Orgulho e preconceito de Jane Austen

13 de janeiro de 2013





Orgulho e preconceito
Autora: Jane Austen
Editora: Martin Claret
Edição: 2010
Páginas: 235/ 631
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino

Não é novidade para ninguém que meu livro preferido de 2012 foi Orgulho e preconceito de Jane Austen (falei dele nos últimos vídeos do blog, na página do Facebook, no Twitter...). O maior receio que tive no início da leitura foi o de não me identificar com nada do que eu já tinha lido e visto sobre o livro (e acreditem, foi muita coisa). Isso não aconteceu...

Felizmente minha experiência foi a melhor possível (assim como aconteceu com a leitura de Emma). A narrativa de Jane Austen me transportou para dentro do universo de Lizzie Bennet e minha sensação foi a de acompanhar tudo como alguém que viveu dentro da história. Os personagens marcantes, mais uma vez, foram o ponto alto, na minha opinião.




Para complementar o vídeo acho importante ressaltar que a dinâmica entre os personagens secundários também é muito importante para o desenrolar da trama. É através deles que Jane Austen mostra o outro lado das escolhas, mesmo aquelas que parecem ilógicas. Cada um dos personagem age conforme suas crenças, sua família e sua situação financeira.

É o relacionamento de Lizzie e Sr. Darcy que dá a Orgulho e preconceito o crédito de ser um grande romance, além de sua época. Não exatamente por ser um livro romântico (no sentido pleno da palavra), mas por ser uma história onde preconceitos, impressões e sentimentos vão mudando ao longo do relacionamento (a medida que eles se conhecem) exatamente como na vida real.


A edição da Martin Claret tem uma capa linda e um preço bem em conta por três livros da autora. O porém fica na diagramação mais simples com fonte pequena e alguns problemas de revisão. Nada que prejudique a leitura, mas é importante que você tenha atenção para entender o contexto.


Orgulho e preconceito direção de Joe Wright

Assim que terminei de ler o livro assisti ao filme de 2005 com Keira Knightley (Lizzie Bennet) e Matthew Macfadyen (Sr. Darcy). E gostei muito da adaptação (uma das melhores que já vi). O filme foi fiel a essência do livro e suprimiu personagens que não era tão importantes para o desenrolar central da história. A personalidade dos personagens foi bem representada pelos atores e é visível que houve química entre eles. Os cenários oscilam entre a casa simples da Família Bennet e as mansões do Sr. Bingley e do Sr. Darcy, o que mostra a diferença entre as famílias. Além de paisagens naturais.

Achei a Lizzie Bennet de Keira Knightley um pouco afetada, fazendo umas caretas e sorrisos além do excêntrico. Mas nem de longe prejudica o filme. A próxima adaptação que quero assistir é a série da BBC e depois, se encontrar, o filme de 1940.

Beijos!

*Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através do banner do Submarino
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine