenho bom sentimento por ELLEN, eu acho que ela é uma boa alma perdida no meio de tantos pessoas amarguradas. Fiquei surpreendido por Heathcliff ter se tornado vilão.
    Apesar de, ainda, não ter terminado o livro com certeza é um dos melhores livros que ja li na minha vida

    ResponderExcluir
  16. Faz um tempinho que li o livro e lembro pouco da história! Pretendo reler assim que tiver uma oportunidade! Até porque também não lembro se o que li era o texto integral ou uma adaptação!

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Esse livro deve estar na minha estante uns 6 meses e ainda não tive coragem de ler, justamente pela sua narrativa, mas acho que nas férias de julho vou dar uma chance a ele.
    Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  18. Tenho esse livro e pretendo lê-lo em breve, pois estou no desafio de ler 5 clássicos por ano.
    Estou curiosa para conhecer a escrita de Emily Brontë, ;)

    ResponderExcluir
  19. Estou louca para ler esse livro. Fui conhece-lo através da saga Crepúsculo e acho que a capa da nova edições lembra os livros da série! hehe

    ResponderExcluir
  20. Oi Ninee!
    Gostei muito de conhecer o seu ponto de vista. Li o livro no começo do mês, então estou com a narrativa fresquinha na mente haha Eu achei o livro perturbador. Odiei o Heatcliff e boa parte do rol dos personagens. Acho que é mais uma história de ódio do que amor, com altas doses de loucura.
    Adorei a narrativa, e achei o conteúdo de modo geral hipnótico. Me trouxe sentimentos conflitantes.
    Se te interessar dar uma olhada, foi uma das últimas resenhas lá do blog ^^
    Beijão!

    ResponderExcluir

Olá! Deixe sua opinião. ;)