Os impostores de Chris Pavone

15 de janeiro de 2014





Os impostores
Autor: Chris Pavone
Editora: Arqueiro
Edição: 2013
Páginas: 336
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino
Kate Moore é uma mãe que trabalha fora e luta para equilibrar as despesas e o orçamento, criar os filhos, manter viva a chama do casamento... e guardar um segredo cada vez mais difícil de suportar. Por isso, quando seu marido, Dexter, recebe uma proposta de emprego em Luxemburgo, ela agarra a chance de deixar para trás sua vida dupla e recomeçar do zero longe de Washington. Em outro país, Kate se reinventa, enquanto Dexter trabalha sem parar num emprego que ela nunca entendeu, para um cliente que ela não pode saber quem é. Em pouco tempo, a confortável vida europeia com que sonhava se revela uma rotina cansativa em que o marido vai ficando cada vez mais distante e evasivo e ela, solitária e entediada. Chega então outro casal americano, que faz amizade com Dexter e Kate. Mas ela logo desconfia que os novos amigos não sejam exatamente quem dizem ser – e fica apavorada diante da possibilidade de estar sendo perseguida por fantasmas do passado.

Sabe aquele livro que divide tua opinião? Ao mesmo tempo que você gosta, sente que faltou algum detalhe, alguma cena para deixar a história completa, sabe? Esse foi meu sentimento com Os impostores do autor Chris Pavone, lançado no Brasil pela editora Arqueiro. Na trama, conhecemos o casal Kate e Dexter e seus dois filhos pequenos. Ela sempre trabalhou fora, mas após do nascimento dos dois garotos reduziu o ritmo e passou a desempenhar um papel burocrático na empresa, além de ser mãe e dona de casa. 

Dexter, por outro lado, é especialista em segurança virtual e, geralmente, trabalha para bancos. A rotina não é emocionante, mas basta para manter a família. Até que um dia, assim de repente, Dexter anuncia para Kate que encontrou uma oportunidade incrível em um paraíso fiscal na Europa e que esta é a grande chance da família de ter a vida que sempre sonhou. 

O começo de Os impostores foi desafiante. A narrativa intercala capítulos no passado e no presente, o que causou certa confusão no início. Eu não tive muita clareza do que a personagem estava pensando e sentido e nem porque lembrava de momentos aparentemente aleatórios. Avançando um pouco mais na leitura, com aproximadamente ¼ do livro lido, aí sim as coisas se tornaram mais interessantes e os segredos do passado tornam-se, também, mais nítidos. 

O segredo de Kate é o primeiro a ser revelado. Embora a narrativa seja em terceira pessoa, a personagem feminina é quem comanda a visão. O leitor certamente consegue captar pistas do que a mulher foi e Chris Pavone fez um ótimo jogo de induzir o leitor por um caminho na parte inicial, para, em seguida, fazer uma grande virada na trama. 



Dexter e um casal de americanos que aparecem repentinamente na Europa tornam-se os alvos de maior curiosidade ao longo do livro. Mais uma vez Chris Pavone teve inventividade e criatividade para envolver o leitor em diversas suposições, boas e ruins, e ainda assim, criar muitas dúvidas em relação aos personagens. Quem são? O que fazem? Quem mente? 

Meu sentimento de contrariedade com o livro cresceu na parte final quando o grande segredo, enfim, é revelado. Apesar de todas as pistas, o fato é mesmo surpreendente. Mas pela característica do (s) personagem (ns), achei improvável toda a situação. 

Apesar disso, o livro é interessante. Chris Pavone explora os cenários da Europa de forma leve, mas pertinente ao enredo geral do livro. Acredito que para quem gosta de mistério e suspense, principalmente pelo caminho das conspirações e segredos, também vai gostar da leitura. 

A edição da Arqueiro é ótima. A capa é bastante significativa, mas o leitor só compreende depois de avançar boa parte da leitura. Os capítulos são curtos, portanto seguem em sequência na mesma página. As folhas são amarelas e a diagramação permite uma boa fluência da leitura, apesar do espaço da página ser bem ocupado. Não anotei (nem notei) nenhum erro grave e a revisão está boa.

UMA DICA PARA OS MAIS CURIOSOS
O livro lembra, de longe, algo como o filme Sr. e Sra. Smith! Vejam bem, ALGUNS elementos são semelhantes. Também li que uma adaptação para o cinema está em andamento.

Beijos!
Foto: Nine Stecanella
*Livro recebido da editora Arqueiro
**Ajude o blog comprando pelo link indicado no post ou através do banner do Submarino
as compras pagas geram comissão ao Estante da Nine