Os senhores da razão

3 de maio de 2009


Hola, que tal?!
Pessoal, eu ia fazer um post sobre o tão aclamado aeroporto (político) regional, mas diante dos fatos que li recentemente (ontem) resolvi mudar o assunto.

Por ser assinante da Abril, recebo muitas vezes exemplares da Veja gratuitos (lógico que eu não pagaria R$1 pela revista, salvo pelas colunas da Lya Luft que leio na internet). O que me surpreendeu, apesar dos apesares, foi uma matéria da seção livros. Todos aqui já sabemos a posição nada imparcial da revista. Então vamos lá.

O livro em questão é do jornalista e historiador Jonathan Fenby, sob o título, em português, OS TRÊS GRANDES. Fenby detalha a relação entre três grandes figuras históricas dos idos do século passado, precisamente da Segunda Guerra Mundial (1939-1945): Winston Churchill, Josef Stalin e Franklin Delano Rooselvelt. Até aí, tudo bem. Nós sabemos que em uma guerra, no fundo não há 'bonzinhos' nem 'mauzinhos'. Todos defendem seus motivos e pontos de vista. O que me chamou a atenção foram duas colocações, a primeira ainda no complemento do título, terminada da seguinte forma:

“(...). Mas não se perde de vista o fundamental: o mundo é um lugar melhor porque eles venceram”.

A segunda relata o seguinte:

“(...) No Brasil, essa impressão de relativa irrelevância, ainda mais forte, subjaz a um amplo desconhecimento e leva um sem-número de pessoas a opinar irresponsavelmente e fora do contexto a respeito de episódios isolados. Daí a facilidade com a qual passam a julgamentos sobre o bombardeio de Dresden ou a devastação nuclear de Hiroshima e Nagasaki. (...)”

Ao terminar de ler isso quase não acreditei no que estava escrito. Com todo respeito ao Nelson Ascher, redator da matéria, mas não pode ser real. Como sabemos se não poderia ser melhor se o outro bloco ganhasse? (Claro que não acho que seria melhor, apenas acho que no fundo não seria assim tão diferente). Como se justifica a devastação de duas cidade, com gente que não entendia o real significado da guerra?

Sinceramente, não sei onde nosso jornalismo vai parar, se a maior revista em circulação no país expressa sua visão dessa maneira e seus fiéis discípulos lêem como se fosse a Bíblia do nosso tempo.

Fonte: Revista Veja, edição 2111, 6 de maio de 2009

13 comentários

  1. hum....algo me diz que os jornalistas da veja devem ganhar bem...devido a imensa quantidade de publicidade que tem na revista...e suas opiniões são, digamos assim, bem polemicas. Os grandes da guerra não foram esses três otários mencionados no livro e na materia, são todos os inocentes que morreram na explosão daquelas porras daquelas bombas desgraçadas e outros milhares de soldados que morreram lutando e deixaram suas familias desoladas para todo o sempre. Parabéns pelo novo blog!!!

    ResponderExcluir
  2. Da mesma forma que revistinhas sem critério algum ficam enaltecendo "bombinhas atômicas" e guerras que não mataram quase ninguém... tem outros tantos que tb defendem a ditadura militar, por exemplo.
    Claro, cada um com a sua opinião. O foda é quando a opinião favoravel a essas "pequenas" atrocidades parte de veiculos de abrangência nacional...

    CAMPANHA "VAMOS PARAR DE LER A VEJA!!!"

    ResponderExcluir
  3. A Veja é uma grande revista,tem muito conteúdo de qualidade. Mas é muito comum ver essas atrocidades na revista.

    ResponderExcluir
  4. a primeira coisa q se perde numa guerra é a razão e a segunda, a verdade. tb acho q não seria mto diferente se eles tivessem ganho ((única diferença seria q o controle do mundo estaria em outras mãos)). nosso jornalismo está entregue na mão de poucos, q o transformaram em um grande negócio e deixaram a paixão, amor e verdade de lado. infelizmente...

    ResponderExcluir
  5. A Veja é tão instrutiva quanto os mapas em que a amazônia aparecem como terras internacionais (eca!odeio essa palavra hehe)...a manipulação de opinião não é tão impactante vindo de quem vêm, pois o pior é a manipulação das informações e dos fatos....isso sim me preocupa nesta revista mentirosa que atende aos interesses de uma minoria que não cansa de sacar os cofres do Brasil...

    ResponderExcluir
  6. Que a Veja pende fortemente para um certo lado (direitoso, por sinal) não é mais novidade para ninguém. O que espanta é o local onde ela costuma colocar as suas opiniões. Se esse tipo de comentário fosse dado sempre em artigos, colunas, ensaios, por mais revoltante que ainda assim seria, ao menos não seria confundido com o fato em si. Porque, convenhamos, a grande massa em si não consegue separar o joio do trigo nas reportagens da Veja, e depois saem por aí enchendo a boca pra falar "Mas eeeeu li na VEJA que...", como se isso fosse sinônimo de verdade plena.
    Obviamente a revista traz volta e meia alguma coisa de qualidade, até mesmo pelo investimento que ela possui. Mas uma aula de ética jornalística, essas básicas que se tem no primeiro ano de faculdade, deveria ser (re)lembrada para certos profissionais e responsáveos pela publicação.

    ResponderExcluir
  7. Sabe que gostei do teu estilo...É bem macio. Vc expressa o que quer, sem ser ofensiva de mais, e sem colocar na prensa quem se sente atacado pelo que foi escrito...

    Sem falar, que vc escreve com conteúdo. Não enrola. Diz o que precisa e como quer.

    Isso é ótimo...
    Gostei, é provável que eu volte mais vezes...

    BeijiN menina...
    Bom final de semana...
    :)

    ResponderExcluir
  8. É mesmo o fim. Salvo pouquíssimas coisas, a Veja é uma péssima revista. Ao menos não se encontra no plano do jornalismo, que tenta ser o mais imparcial possível - sabemos que 100% de imparcialidade não existe, agora 0% não é aceitável.
    Esse ano me indignei com uma das capas de fevereiro que trazia o Robinho e dizia "Porque eles nunca crescem?". Aquilo foi inacreditável pra mim. Fiquei na frente da vitrine da banca analisando aquilo. Escolheram a dedo uma foto dele de comemoração a um gol, na qual ele chupava o dedo fazendo referência ao filho, e transformaram aquilo em infantilidade, acusando e afirmando sem dó nem piedade que ele atacou sexualmente sim, a tal menina na Inglaterra. E isso é claro, sem prova nenhuma.
    Ela é, pelo que faz, uma revista anti-ética e manipuladora, faminta por audiência a qualquer custo, utilizando vidas pessoais de famosos e notícias chocantes, não importando a veracidade. Isso tudo na minha opinião, é claro. Há quem discorde.

    Nossa, falei demais auhshuas
    E adorei teu blog.
    Tu estuda na UCS né? Já te vi por lá eu acho.

    Voltarei mais vezes, já ta nos favoritos!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Cara!
    Claro, tu é minha colega em Português CS I né?

    ahshauhshauhsua

    Lembrei agora...

    Meu deus, eu preciso descansar...
    Ando muito delisgada!
    Graças à Deus é final de semana!
    hehe

    Até a gente falou da capa do Robinho na aula... achei interessante ela trazer logo aquela capa, porque me chamou atenção mesmo de tão ridícula que foi.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Veja e suas matérias sempre " éticas", com o tmepo a gente vai criando aversão a esse tipo de jornalismo. Que se destina não a informação, mas o apoio a algum lado político ou econômico, ou ambos. Não dá pra entender como tanta gente leva muito as sério as matérias dela, mas enfim, servem para discuções não é? ehee
    Adorei seu blog!
    BEijoss^^ E voltarei!

    ResponderExcluir
  12. me interessei em ler este livro mas esta mto caro
    aisaiosjiaosjioas
    acho q vou ler cartas entre amigos do padre fabio + gabriel chalita...

    não leio a veja.
    acho q existem algumas coisas que relamente são d interesse do público...
    politica principalmente...
    .
    .
    gostei da sua resenha sobre.
    parabens pelo senso crítico.
    primeira vez no seu blog....
    esperoRetornar mais vezes =]


    voltei com alegria e pimpacidade.
    espero que goste das atualizações do
    www.bagageirodocurioso.spaceblog.com.br

    e ótima semana.
    se cuide
    abraço!

    ResponderExcluir
  13. Não acho legal uma revista tão conhecida ser explicitamente imparcial em certos assuntos, mas isso não é o que mais me incomoda. O que me incomoda mais é quando pessoas leem algo, como isso, numa revista ou jornal, e tomam isso como verdade absoluta. Meu professor de história dizia "Um texto fora de contexto gera pretexto pra bobagem."

    ResponderExcluir

Olá! Deixe sua opinião. ;)