A culpa é dos teus pais de Maristela Scheuer Deves

12 de outubro de 2010






O que o assassino quer dizer com essa mensagem aparentemente sem sentido que deixa junto ao corpo de suas vítimas? É isso que a repórter iniciante Guisela que descobrir. No entanto, as vítimas parecem não ter nada em comum, a não ser a morte pelas mãos do maníaco - e mesmo essas mortes são totalmente diferentes entre si. E quando finalmente encontra uma pista, Guisela descobre que pode estar na lista do serial killer.


A culpa é dos teus pais no SKOOB |


Esse é o primeiro livro da jornalista Maristela Deves e eu gostei. Sempre é complicado falar sobre o primeiro livro de alguém. Embora críticas sejam boas, muitas vezes elas podem ser uma pedra no sapato do escritor. Mas o livro tem uma boa trama. 

O universo é o do jornalismo, nada mais lógico eu gostar porque em agosto de 2011 [uipi õ/] estarei formada nessa magnífica [as vezes nem tanto] profissão. E porque a protagonista Guisela é uma foca, assim como todos os estagiários e recém formados em jornalismo. E por se passar dentro do universo de uma redação de jornal, quem trabalha e estuda jornalismo vai saber [e se identificar] como funciona e quem não conhece, vai descobrir um pouquinho mais. 

O fato é que Guisela, como praticamente todos os focas, faz matérias de dia-a-dia. Tudo muito normal e sem nenhuma emoção. Até que ela teve uma grande oportunidade de escrever de verdade graças a um assassinato no seu horário de plantão. E é aí que começa a emoção da história. Como o título diz, esse é o bilhete deixado pelo assassino junto ao corpo de suas vítimas. Todas mortas de uma maneira diferente. Pessoas sem nenhuma ligação com a outra. 

A polícia, mesmo com todas as investigações, não consegue relacionar as mortes e encontrar o assassino, então Guisela resolve fazer uma investigação paralela a da polícia. E nessa busca por respostas ela encontra várias pistas, mas nenhuma que definitivamente a leve ao assassino... até que... ele vem até ela. A agonia é tanta que até o leitor começa a pensar nos motivos, mas até o final não encontra razões.

E ai começa a surgir as respostas. De uma conversa com um colega de trabalho e um comentário dos mais normais [isso sempre acontece com a gente; ficamos um tempão pensando em um filme ou uma música e não tem jeito de lembrar o nome ou o cantor/ ator, até que aquele amigo faz uma piadinha e pimba! tu lembra]. Aí as peças começam a se unir e tudo passa a fazer sentido... Só que Guisela, ao descobrir a razão das mortes, descobre também que corre perigo, e... E aí você vai precisar ler o livro pra descobrir. Tirando a palavra serial killer que aparece muitas vezes, o livro é uma boa leitura pra quebrar uma onda de série ou talvez até, uma leitura mais rápida.

Beijos!