Estação Atocha de Ben Lerner

1 de setembro de 2015



Estação Atocha
Autor: Ben Lerner
Editora: Rádio Londres
Edição: 2015
Páginas: 242
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino
Adam Gordon é um jovem poeta americano que, graças a uma prestigiosa bolsa de estudos, muda-se para Madri, pelo período de um ano, com o objetivo oficial de completar um projeto de pesquisa. Adam é um jovem brilhante mas muito instável, narcisista e frequentemente tomado por um sentimento de alienação de si mesmo. Viciado em cafeína, usuário eventual de haxixe, comicamente inseguro com as mulheres e com forte tendência a se automedicar, Adam se vê mergulhado em uma busca constante por autenticidade, girando em torno dos limites da linguagem. Página após página, o protagonista alterna momentos hilários com ruminações existenciais, o que alimenta a sensação de distância entre seu universo interior e o mundo externo. Todo esse quadro reforça a suspeita de que suas relações afetivas, suas sensações, sua poesia e até mesmo sua personalidade sejam fraudulentas, uma grande mentira.

2015 é o meu ano de se aventurar por novos autores e estilos literários e Estação Atocha de Ben Lerner foi uma dessas leituras confusas e cativantes que no final eu não soube (e ainda não sei) bem o que pensar. No livro acompanhamos um jovem que de forma não muito honesta conquista uma bolsa de estudos para passar um ano na Espanha e se muda para Madri.

Narrado em primeira pessoa, logo nas primeiras páginas o leitor percebe hábitos peculiares do personagem. Viciado em café e usuário de haxixe, Adam não é um desleixado completo, mas vive entre o mundo real e aquele em que se coloca através de situações nada confiáveis. Aliás, ele não é um narrador confiável.

Fotos Nine Stecanella



E está aí o ponto alto do livro, pelo menos o que eu mais gostei. Adam é muito espirituoso para lidar com certas situações, por exemplo, as avaliações de sua bolsa, mas não se sente à vontade em círculos sociais e na presença de algumas mulheres. Desvendar as nuances do personagem é o grande incentivo para seguir na leitura.

Outro ponto interessante é a relação do protagonista com a mentira. Adam percebe que pode ser quem quiser em Madri e é assim que começa a desconstruir sua história e até sua personalidade, mas não demora muito a perceber que mentir pode ser bem mais difícil que contar a verdade. Sua relação desastrosa com remédios também contribui para alguns momentos embaraçosos no livro.



O cenário, sem dúvida, é um diferencial. Não lembro de ter lido outros livros sobre Madri ou a Espanha, mas alguns elementos da rotina de Adam realmente despertaram minha curiosidade para o país. O atentado na Estação Atocha demora um pouco a aparecer no livro, mas influencia a visão do protagonista.

Apesar dos vários pontos positivos, fiquei em cima do muro sobre Estação Atocha. Minha nota no Skoob foi de três estrelas porque o aspecto mais interessante da leitura foi desvendar a personalidade de Adam. Gostaria de ter visto mais da cidade e conhecer através de outro ponto de vista os personagens secundários.



Ben Lerner escreveu um livro cativante sobre um jovem que precisou atravessar o oceano para (talvez) se encontrar. Se você gosta de personagens impulsivos e fora do eixo como eu, certamente vai apreciar a leitura de Estação Atocha. O final me deixou um tantinho desapontada, mas foi coerente com a história.

A edição da editora Rádio Londres tem uma capa extremamente chamativa e bonita. O livro tem uma diagramação simples, mas com boa fonte e entrelinha, além de algumas imagens que complementam o enredo. A impressão é em pólen soft, aquela folha amarela que adoramos. Quero saber quem já leu Estação Atocha e quem está afim de ler. Participe nos comentários!!!

Beijos!
*Livro recebido da editora Rádio Londres
**Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através do banner do Submarino;
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine