Resumo de janeiro (2019) - A Múmia e comédias românticas!

23 de fevereiro de 2019

2019 começou e o objetivo é incluir na programação do blog todas as colunas que eu costumava gravar mensalmente, por isso hoje está de volta, depois de um ano e outros muitos hiatos, o Resumo do mês, a publicação que eu comento e indico (ou não), os filmes e séries assistidos nos últimos tempos. Janeiro foi um mês atípico porque trabalhei mais do que previa, e mesmo assim consegui ler e assistir algumas coisas na televisão.

Inscreva-se no canal do Estante da Nine no Youtube

O primeiro mês de 2019 foi repleto de exibições de A Múmia e O retorno da Múmia, dois filmes da lista dos favoritos da vida por mesclar arqueologia, história, aventura, romance e humor. Desde que assisti pela primeira vez eu fiquei viciada pela história e a estética da história e como fã do Egito desde criança não é surpresa que tenha acontecido. Durante o ano o filme é exibido várias vezes nos canais por assinatura e vale separar um tempo para conferir essa dica (o terceiro filme não assisto tanto e nem recomendo, por isso não citei por aqui).



As melhores leituras de 2018

21 de fevereiro de 2019

O vídeo com as melhores leituras de 2018 saiu no canal há alguns dias (já é inscrito?), e como virou hábito durante essa semana antes de sair para o trabalho sentei para escrever sobre algumas recomendações que, sempre que possível, merecem a menção por aqui, no Youtube ou nas outras redes sociais do Estante da Nine.

A insustentável leveza do ser de Milan Kundera abriu as leituras favoritas de 2018, lá em janeiro. Livro muito comentado, eu tinha certo receio de não gostar, mas o que encontrei foi uma história com casais incomuns, um cenário político, social e geográfico que eu não conhecia antes e questionamentos que sem dúvidas dos mais relevantes entre tantos que já encontrei nesse mundo da leitura.

Parque Gorki de Martin Cruz Smith reúne um pouco de tudo que eu gosto: crime, investigação policial, um protagonista que não se intimida com autoridades, cargos ou instituições em busca da verdade, relacionamentos problemáticos, Guerra Fria, história, Rússia, contrabando e por aí vai. Tudo recheado com uma narrativa que ao mesmo tempo que descreve, e as vezes é cansativo, coloca o leitor junto com Arcady Renko. Essa coleção merece muito novas edições.


Leitura todo dia: semana 106

20 de fevereiro de 2019

Agora sim o projeto Leitura todo dia está em ordem no Estante da Nine depois de uma semana (na verdade duas), toda atrapalhada. O resumo das leituras entre 6 a 12 de fevereiro saiu atrasado no canal (já é inscrito?), e agora é a vez de comentar sobre o que rolou no blog, porque afinal de contas amanhã é dia de vídeo novo para a coluna. 

A semana começou com a leitura de Uma mulher independente de Elisabeth Forsythe Hailey, na quarta dia 6 e a conclusão da história rolou no domingo, 10. A impressão de que era um livro favorito se confirmou e o enredo é essencial para se debater o papel da mulher na sociedade. Apesar de retratar a virada do século XIX para o XX, o livro tem assuntos ainda extremamente atuais e pertinentes. Ao mesmo tempo que mostra certa evolução, também é possível perceber que outro tanto ainda falta para a sociedade ter uma chance de funcionar coletivamente. 


Leitura todo dia: semana 105

19 de fevereiro de 2019

Fevereiro está repleto de trabalho, o que é ótimo, mas o blog sofre com a correria e a desatualização (lá no canal tenho postado os vídeos dentro do possível), por isso hoje tem dois dupla de Leitura todo dia com as semanas que deixei pendentes por aqui, começando com o resumo 105 e o que rolou entre 30 de janeiro e 5 de fevereiro, período pouco empolgante.

Inscreva-se no canal do Estante da Nine no Youtube (clique aqui)

A semana começou com a leitura de Uma mulher independente de Elisabeth Forsythe Hailey. também o livro predominante do resumo. No geral tem sido um livro incrível, sobre a vida de uma mulher incomum e a frente do seu tempo, e ao mesmo tempo que fala sobre a vida de uma pessoa, retrata também as evoluções sociais, tecnológicas e políticas. Assim que concluir rola recomendação de leitura no Estante da Nine (assina o feed para receber as atualizações por e-mail).



Meta de leitura: fevereiro (2019)

10 de fevereiro de 2019

As leituras de janeiro foram boas, e a meta de fevereiro é ambiciosa. Antes de compartilhar os livros que eu quero ler esse mês (ou estou lendo), decidi abandonar Deuses americanos de Neil Gaiman, livro da TBR jar, que ficou comigo alguns meses, mas não rendeu então vai ficar para outro momento, e assim posso dar sequência na coluna sem o acúmulo de livros em andamento. A TBR jar entra esse mês entre na categoria extra.

Em janeiro não deu tempo de ler um livro recebido de autor ou editora, por isso Mocinha de Anienne Nascimento entra como uma meta fixa para fevereiro, umas das minhas leituras atuais em andamento. Infância dos mortos de José Louzeiro e Uma mulher independente de Elisabeth Forsythe Hailey, ficaram da meta passada e são os primeiros livros que espero concluir esse mês, falei sobre eles nas colunas do projeto Leitura todo dia.


Leituras de janeiro (2019) - Shakespeare, Henri B. Neto e romance de banca!

5 de fevereiro de 2019

Eu fiquei alguns meses sem publicar a coluna leituras do mês durante 2018, mas isso muda a partir de 2019. Hoje vou compartilhar os livros finalizados em janeiro e os que ficaram em andamento ou não lidos vão ser tema da meta de fevereiro. Fiquei um pouco abaixo na minha expectativa de seis livros, mas no geral foi um mês regular e bom se comparado a dezembro.

O primeiro livro finalizado de 2019, que é mais de 2018, é Memórias de Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle. Falei bastante sobre o enredo nos vídeos do Leitura todo dia e no geral os três contos finais são meus favoritos da edição. Outro ponto positivo é que os casos têm motivações diversas, familiar, política, criminosa, romântica, o que cria uma combinação interessante de casos para Sherlock investigar. A relação do detetive e Watson também é intensa e peculiar. Um bom livro


3 motivos para ler Os reis da festa de Henri B. Neto

3 de fevereiro de 2019

Não é surpresa para os leitores que acompanham o Estante da Nine há algum tempo o quanto sou fã do trabalho de Henri B. Neto. Minha admiração por ele vai além dos nossos anos de amizade e tenho muito orgulho sempre que alguém recomenda o trabalho dele. Em janeiro eu li Os reis da festa e me apaixonei pela história, tanto que quero dirigir um filme sobre ela algum dia, e por ser a primeira história favorita do ano é claro que ela merecia uma recomendação por aqui, então hoje vou compartilhar meus 3 motivos favoritos para você(s) ler o conto.

Leia também: 3 motivos para ler Contra tempo de Henri B. Neto

1. A LINHA DO TEMPO
Um dos pontos altos de Os reis da festa, provavelmente meu favorito, é a linha do tempo. O contexto do enredo é uma festa na casa de Júlio. Toda a aproximação dos personagens, as trapalhadas dos amigos e a descoberta que algumas coisas que não são bem o que parecem se desenvolve em meio aos caos de jovens e o caos pessoal de Cauã, que quer realmente provar para Júlio que está interessado enquanto a ex-namorada marca presença em cima.



Leitura todo dia: semana 104

Domingo é o dia oficial de riscar atividades da lista de afazeres e o bate papo da vez é com o resumo da semana 104 do projeto Leitura todo dia que aconteceu de 23 a 29 de janeiro (o vídeo saiu na quarta no canal, já é inscrito?), período que teve livro parado, e-book concluído e favorito e nova leitura da meta selecionada. 

Infância dos mortos de José Louzeiro foi o único livro da semana passada, que não rendeu, e depois de ler 11 páginas na quarta, 23, resolvi parar. A história é incrível sim, mas pesada - no trecho em que pausei acontecem sequências de cenas de violência ou abuso, então estava realmente difícil viver, controlar o humor e encarar um enredo cru. Espero voltar a fala sobre o livro na semana 105.