Cira e o Velho de Walter Tierno

7 de abril de 2011





Cira e o velho
Autor: Walter Tierno
Editora: Giz Editorial
Edição: 2010
Páginas: 232
| Skoob |

Cobra Norato é um amante da vida. Pelas margens dos rios, espalhou paixões, filhos e filhas. Uma delas é Cira, que nasceu do ventre da bruxa Guaracy. Sua alegria de viver é tão intensa quanto seu ódio pelo homem que a deixou para morrer: o Velho. Domingos Jorge Velho é um caçador de homens. Ele toma a liberdade dos índios e a entrega aos brancos de além-mar. É um guerreiro, sem outra fé além do ouro e da propriedade. Cira caminha pelo País que surge, que é desbravado e desmatado. Ela persegue o rastro de Domingos. Ela encontra o ocaso da magia e a ascensão da pólvora. Em Palmares, os inimigos se enfrentarão e, nessa guerra, se descobrirá quem é o proprietário do novo mundo.

Cira e o velho foi um livro especial pra mim. Com toda certeza um favorito com lugar garantido na lista. Vou explicar: só li quando criança livros com personagens folclóricos, diríamos assim, nas histórias de Monteiro Lobato. Hoje já não lembro deles, mas ainda resta alguma coisa em um baú escuro no fundo da minha cabeça. 

Quando peguei esse livro achei que seria algo didático, e não deixa de ser, mas ele é mais que isso. É um livro intenso, que explora não só mitos do Brasil como também dá uma ideia das transformações depois da colonização e junto disso, uma crítica social. Então, uma "resenha" diferente, por partes.

O livro viaja pela ficção e realidade, mas as mudanças da colonização são bem retratadas no enredo, do meu ponto de vista. A destruição da vida nativa, a dominação sem medidas a descriminação que existe até hoje, no Brasil e no mundo, e o ar superior, claro. Inexplicável se pensar que os colonizadores trouxeram para o Brasil doenças, destruição e de certa forma, decadência.

Para quem acredita que o Brasil não tem mitos e personagens interessantes, se engana. Minha geração e dos meus pais perdeu esse interesse, mas os avós, quem não sabe, tinham várias crendices. Evidente que o livro tem foco na história da Cira e quem cruza seu caminho, mas existe muito Brasil nisso, mais um motivo pra ler. 

O Velho pode ser encontrado em muitos lugares. É o ganancioso, que acima de tudo pensa no seu bem, no seu benefício e não se importa com o que é preciso acabar pra conquistar reconhecimento e riqueza. Um caçador que acredita ser superior aos demais humanos, mas que na verdade não percebe o erro que comete. No fundo ele sabe qual será seu fim. E não faz nada pra mudar. Está mais preocupado com o que consegue juntar a cada batalha.

Cira é a menina-mulher heroína. Aquele espírito guerreiro que todos deveriam ter. Motivado sim por uma vingança cega, mas determinação é algo que falta nos dias de hoje. Acima de tudo, sabe esperar. Sabe o momento certo. Erra ao longo do caminho, mas luta pra seguir em frente. 

Você já se perguntou o que teria acontecido a todas aquelas criaturas que perambulavam por nossas terras? Mboitatás, sacis, cucas... Por que ninguém mais as vê? A resposta é muito simples. As pessoas as veem. Apenas não as reconhecem mais. Não só porque elas deixaram de acreditar; mas porque as criaturas assumiram novas formas. Disfarces.
página 139

PARA VER E OUVIR
* porque Kleiton & Kledir é bom demais


Beijos!