Diários do Vampiro: Reunião sombria de L.J. Smith

28 de setembro de 2010






Apesar de para sempre marcados pela tragédia, Bonnie, Meredith e Matt tentam retomar o rumo de suas vidas. Até que sonhos e premonições alertam Bonnie que um mal antigo e poderoso ameaça todos e é preciso buscar ajuda... Com a morte de Elena, Stefan e Damon deixam Fell's Church e voltam a vagar pelo mundo sob a cruz de sua sina: a sede de sangue. Mas um chamado inesperado os coloca novamente no caminho de Elena - e daqueles que ela ama. Presa entre a vida e a morte, Elena permanece ligada a Stefan, por quem se sacrificou. Mas, quando um grande perigo ameaça a cidade e seus amigos, o destino oferece a ela mais uma chance de reencontrar o amor.

Atenção, contém spoilers!

Foi difícil ler esse livro. Confesso. Claro que isso está muito ligado ao fato de eu ter adorado A fúria e pra mim não fez nenhum sentido a continuação. Mas eu já tinha comprado o livro, então não tinha motivos pra deixar ele guardado, sem ler. Então, vamos a ele.

Como todos da série, por vezes a narrativa é tão chata que dá vontade é de jogar o livro na parede, pra ver se muda alguma coisa. Achei esse livro bem pior nesse ponto. Com muitas passagens cansativas e pouco significativas. 

Bonnie como "protagonista" é algo que NÃO dá pra tolerar. Durante toda a série foi uma personagem chata e medrosa. Meredith já foi mais interessante. Por vezes a história deu a entender que ela poderia ser do mau, mas achei um exagero o fato dela não demonstrar sentimentos, sempre naquela coisa de durona. Bonnie e Meredith são um exagero de personalidades opostas. 

Elena está em um lugar que não fica bem claro. Não é céu, não é Terra, é o meio termo? Achei outro exagero a narrativa "endeusar" tanto a Elena. É lógico que quando perdemos alguém que amamos, sentimos falta, relembramos os momentos passados e ficamos revoltados quando a maioria das pessoas esquece. Mas ela é descrita no livro quase como um mito, uma imortal. Não é pra tanto. 

Stefan sempre naquela de culpado. Achando que tem que salvar o mundo, cuidar de todos e também julgar todos. E Damon, pra mim, foi o melhor personagem do livro. Embora ele apareça bem menos que nos outros volumes da série, a mudança de comportamento dele foi algo que não radicalizou sua personalidade. 

E o fim? Não existe aquilo! Tudo bem que é uma história de ficção e tudo mais, mais não ressuscitar uma personagem, né! Exagero. Minhas expectativas eram baixas pra esse livro. Por vezes me surpreendi, mas na maioria do tempo simplesmente não entendi o rumo da história. Não entendi a mensagem do livro. 

Li em muitos blogs resenhas e comentários positivos, e por momentos também gostei. Mas no geral, pra mim, não foi um livro essencial.

Beijos!