O jardim secreto de Frances Hodgson Burnett

19 de junho de 2020




O jardim secreto
Autora: Frances Hodgson Burnett
Editora: Ciranda Cultural
Edição: 2019
Páginas: 286
Compre na Amazon | Submarino

Após ficar órfã, Mary Lennox se muda da Índia e vai morar com seu tio viúvo em uma casa cheia de segredos na Inglaterra. A mansão tem quase cem quartos e seu tio se mantém trancado lá. Durante a noite, ela ouve o som de choro em um dos longos corredores. Os jardins que cercam a grande propriedade despertam a curiosidade de Mary. Ao decidir explorá-los. A órfã descobre um jardim secreto, cercado por muros e trancado com uma chave perdida. Com a ajuda de dois companheiros inesperados, Mary descobre um caminho e se torna determinada a trazer o jardim de volta à vida.

Clássico da literatura infantil inglesa, O jardim secreto foi uma experiência peculiar e muito recompensadora, não é a toa que o enredo de Frances Hodgson Burnett entrou para a lista de leituras favoritas de 2020. O contraste gritante dessa experiência é que os capítulos iniciais são ranço puro e eu jamais imaginaria que pudesse gostar tanto assim da história. Boa surpresa da vida de leitora, né?! 

A história começa com a mudança da protagonista Mary da Índia para a Inglaterra após um acidente com os pais. A menina vai viver então no casarão do tio recluso, que não faz questão de manter contato com a criança. Anteriormente cuidada por criados, servos indianos, que eram obrigados a fazer todos seus desejos, Mary tem um choque de realidade ao desembarcar em um lugar desconhecido onde nenhum adulto dá atenção especial a suas manhas.

 
Narrado em terceira pessoa, um dos pontos altos de O jardim secreto é justamente a interatividade entre o contador da história – que revela pequenas pistas no decorrer do enredo – e o leitor. Frances Hodgson Burnett não poupa Mary e apresenta a criança tal como é: mimada e sem escrúpulos, mas também faz questão de ressaltar a falta de afeto, cuidado e atenção dos pais, o que sem dúvida influencia a personalidade da criança. Justamente por essa antipatia imediata com Mary que os primeiros capítulos são um desafio e envolventes, desafiadores. 

Ao mesmo tempo em que Mary precisa se adaptar a nova realidade ela também se descobre uma nova criança. O casarão e seus muitos cômodos fechados viram uma aventura de descobrimento e o jardim trancado e escondido da tia, morta há 10 anos, deslumbra a personagem. Frances Hodgson Burnet constrói um enredo cheio de aventuras dentro do limite da propriedade e com pequenas situações sutis que fazem Mary aprender, através da observação, que criança detestável era quando chegou à Inglaterra.

 
Outro contraste interessante da obra é entre os adultos e classes sociais, já que os personagens mais carismáticos e amorosos são humildes, vivem numa casa no pântano, são parte de uma família imensa que possui recursos e dinheiro limitados, mas que mostram amizade e compaixão acima de tudo. Uma realidade bem diferente do tio de Mary e da maioria dos empregados da mansão. 

Meu ponto favorito do livro é a inserção de uma criança mais problemática que Mary que mostra para a protagonista como as atitudes egoístas de alguém são vistas de fora e como isso causa mal estar. Assim, Frances Hodgson Burnett faz com que as crianças aprendam lições entre si pela observação. A mudança de hábitos também influência os adultos, muitos condicionados a um pensamento limitado e nada transformador.

 
Ao final do livro a sensação era de aconchego, de leitura que valeu a pena, principalmente depois de um começo antipático. Toda condução da história tem o cuidado de abordar temas importantes com sutiliza, mostrar realidades e personagens com características tão diferentes vivendo juntos e acima de tudo que mudar é possível, é uma construção diária, não é fácil e não tem fórmula, mas os resultados são incríveis. Uma leitura para todas as idades, sem dúvida. 

Minha nota para O jardim secreto foi de quatro estrelas no Skoob. Uma história incrível para quem gosta de literatura infanto juvenil, enredos transformadores e personagens cativantes (tenha paciência, as coisas chegam lá). A narrativa é um ponto alto também, assim como a analogia sobre o jardim, um dos meus trechos favoritos e que possibilita diversas interpretações. Sem dúvida uma ótima experiência com Frances Hodgson Burnett. Vocês já leram O jardim secreto

Beijos!

Fotos: Nine Stecanella 
*Ajude o blog comprando pelos links indicados no post ou através dos banners da Amazon e Submarino
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine

4 comentários

  1. Oi, Nine!
    Eu sou apaixonada pelo filme de O Jardim Secreto, mas ainda não tive a oportunidade de ler o livro :D
    Pela sua resenha, parece que a adaptação cinematográfica foi bem fiel na medida do possível. Já vou acrescentar o livro na minha listinha de futuras leituras!

    Não conhecia seu blog, mas já estou seguindo para não perder nenhuma atualização <3

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Laura! Estou com o filme aberto na Netflix para assistir, espero gostar, já que é uma história inspiradora e logo comento sobre a adaptação por aqui também. Sobre o livro, vale muito a pena e flui rápido, eu que peguei numa fase lenta de leitura mesmo.

      =*

      Excluir
  2. Eu adoro essa história! Tenho uma versão adaptada para crianças e todo ano leio para meus alunos de cinco anos, depois eu mostro o filme. Ano passado uma aluna me deu a versão completa como um presente! Tenho muito carinho!
    Bjus
    Para todas as estações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adorei ler O jardim secreto. Vi muitas recomendações ao longos dos anos, mas sempre tive um pé atrás. Quando encontrei essa edição por R$10 surgiu a oportunidade e ainda bem que eu trouxe pra casa. Essa semana também sai comentário sobre o filme, que eu desconfio que vou adorar também!
      Beijo!

      Excluir

Olá! Deixe sua opinião. ;)