Julieta imortal de Stacey Jay

19 de outubro de 2011





Julieta Imortal
A maior história de amor de todos os tempos é uma farsa
Autora: Stacey Jay
Editora: Novo Conceito
Edição: 2011
Páginas: 237
Skoob | Goodreads
Compre no Submarino
Julieta Capuleto não tirou a própria vida. Ela foi assassinada pela pessoa em quem mais confiava, seu marido, Romeu Montecchio, que fez o sacrifício para assegurar sua imortalidade. Mas Romeu não imaginou que Julieta também teria vida eterna e se tornaria uma agente dos Embaixadores da Luz. Por setecentos anos, Julieta lutou para preservar o amor e as vidas de inocentes, enquanto Romeu tinha por fim destruir o coração humano. Mas agora que Julieta encontrou seu amor proibido, Romeu fará de tudo que estiver ao seu alcance para destruir a felicidade dela.

Expectativa superada. Julieta imortal tem tudo para ser um livro divisor de opiniões, porém, muito lido. Os fãs de Shakespeare podem achar uma afronta transformar uma das maiores histórias de amor (drama) em um livro paranormal. Por outro lado, os fãs de sobrenatural e paranormal podem adorar a adaptação de um dos livros mais falados de toda história literária em um romance moderno. No geral, eu gostei e aposto que as criticas serão mais positivas que negativas. Superou minhas expectativas e surpreendeu no final. 

Julieta imortal é inspirado na obra de Shakespeare 

O que mais gostei foi o enredo, uma trama de reencarnações. Não é tão comum (quanto vampiros, lobos e fadas) tratar do assunto, já que envolve, de certa forma, uma crença religiosa, que não é tratada no livro. Assim Romeu e Julieta se encontram ao longo dos séculos desde o fim do casamento. Ela luta para manter as almas gêmeas unidas, enquanto ele visa o contrário. A construção dos personagens me agradou. Stacey Jay conseguiu transpor para os dias atuais a cabeça de uma garota de 14 anos e um menino de 16, que originalmente, viveram em outra época (1304). A autora soube dosar os exageros e crises da idade em um ponto onde ela poderia perder a mão do livro facilmente. 

Julieta está no corpo de Ariel, uma menina esquisita, com pensamentos negativos e uma mente intensa que esconde imagens do passado. Já Romeu assume o corpo de Dylan, uma garoto arrogante e prepotente com má fama na escola. A medida que o tempo passa, Julieta perde a noção de que sua vinda para a Terra é passageira e começa a viver de uma forma atípica a história de Ariel. Gostei deste conflito que a autora trouxe para o livro, porque ele cria uma curiosidade incrível no leitor de qual será a decisão final de Julieta. Será que ela seria capaz de viver como outra pessoa? Enquanto isso, Romeu é mais focado nos seus objetivo, mas é lógico que existe um mistério que cerca esta encarnação de ambos e conduz o enrendo principal do livro. 

Além disso, existe muito mistério e ação. Uma pitada de maldade. Além do combate entre as forças do bem e do mal. Sobre os personagens secundários, Ben é um garoto de origem mexicana que ajuda Julieta (já no corpo de Ariel) assim que ela volta à Terra e a química entre os dois acontece logo no primeiro encontro. Gostei deste personagem porque ele não se encaixa no perfil de outros mocinhos modernos. É sensível, inteligente e agressivo na mesma proporção, o que faz com que ele seja muito humano (não, ele não tem nem um dom sobrenatural). Já Gema, melhor amiga de Ariel (Julieta), é uma personagem confusa. Na maior parte do tempo é mesquinha e egoísta e trata Ariel como uma aberração. Em certos momentos, age com delicadeza. Tudo isso se justifica apenas no final do livro, o que achei negativo, já que não ficou totalmente explicado. O final envolvendo Romeu e Julieta foi ótimo e deixou espaço para várias interpretações (especialmente em relação a Romeu). Até mesmo um segundo livro, se a autora decidir. 

Como pontos negativos destaco o pouco espaço destinado à explicação da história dos Mercenários, na qual Romeu faz parte, e os Embaixadores da Luz, causa defendida por Julieta. Seria interessante que ficasse mais claro a relação deles com a história do casal e a origem de ambos. O livro é narrado por Julieta e apenas três capítulos temos a voz de Romeu. Acredito que o personagem masculino merecia mais espaço. Em relação aos erros, encontrei poucos de português, como uma letra trocada ou até mesmo de digitação, mas nada que comprometesse o livro. 

Versão de bolso do clássico Romeu e Julieta da Editora Martin Claret

Eu indico a leitura tanto para os fãs de Shakespeare quanto para os fãs de histórias paranormais sobrenaturais. E claro, para os leitores em geral. É bem escrito, os personagens são interessantes e o enredo é coerente. Além disso, indico também a leitura original, de Romeu e Julieta que, lógico, é um livro incrível.

Beijos!