A contradição do Pioneiro

17 de setembro de 2009


Não é novidade que muitos meios de comunicação defendem ideologias diferentes dentro do mesmo espaço. Não é errado, mas causa estranheza. No Diário de Integração da Serra não é diferente.

Vou explicar.

Não tenho muitas referências de profissionais por essa região, mas sem dúvida, a contradição que me deixa em dúvida é entre dois jornalistas que estão na minha lista de admirações. Mais difícil entender, enfim.

Por ser de Caxias, apesar de tudo, tenho um grande sentimento de simpatia pelo Caxias e pelo Juventude (clube que torço desde que nasci). Simpatia que não é cega. Torcedor não pode ser lunático, tem que saber os momentos de torcer e cobrar. A discussão é sobre os recursos destinados a dupla Gre-Nal vindos do Banrisul (banco de "todos" os gaúchos!).

Márcio Serafini além de editor de esportes do Pioneiro é um dos grandes defensores da dupla Ca-Ju. Realista, mas otimista. Procura em cada espaço apontar os méritos e desméritos dos clubes que poderiam estar muito mas longe, mas não estão. Mas acredita que as coisas podem melhorar.

Gilberto Blume é um dos colunistas que mais admiro. Pelo sinceridade. Realismo. Nem sempre concordo com as palavras dele, mas em muitas outras ele joga uma realidade crua na nossa cara. Faz parte. A coluna dele dessa quinta-feira me deixou em dúvida. Lógico que ele critica o fato da Câmara de Vereadores de Caxias fazer uma moção de repúdio ao Banrisul, uma vez que o banco nem lembra dos caxienses.

Acho injusto o Banrisul só apoiar Grêmio e Inter. É um fato histórico. Caxias e Juventude não têm as mesmas honras que a dupla Gre-Nal, mas mereceriam sim ajuda. Só que é egoísmo dos caxienses achar que só a dupla Ca-Ju é injustiçada. Brasil - PE, Esportivo, São José, Novo Hamburgo, Inter - SM e muitos outros times também teriam o direito de recursos do 'banco de todos os gaúchos'. Aí sim, queria ver como tanto dinheiro ia ser destinados aos clubes. Isso ia gerar uma crise sem tamanho. Mas como dinheiro pro futebol faltando escolas, postos de saúde, casas e transporte coletivo de melhor qualidade?

O fato é que, enquanto o Serafini busca o apoio e a emoção de um futuro melhor para a dupla Ca-Ju, o Blume desmerece o futebol da cidade que realmente passa por uma fase péssima desde os anos 2005, 2006. Motivos diferentes que chegam em um pensamento comum. Se é difícil ajudar todos, será que é certo ajudar os que tem mais?!

Gaúchos

10 de setembro de 2009


Nós, gaúchos, sempre tivemos um imenso orgulho de nosso passado, de nossa história. Isso permanece até hoje. E de certa maneira, é bom. Mas é importante que se lembre das nossas escolhas atuais.

As promessas de mudanças, podem ser, na verdade, um alerta para uma mudança de comportamento que alerta para o perigo, escândalos. Nosso estado enfrenta uma forte crise política no Governo Yeda e a cada dia as informações mudam e mudam.

Ivar Pavam (PT), presidente da Assembleia Legislativa Gaúcha aceitou o pedido de impeachment contra a governadora Yeda Crusius, alertando para mais um fato inédito nos momentos atuais do Estado.

O que mais toda essa crise pode gerar?

Mulheres - filhos

2 de setembro de 2009


Geralmente eu não leio a Veja. Tá bom, nunca leio. Nem o site. Mas nos últimos dias ando olhando por causa do trabalho. E uma matéria publicada lá me chamou muito a atenção. A revista de maior circulação nacional (?), nos últimos três anos, não tem me "pego em suas pegadinhas". Mas a matéria não envolve nenhum presidente, futuro ou passado.

É sobre a queda no número de filhos das mulheres. Em virtude da escolarização. Parece lógico, tipo 1+1=2. Mas não é bem por aí. Hoje em dia quando vemos meninas de 15, 16 anos grávidas cai os cabelos, mas 30 anos atrás isso não era um espanto assim tão grande. Quem dirá lá pelos anos de 1950.

Mas tem uma diferença fundamental.

O acesso a todo o tipo de anticoncepcional, de graça, já lança um dos motivos. O saber dos perigos de uma gravidez precoce também. O acesso a informação, esse nem se fala. Na escola, os professores tedem a dar explicações mais obvias. Até porque alunos de 12, 13 anos já são mais andados que eles. Enfim.

Pra mim, Nine, o problema é a cabeça da gurizada mesmo. O resto, tá tudo nas mãos. Quem quiser ler a matéria, tá aqui.