Wake de Lisa McMann

25 de novembro de 2010









Para Janie, uma garota de 17 anos, ser sugada para dentro dos sonhos de outras pessoas está se tornando normal. Ela não pode contar a ninguém sobre isso – eles nunca acreditariam, ou pior, achariam que é uma aberração. Então, ela vive no limite, amaldiçoada com uma habilidade que não quer e não pode controlar. Mas, de repente, Janie fica presa em um pesadelo horrível, que lhe causa um imenso terror. Pela primeira vez, ela é mais do que uma mera espectadora, Janie se torna uma participante.


No início achava esse livro atraente. Depois de algumas resenhas negativas fiquei em dúvida. Em seguida a Etiene [Aprendiz de Cinema] e a Juh Oliveto [Livros e Bolinhos] decretaram a sentença: eu precisava ler Wake.

Já falei por aí, nos vídeos e no blog [eu acho] que sempre fico com um pé atrás com aqueles livros que se tornam febre. Alguns leio porque fico curiosa, outros leio porque gosto do tema. Livros como os do Nicholas Sparks nunca entraram na minha lista de compras, como falo sempre, não tô no “clima” de histórias como as dele. E livros que recebem muitas críticas negativas também me chamam a atenção, como boa curiosa.

No fundo sempre quis ler Wake. A Etiene e a Juh reforçaram e eu tenho que confessar: AMEI esse livro. Mesmo! Depois de Sussurro, que até o momento é meu sobrenatural preferido, Wake vem logo atrás.

No início, foi difícil se acostumar com ritmo do livro e os sonhos que Janie não conseguia fugir. Depois de algumas páginas isso fica fácil. Aliás, o tema do livro foi o principal motivo da minha paixão pela história. Janie descobre com apenas oito anos que é uma apanhadora de sonhos. Imagine você, uma criança, no lugar dela. A personalidade é outro ponto forte pra mim. Janie tem uma mãe que pouco se importa com ela, a casa e tudo que passa ao seu redor. Logo, ela teria todos os motivos pra ser uma protagonista fútil e mesquinha, mas não é!

A paixão entre Janie e Cabel também é uma coisa bem real. Afinal, esses dramas escolares são totalmente realidade: o cara que acha o garota estranha e vice-e-versa. Tá, é um clichê teen, mas funcionou bem no fim de Wake, quando tudo aquilo que Cabel esconde se revela. E claro, NUNCA eu ia imaginar uma coisa daquelas.

Gosto também da relação de Janie com o asilo. Como adolescente, não é um lugar muito comum para se trabalhar, principalmente por todos os cuidados que as pessoas idosas e debilitadas demandam. Mas como quer ir para faculdade, arrisca até seu segredo pelo seu salário, e ao longo da narrativa e com os sonhos que “vê” e conhece um pouco mais de cada pessoa que está internada lá.

Wake não é uma fábula ou conto de fadas moderno. Wake é realista. E foi por isso que gostei tanto dele. Janie é uma adolescente que parece uma [de verdade]. Cabel é um adolescente, que passou por muitas coisas que os adolescentes passam [erros e acertos]. A escola, os amigos e a mãe de Janie, tudo isso compõe um belo cenário de “drama”. Do tipo que a gente pode encontrar na nossa casa, ou no vizinho ao lado.

Wake
Autora: Lisa McMann
Editora: Novo Século
Edição: 2010

Beijos!