Diários do Vampiro: O confronto de L.J. Smith

8 de setembro de 2010





Elena conseguiu o que queria: Stefan é seu. Por outro lado, sua semelhança com Katherine faz com que ela seja irresistível também a Damon - e ser amanda por dois vampiros pode ser fatal. Depois de ceder a Elena, Stefan acredita que o amor pode redimi-lo. Só que a chegada de Damon o faz temer pela vida de sua amada, e ele a cerca de cuidados. Mas, conseguirá Stefan protegê-la de si mesmo? Damon escolheu Elena para ser sua companheira nas sombras, e a atração entre os dois é inegável. Belo e charmoso, ele se aproveitará de tudo e todos para conquistá-la. E não irá se arrepender depois.

[pode conter spoilers]


Se o primeiro livro me causou certo estranhamento pela diferença imensa com a série, o segundo já foi muito melhor nesse ponto de vista. Isso porque eu já estava, diríamos assim, centrada na história conforme ela segue no livro. Então vamos a ele.

Continuo achando a adaptação da Elena pro seriado melhor do que a Elena do livro. Por um motivo simples: a Elena do livro é a típica adolescente americana, destronada e egoísta, que quer todos pra ela, absolutamente todos. Isso fica bem evidente no livro. Sendo assim, se ela fosse retratada ao pé da letra na adaptação para a televisão, seria mais ou menos como todas as comédias e filmes de besteirol adolescente que nós assistimos. E não faria o menor sentido dentro da história adaptada pela televisão. Por outro lado, a Elena do livro passa por situações muito mais complicadas que a Elena da tevê, logo surgem umas características bem marcantes: ela é muito mais forte e corajosa...

O Stefan, do meu ponto de vista, é aquele personagem linear. Tanto livro como na série. Tirando os momentos de raiva contra Damon, ele praticamente segue o mesmo estado de espírito ao longo do livro. É bem verdade que o Stefan de L.J. Smith concentra um ódio muito maior no irmão no livro do que aquele retratado na série... E isso faz dele um personagem mais interessante, porque ele não segue exatamente o padrão de príncipe/ galã sem ódio e tolerante. Pelo contrário, deixou o clímax de O confronto impressionante. Não tem como ficar sem ler A fúria depois do excelente final do segundo livro.

Damon continua impressionantemente hilário no segundo livro. Talvez o único personagem que até agora se aproximou nos dois contextos: livro e série. E nesse ponto, conseguir visualizar bem o Damon interpretado por Ian Somerhalder e descrito nesse segundo livro. Embora ele seja muito mais perverso no livro, Damon é aquele típico personagem que pode mudar a qualquer momento... É instável e emotivo, obcecado pelo amor que ainda sustenta por Katherine. E isso fica mais evidente nesse livro, depois do presente que Stefan dá para Elena. O anel.

Se tudo isso fez a história ficar muito mais interessante, não posso deixar de comentar sobre o último capítulo do livro. Sensacional. Faz muito tempo que não vejo um final de livro tão empolgante e curioso como esse. Não fosse pelo sono, teria começado ler A fúria ontem mesmo. É o típico "hãm, como assim? preciso saber como isso aconteceu". Se o primeiro livro me deixou em dúvida sobre a qualidade da série e até mesmo da história, o segundo me deixou muito mais empolgada e curiosa pra saber o fim desse triângulo amoroso que promete mais emoção.

Beijos!